O Holocausto como uma lição


.

.

Ontem (27 de janeiro) foi designado como o Dia para Recordar as Vítimas do Holocausto nazista, o 65 º aniversário da libertação de Auschwitz-Birkenau pelas tropas soviéticas. O que os soldados soviéticos encontraram lá, no maior dos muitos campos de concentração espalhados por toda a Europa desde a Alemanha até os três Estados bálticos, chocou o mundo inteiro…

O Holocausto (do grego holos – todo; e kaustos – queimado) é um termo normalmente associado com o extermínio do povo judeu pelo regime de direita fascista nazista, em cujo ápice sentava itlerHi Hitler e cujos tentáculos foram espalhados por todos os países não neutros na Europa com a exceção da Grã-Bretanha, no ocidente, e a União Soviética, no Oriente.

No entanto, este mal não foi perpetrado apenas contra os judeus. As vítimas do Holocausto incluíram os homossexuais, ciganos, pessoas com deficiência, Testemunhas de Jeová, outros oponentes religiosos, os presos políticos, poloneses, prisioneiros de guerra soviéticos e cidadãos soviéticos. Embora o número exato de pessoas que morreram durante esse processo está aberto ao debate (números oficiais podem incluir aqueles que morreram de causas naturais e doenças) e se o resultado preliminar não é exatamente os seis milhões de judeus que nos livros de história afirmam, então o resultado final deve ser muito mais se extrapolarmos os registros conhecidos de mortes em determinados campos.


Só nos três Estados bálticos, por exemplo, os números são impressionantes: na Letónia, entre 70.000 e 85.000 judeus foram exterminados nos campos de Mezaparks na Kaiserwald perto de Riga, Daugavpils, Lenta, Liepaja, Manor Strazdu, Dundaga, Jelgava, Valmiera, Salaspils e Jumpravmuita. Na Estónia, até 30% da população judaica do país, foi assassinada nos campos de Auvere, Aseri, Dorpat, Ereda, Goldfields, IDU-Virumaa, Illinurme, Jägala, Johvi, Kalevi-Liiva, Kivioli, Klooga, Kukruse, Kunda, Kuremäe, Lagedi, Narva, Narva-Jõesuu, Petschur, Putki, Saka, Stara Gradiska, Sonda, Soski, Tartu, Vaivara, Viivikonna e Wesenburg. A população romany da Estónia foi praticamente dizimada: ao contrário dos judeus, a maioria dos quais conseguiu escapar, eles não tinham para onde ir. E na Lituânia, entre 135.000 e 220.000 pessoas foram mortas nos campos de Kovno (Kaunas), Kauen, Slobodka, HKP em Vilna e Prawienischken.


Portanto, se neste cantinho da Europa, cerca de 300.000 pessoas (casos documentados) perderam suas vidas, então os “números reais”do Holocausto eram bem maiores de seis milhões.

Os que negam que o Holocausto existisse
Aqueles que negam que o Holocausto alguma vez aconteceu podem ser processados sob as leis de vários Estados, mas em vez de dar a essas pessoas qualquer grau de credibilidade através do processo penal, seria mais condizente classificá-los no mesmo conjunto como aqueles que afirmam que a Terra é plana , que a Lua não existe ou os que dizem que existem fadas, no final do jardim.

A alegação de que os campos de concentração e câmaras de gás e os fornos foram uma farsa está levando a teoria da conspiração para o reino do absurdo e é uma declaração de desrespeito insensível para os homens, mulheres e crianças que morreram em circunstâncias mais horríveis e terríveis. O próprio fato de que as pessoas foram detidas, contra sua vontade, sem provas, é um atentado contra os direitos humanos.


Lembrando o passado para ensinar para o futuro
A ONU insiste na importância de sobreviventes do Holocausto compartilharem suas histórias, como forma de incentivar o respeito à diversidade e aos direitos humanos. Como o Secretário-Geral Ban Ki-Moon, afirmou: “Os sobreviventes do Holocausto não vão estar connosco para sempre, mas o legado da sua sobrevivência deve continuar”.


O legado da sua sobrevivência está em primeiro lugar, que o Holocausto realmente aconteceu, que a humanidade pode facilmente afundar-se a mais horríveis e bárbaros níveis de depravação dentro de um espaço muito curto de tempo, que a crueldade inimaginável e desrespeito contra a condição humana com base racista o ódio é totalmente possível e aconteceu durante a memória viva. O legado é também uma vitória sobre o mal, uma mensagem de esperança que entretanto por péssima que a situação de um ser humano possa parecer, há esperança de sobrevivência e que se as pessoas estiverem juntas, a noção de força através da solidariedade humana é real e válida.


Enquanto lembramos as vítimas do Holocausto, não só mas também… lembremos dos judeus, os ciganos, deficientes, homossexuais, soviéticos, poloneses e grupos religiosos, entre outros, também devemos lembrar o Holocausto Negro, que foi a queima holística e profanação de culturas de centenas de povos através da prática da escravidão e, aliás, outros atos de barbárie e crueldade perpetrados ao longo da história.
Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru

Link original: http://port.pravda.ru/mundo/29-01-2010/28794-holocausto_licao-0

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: