Carnificina dentro de prisão maranhense


Três cabeças de presos decapitados não deixavam negar o terror que se instalou durante a rebelião ontem no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, no Maranhão. Um monitor foi baleado e sete pessoas foram feitas reféns. O saldo divulgado pela Polícia Militar até o início da noite contava 14 mortes. Nove corpos foram liberados pelos rebelados para o Instituto Médico Legal (IML). Mas informações da polícia sinalizam mais cinco corpos dentro da prisão. A rebelião adentrou a noite após os presos recuarem das negociações feitas com representantes da polícia e do poder público. O diálogo será retomado hoje.

Foto: Honório Moreira/OIMP/D.A Press

Foto: Honório Moreira/OIMP/D.A Press

O governo pediu ajuda de forças federais. O motivo principal da rebelião seria rixa entre presos da capital e de municípios. Os rebelados exigiram a retirada ou a separação dos presos do interior e de São Luís. Pediram também a substituição do diretor-geral da penitenciária, Luís Henrique Sena de Freitas, e da adequação do abastecimento de água para o presídio, que seria falho. A negociação foi interrompida no fim da tarde por conta do receio dos presos.

Por volta das 9h, um dos monitores do presídio abriu uma cela especial para levar um dos detentos para o pátio. O preso tomou-lhe a arma, desferindo-lhe um tiro nas costas e outro em uma das pernas. A rebelião se espalhou. E as execuções também.

PM chegou a invadir a unidade, mas recuou. Detentos arremessaram cabeças pelo portão da penitenciária Foto: Neidson Moreira/OIMP/D.A Press

PM chegou a invadir a unidade, mas recuou. Detentos arremessaram cabeças pelo portão da penitenciária Foto: Neidson Moreira/OIMP/D.A Press

Quatro monitores foram feitos reféns, bem como duas esposas de presos que visitavam a cadeia. Às 11h, o negociador Luís Eduardo Vaz tomou a frente dos diálogos. Deu-se o primeiro avanço: o monitor baleado, Raimundo de Jesus Coelho (o Dico), foi liberado e encaminhado para o Hospital São Domingos, onde permanecia em estado grave. As negociações estancaram. Os rebelados exigiram a presença de membros da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA), juízes da Vara de Execuções Penais e da imprensa. O secretário estadual de Administração Penitenciária, João Bispo Serejo, já estava presente. Às 14h, foram libertadas duas mulheres.

No momento mais crítico, presos jogaram cabeças de três vítimaspelo portão. Um dos decapitados seria o mototaxista Valdimar Lindoso Ferreira, conhecido como Motoboy, 38, condenado por matar a família, em 2006. Em nota, o governo do estado declarou que ´no Maranhão, assim como nos demais estados, a superlotação dos presídios é uma realidade.

Foto: Honório Moreira/OIMP/D.A Press

Foto: Honório Moreira/OIMP/D.A Press

O problema está sendo enfrentado com a construção de novas unidades prisionais`. O Complexo tem 375 detentos onde deveriam ser alojados 250. (Ronald Robson e Daniel Fernandes, de O Imparcial)

Link original: http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/11/09/brasil1_0.asp

TJ Notícias: Os membros da família citada na matéria eram Testemunhas de Jeová, mas o motoboy Valdimar Lindoso Ferreira não estava entre os assassinados na rebelião.

 

One response to this post.

  1. que tragédia

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: