Transfusão de sangue: quando existem tratamentos alternativos aos pacientes


Existem procedimentos alternativos à transfusão de sangue

Existem procedimentos alternativos à transfusão de sangue

Janyne Godoy

Quando a transfusão de sangue é indicada a um paciente, poucas pessoas se negam a receber. Mas e quando o embasamento religioso recusa tal procedimento?

Esta postura é adotada pelos Testemunhas de Jeová, que acreditam que as transfusões de sangue são proibidas por trechos bíblicos.

Um projeto de lei de 2005 do deputado federal Dr. Heleno previa instituir o direito de opção de tratamento de saúde alternativo a todos os pacientes passíveis do uso de transfusão, porém tal projeto não foi aprovado e está arquivado.

A recusa de tratamento médico motivada por convicção religiosa já tem proteção constitucional, mas poucas pessoas sabem que qualquer um, independente da religião, pode solicitar procedimentos alternativos à transfusão sanguínea.

Atualmente as comunidades médicas e jurídicas, ainda que de forma tímida, têm dado sinais de que tendem a reconhecer o direito do paciente de rejeitar determinados tratamentos médicos, independentemente do risco que ele esteja correndo com essa recusa.

Em todo o mundo existem mais de 100 mil médicos que utilizam técnicas alternativas à transfusão sanguínea. No Brasil, já por mais de uma década, os médicos vêm utilizando técnicas em substituição à transfusão sanguínea.

Pesquisas apontam que a experiência médica tem também demonstrado que a utilização de técnicas alternativas ao sangue apresenta diversas vantagens, sendo uma delas a impossibilidade de transmissão de doenças viróticas mortais ao paciente.

Vagner Gamba, da Comissão de Ligação com Hospitais para as Testemunhas de Jeová (COLIH), fala um pouco sobre o assunto, de forma a esclarecer a existência de procedimentos alternativos:

JC – Hoje existe muito preconceito por parte da sociedade a respeito desse assunto exatamente por não entender os motivos, que não são apenas religiosos. Vocês acreditam que falta informação médica sobre as alternativas?

Gamba – Não, hoje em dia uma rápida busca na internet sobre cirurgia sem sangue, alternativas às transfusões, no blood, etc, encontrarão muita informação a respeito e praticamente todas revistas médicas publicadas no mundo têm centenas de artigos sobre o assunto.

JC – Poderia citar alguma das alternativas existentes à transfusão sanguínea?

Gamba – Para pacientes anêmicos, uma alternativa é o uso de HrEPO, um hormônio que faz crescer rapidamente os glóbulos vermelhos. Em cirurgia, o recuperador de células, que aspira o sangue que seria perdido durante a cirurgia, filtra e devolve no mesmo momento ao paciente, evitando assim a necessidade de transfusões. E a mais utilizada em praticamente todas as cirurgias é a HNA, hemodiluição normovolêmica aguda, que retira um pouco do sangue do paciente minutos antes da cirurgia, repõe o volume de sangue retirado com um solução acelular e vai reinfundindo este sangue durante o procedimento para compensar a perda durante a cirurgia. Este é o procedimento mais simples e de custo praticamente zero, usado nos grandes centros cirúrgicos da Europa e dos EUA. Ainda existem dispositivos cirúrgicos para minimizar a perda sanguínea, técnicas para evitar e controlar hemorragias, técnicas anestésicas para limitar a perda sanguínea, expansores do volume, agentes hemostáticos para hemorragia e coagulação, e muitos outros. Importante ressaltar que cada caso é um caso e em cada um deve-se estudar quais estratégias usar e muitas vezes se usam uma combinação dessas estratégias a fim de obter o melhor resultado.

JC – Sobre os médicos que fazem os procedimentos, vocês acreditam que falta informação para que eles façam cirurgias sem a necessidade de sangue?

Gamba – A Comissão de Ligação com Hospitais, da qual faço parte, tem um programa de visita a médicos, hospitais, escolas de medicina, enfermagem, etc, pelo qual levamos informações atualizadas, fazemos palestras, conferências médicas, além de um amplo material que colocamos à disposição de qualquer médico ou instituição e sem custo, e muitos médicos têm se interessado pelo assunto, ampliando assim seus conhecimentos, técnicas em benefício não apenas desse grupo minoritário, mas de toda a sociedade, uma vez que sabe-se que, apesar dos avanços da medicina, ainda assim os riscos associados às transfusões são alarmantes e a mortalidade relacionada às transfusões continuam altas.

Link original: http://jornalcidade.uol.com.br/rioclaro/dia-a-dia/saude/98704–Transfusao-de-sangue:-quando-existem-tratamentos-alternativos-aos-pacientes-

One response to this post.

  1. Como é bom saber! Que muitos profissionais da medicina estão agindo de modo sábio com relação a saúde e levando em consideração, digo, respeitando a consciência cristã das Testemunhas de Jeová. Isso é também para prevenção, pois quando alguma das tragédias no mundo que sempre acontece, pois não estamos imune a tais, já terão um conhecimento extra que pode nesses momentos de dificuldades, que servirá de proteção e salvará os pacientes sem deixar outros traumas relacionados a saúde tanto para os pacientes como para os bons profissionais da saúde. Pois já imaginou-se nas grandes tragédias ir coletar sangue de quem?

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: