Archive for abril \27\UTC 2017

[The Economist] Roubando as Testemunhas de Jeová – A Rússia proíbe as Testemunhas de Jeová, assim como a União Soviética (Inglês)


A Igreja Ortodoxa Russa não gosta da concorrência

Quando os homens da KGB chegaram ao apartamento de sua família, dividiram Yaroslav Sivulsky e seus pais em quartos separados. Sr. Sivulsky, então um menino na União Soviética, observou como os agentes procuraram seus pertences para a “literatura proibida”. Seus avós foram exilados na Sibéria por pertencerem às Testemunhas de Jeová, uma denominação cristã fundada na América no século XIX; Seus pais tinham mantido a fé viva em sua casa.

Agora, Sivulsky e as outras 175.000 Testemunhas de Jeová na Rússia enfrentam a perspectiva de retornar a uma existência subterrânea. Em 20 de abril, a Suprema Corte russa proibiu as atividades do grupo, declarando-a uma organização “extremista”. “Está tudo de novo acontecendo”, diz Sivulsky. “Naquela época, eles vieram atrás de nós por razões ideológicas, e agora porque nossa fé não é do” tipo certo “.”

A decisão coloca o grupo, cujos membros pregam a não-violência e se recusam a servir nas forças armadas, na mesma base legal que vários grupos neonazis. Advogados do Ministério da Justiça russo argumentaram que eles representam uma ameaça à “ordem pública e à segurança pública”. A propriedade e os bens do grupo devem ser apreendidos. Qualquer atividade religiosa organizada será considerada ilegal, com violadores enfrentando multas íngremes e até mesmo potenciais sentenças de prisão. Se implementada, a decisão seria “de longe o golpe mais severo para a liberdade religiosa na Rússia desde o fim da União Soviética”, argumenta Geraldine Fagan, autor de “Crer na Rússia: a política religiosa após o comunismo”.

A decisão é um testamento à crescente influência da Igreja Ortodoxa Russa, especialmente de uma ala radical que vê as Testemunhas de Jeová como uma seita perigosa que se desvia da versão oficial do cristianismo. A decisão do tribunal marca o culminar de uma longa e concertada campanha. Especialistas traçam a última onda de problemas até 2009, quando ativistas ortodoxos e autoridades locais começaram a perseguir agressivamente membros e congregações. Os tribunais regionais acrescentaram constantemente a literatura das Testemunhas de Jeová a listas de obras extremistas proibidas, muitas vezes em locais absurdos. (Um panfleto foi sinalizado por uma linha criticando a igreja ortodoxa russa, era uma citação de Tolstoi, cujas obras não são exatamente proibidas na Rússia.) A recusa do grupo em participar de rituais militares do estado alimentou ainda mais a suspeita. “A campanha se encaixa com a unidade de maior segurança, unidade e patriotismo”, diz Fagan. “A alteridade e a dissidência são vistas como ameaças.”

As queixas da Igreja Ortodoxa encontraram apoio entre os serviços de segurança russos, que vêem as Testemunhas de Jeová com sede em Brooklyn como um ninho de perniciosa influência estrangeira. Valery Malevany, vice-presidente de um grupo de veteranos do serviço de segurança, sugeriu que as Testemunhas de Jeová e outros grupos cristãos eram “financiados por serviços especiais ocidentais” para realizar “sabotagem” e “trabalho de inteligência”. Vitaly Milonov, um ultraconservador MP, disse que os governos ocidentais estavam usando o grupo para promover seu objetivo de “destruir o nosso país através da decadência espiritual e morena”. Roman Lunkin do Centro para o Estudo de Religião e Sociedade na Academia Russa de Ciências vê a cruzada como parte de “uma onda de suspeita e medo com relação ao Ocidente”. Nos últimos anos, os tribunais russos declararam mais de 140 organizações não-governamentais “agentes estrangeiros” para receber dinheiro do exterior. “Agora chegou à religião”, diz Lunkin.

Não está claro se a decisão anuncia uma repressão mais ampla ou permanecerá um incidente isolado. As Testemunhas de Jeová foram atacadas em parte porque apresentavam um alvo fácil, argumenta o Sr. Lunkin. Os membros não votam, são firmemente pacifistas e desfrutam de pouco apoio entre uma população que se assemelha ao seu proselitismo porta-a-porta e teologia desconhecida. Mas a decisão é improvável que cause crentes a perder a fé. “Quem nós devemos escutar agora?” Sr. Sivulsky muses. – A decisão injusta do tribunal, ou Deus?

Link original: http://www.economist.com/news/europe/21721395-russian-orthodox-church-does-not-competition-russia-bans-jehovahs-witnesses-just

Anúncios

[philly.com] Rússia intensifica violações da liberdade religiosa (Inglês)


Dmitri Lovetsky / Associated Press, Pool - Russo Vladimir Putin em uma coletiva de imprensa em São Petersburgo, em 3 de abril.

Dmitri Lovetsky / Associated Press, Pool – Russo Vladimir Putin em uma coletiva de imprensa em São Petersburgo, em 3 de abril.

Por Thomas J. Reese e Daniel Mark

Em 26 de abril, a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) divulgou seu relatório anual sobre as condições para a liberdade religiosa no exterior.

Entre os países que informamos sobre a Rússia, onde apenas este mês, o mais alto tribunal do país emitiu uma decisão arrepiante que permite ao governo proibir todas as operações das Testemunhas de Jeová.

Esta decisão, horrível por si só, foi o último exemplo dramático de como as violações da liberdade religiosa pioraram nos últimos anos. Desde o assédio administrativo à prisão arbitrária até às execuções extrajudiciais, o governo da Rússia continua perpetrando violações de forma sistemática, contínua e atroz.

Os Estados Unidos precisam enviar uma mensagem inconfundível. Exortamos o Departamento de Estado dos EUA a designar a Rússia como “país de especial preocupação” ao abrigo da Lei de Liberdade Religiosa Internacional de 1998. Devemos reconhecer o governo do presidente Vladimir Putin para o que é um dos mais graves violadores da liberdade religiosa no mundo

Durante anos, a Rússia aplicou vigorosamente sua lei anti-extremismo, com muçulmanos e Testemunhas de Jeová muitas vezes alvo. A lei, que não exige o uso ou a ameaça de violência para fins processuais, é apenas vaga quanto à perseguição de virtualmente qualquer tipo de expressão – religiosa, política ou de outra natureza – que o governo se opõe. A lei foi autorizada a listar milhares de itens de ambos os grupos, incluindo o livro infantil das Testemunhas de Jeová, Meu Livro de Histórias Bíblicas.

Um ano atrás, o Kremlin começou a implantar essa lei contra as Testemunhas de Jeová de uma maneira nova e terrível. Em março de 2016, o Ministério da Justiça advertiu as Testemunhas de Jeová que a organização estava em perigo de perder seu direito legal de existir na Rússia devido a questões de “extremismo”. Posteriormente, as autoridades foram capturadas em fitas de vídeo proibindo material “extremista” em salões de oração pertencentes às Testemunhas de Jeová. Com base nessa chamada evidência, o Ministério da Justiça suspendeu toda atividade das Testemunhas de Jeová.

E agora, com o Supremo Tribunal da Rússia ter decidido recentemente para o Ministério da Justiça, as Testemunhas de Jeová são legalmente abolidas na Rússia. É a primeira vez que a Rússia proibiu legalmente uma organização religiosa administrada centralmente.

Este é apenas um exemplo – embora claro, de como as condições de liberdade religiosa da Rússia foram de mal a pior. Outros exemplos variam de uma lei anti-blasfêmia promulgada em 2013 para as alterações Yarovaya promulgada em julho passado. Incluindo uma medida dirigida a grupos que privilegiam o compartilhamento de sua fé com os outros. A medida torna ilegal pregar, ensinar e publicar conteúdos religiosos em qualquer lugar que não seja sites aprovados pelo governo. Mais brutalmente, no Cáucaso Norte, as forças de segurança russas realizam regularmente detenções, seqüestros, desaparecimentos e assassinatos de pessoas suspeitas de vínculos com o islamismo “não-tradicional”.

Além disso, a Rússia gastou os últimos três anos impondo sua repressão religiosa homegrown em Crimea e em partes de Ucrânia oriental.

Ele usou suas leis anti-extremismo como pretexto para perseguir as minorias religiosas da Criméia, e as autoridades realizaram repetidas incursões em casas e mesquitas muçulmanas. Em setembro, o Supremo Tribunal da Rússia confirmou a proibição do Mejlis, o corpo representativo dos tártaros da Criméia muçulmana, o extremista.

As autoridades pró-russas também têm assediado igrejas da Criméia que operam independentemente do Patriarcado de Moscou da Igreja Ortodoxa Russa, que o Kremlin transformou em uma igreja estatal de fato, forçando alguns líderes a deixar a península. Em janeiro de 2016, as autoridades ordenaram ao Patriarcado Kyiv da Igreja Ortodoxa da Ucrânia que deixasse seu último espaço de oração na capital da Crimeia, Simferopol, e em dezembro fecharam a igreja pentecostal em Bakhchisaray.

Abusos semelhantes foram visitados em partes do leste da Ucrânia desde que os grupos apoiados pelos russos conquistaram algum território e criaram enclaves separatistas. Essas forças confiscaram as Testemunhas Evangélicas, Pentecostais e de Jeová de adoração e escolas, e perpetraram ataques à Igreja, sequestros e agressões contra o Patriarcado de Kiev e representantes protestantes.

Claramente, a Rússia tem vastamente escalada e expandiu sua prática de repressão religiosa. O governo dos Estados Unidos deve responder, brilhando um ponto sobre o comportamento de Moscou. A designação de “país de especial preocupação” seria um bom ponto de partida.

O Padre Thomas J. Reese, S.J., é presidente da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional. Treesesj@ncronline.org
Daniel Mark serve como vice-presidente e é professor assistente de ciência política e professor de batalhão ROTC da Marinha na Universidade Villanova. Dmark@uscirf.gov

Link original: http://www.philly.com/philly/opinion/commentary/russia-escalates-violations-of-religious-freedom-20170426.html

[RadioFreeEurope RadioLiberty] (Vídeo) Marcados como Extremistas, Testemunhas de Jeová da Rússia diz a Constituição (Inglês)


Por Tom Balmforth

Adoradores muitas vezes lêem de smartphones e tablets, pois os envios de Bíblias foram interceptados na fronteira russa pelos costumes desde 2015.

Adoradores muitas vezes lêem de smartphones e tablets, pois os envios de Bíblias foram interceptados na fronteira russa pelos costumes desde 2015.

MOSCOU – As Testemunhas de Jeová lentamente entraram lentamente em um modesto templo no noroeste de Moscou para seu primeiro serviço como “extremistas”.

Apenas dois dias antes, em 20 de abril, a Suprema Corte havia declarado a denominação cristã como uma organização extremista e ordenado a sua propriedade na Rússia apreendida, efetivamente proibindo as Testemunhas de Jeová do país uma vez que a decisão entre em vigor.

No entanto, neste dia os serviços continuam como normal no Salão do Reino de Moscou – embora com medidas de segurança ramped-up. Referindo-se a disposições legais que consagram o direito de “escolher livremente, possuir e difundir opiniões religiosas e outras”, o ministro diz à congregação que aplaudiu fortemente que “o artigo 28 da Constituição da Rússia ainda nos permite continuar a adorar a Jeová e compartilhar nossas convicções pessoais com outros.”

Sentado em filas, o rebanho canta e lê de smartphones e comprimidos em vez de hinários ou boletins de serviço; As remessas de Bíblias usadas pelas Testemunhas de Jeová foram interceptadas na fronteira russa pelos costumes desde 2015. Em qualquer caso, os organizadores não distribuem literatura para não violar as leis contra a missão.

Adoradores como Yevgeny Kondautov, 45, dizem que essas reuniões a portas fechadas permanecem legais porque a decisão ainda não entrou em vigor e o processo de apelação está em andamento. Mas ele disse que a comunidade está no limite e que a decisão enviou uma mensagem à sociedade e à polícia de que membros de sua comunidade são extremistas.

Uma cópia da tradução da Bíblia feita pelas Testemunhas de Jeová

Uma cópia da tradução da Bíblia feita pelas Testemunhas de Jeová

Ele diz que um dia antes assaltantes atiraram pedras em sua sede em São Petersburgo, esmagando janelas.

“Chamamos a polícia, mas eles não vieram”, diz Kondautov. “Eles pensam: ‘Eles são extremistas, então é isso que eles têm vindo a eles'”.

Ele também acredita que a polícia poderia irromper pela porta a qualquer momento. Vários Salões do Reino em todo o país teriam sido invadidos nos últimos meses. Em 14 de abril, por exemplo, a TV estatal mostrou Guardas Nacionais armados em equipamentos de combate invadindo um Salão do Reino em Chelyabinsk:

Infelizmente, temos muita experiência nisso “, diz Kondautov, cujo avô, uma Testemunha de Jeová, foi enviado para os campos de trabalho sob o comando de Josef Stalin, por proselitismo.

As Testemunhas de Jeová tiveram uma perseguição pequena e perseguida na União Soviética. Depois que suas atividades foram legalizadas após a dissolução soviética, seu número de membros ativos aumentou para mais de 170.000.

O Salão do Reino atendido por Kondautov é o maior em Moscou e foi alugado pelas Testemunhas de Jeová por cerca de 20 anos. Ele tem cinco salas diferentes compartilhadas por adoradores divididos em congregações pela região de Moscou. Há também serviços realizados em línguas estrangeiras e um em linguagem gestual para uma pequena congregação surda.

Após o incidente em São Petersburgo, Kondautov diz, eles pararam de usar seu salão principal, porque é no piso térreo e eles temem pedras poderiam ser atiradas para as janelas.

Outras precauções de segurança já se tornaram rotina. Cada vez que abrem o salão, os adoradores conduzem uma varredura das instalações para se certificar de que nenhuma literatura extremista tenha sido plantada. Eles alegam que os policiais plantam livros proibidos para “encontrá-los” durante os ataques, estabelecendo um pretexto para o grupo ser banido.

Os membros da congregação levantam as mãos durante o serviço esperando que eles sejam selecionados para ler em voz alta.

Os membros da congregação levantam as mãos durante o serviço esperando que eles sejam selecionados para ler em voz alta.

As Testemunhas de Jeová têm sido vistas há muito tempo com suspeita na Rússia por suas posições sobre o serviço militar, o voto ea autoridade do governo em geral. Eles são freqüentemente retratados na TV estatal como uma seita perniciosa ligada aos Estados Unidos que destrói famílias e ameaça vidas por meio de sua postura em transfusões de sangue.

O processo de extremismo procurou proibir o centro administrativo da cabeça das Testemunhas de Jeová, alegando que seus ramos locais haviam sido apanhados com literatura extremista. As Testemunhas de Jeová alegaram no tribunal que esses itens haviam sido plantados e que também haviam tomado medidas para impedir que a literatura extremista fosse trazida para suas instalações.

Mikhail Vanichev, 43 anos, vendedor de uma empresa jurídica, teme que o Salão do Reino em Moscou possa ser apreendido pelas autoridades.

“Esperamos que isso não aconteça”, diz ele, observando que o edifício não é propriedade deles e, portanto, não pode ser confiscado tecnicamente de acordo com a decisão do tribunal. “Este edifício não pertence ao Centro Administrativo [das Testemunhas de Jeová], mas não sabemos o que poderia acontecer”.

Vanichev explica que, em teoria, o senhorio poderia ficar sob pressão para parar de alugar a propriedade.

“Houve casos em que estávamos alugando um prédio e fizemos um pagamento antecipado e assinamos um contrato, e a pressão foi colocada no senhorio e ele retirou-se”, diz ele.

Este edifício no noroeste de Moscou tem servido como um Salão do Reino para as Testemunhas de Jeová nos últimos 20 anos.

Este edifício no noroeste de Moscou tem servido como um Salão do Reino para as Testemunhas de Jeová nos últimos 20 anos.

Adoradores disseram que ficaram chocados com a decisão e colocaram suas esperanças em apelos.

“Claro, estou preocupada com a minha vida”, diz Sofia Nasonova, de 24 anos. “Eu nunca fiz nada de ruim para ninguém. Eu era uma boa menina na escola. Eu era um estudante de honra. Lei é realmente surpreendente para mim, que eles querem banir-nos. ”

Seu marido, Aleksei Nasonov, de 44 anos, diz: “Vamos esperar que a justiça triunfe, não estamos violando nenhuma lei, a lei da liberdade de consciência nos permite proselitismo”.

A situação é desagradável, diz Nasonov, que faz trabalhos de renovação e se descreve como um ex-alcoólatra, mas não inesperado.

“Como é dito nas Sagradas Escrituras, Jesus foi perseguido e seus seguidores serão perseguidos”, diz Nasonov. “Então, em princípio, estávamos preparados para isso. É lamentável que isso tenha acontecido.”

Depois do culto, a próxima congregação logo se reunia no lado de fora do Hall No. 4. Uma mulher idosa bem vestida se aproxima de Kondaudov e Vanichev conversando lá fora.

“Desculpe interromper, eu tenho acompanhado as notícias e fiquei um pouco assustado, como vamos agir agora?”, Ela diz.

“A única coisa que resta é sorrir, para não chorar”, responde Kondautov, rindo suavemente.

“Ah, eu entendo”, diz ela. “E para abrir nossos braços em perplexidade.”

“Sim, isso fará também”, conclui Kondautov.

Link original:

Uma semana em revisão 26/04/17 (Inglês)


Por Joseph Rios
News@lavozcolorado.com

Foto cortesia: addicitinginfo.org

Foto cortesia: addicitinginfo.org

África
Crianças mortas em acidente de ônibus Gauteng, África do Sul está de luto pela morte de 19 crianças. As crianças foram mortas em um acidente de mini ônibus. O ônibus pegou fogo quando ele colidiu com um caminhão perto da capital de Pretória. O Departamento de Educação de Gauteng disse que o motorista de ônibus subestimou a velocidade do caminhão enquanto ele estava virando o ônibus. Panyaza Lesufi, um funcionário da educação em Gauteng, chamou o incidente de um “dia negro”.

Ásia
Taliban ataca base militar afegã Militantes do Taleban mataram pelo menos 50 soldados afegãos em uma base militar em Balkh, no Afeganistão. Os militantes talibãs disfarçaram-se em uniformes do exército e conseguiram passar por vários postos de controle militares antes de realizarem o ataque. O Taliban atacou o 209º Corpo do Exército Nacional Afegão. O 209º Corpo é responsável pela segurança na maioria do norte do Afeganistão.

Europa
Os candidatos presidenciais franceses fazem o último passo – À medida que a corrida presidencial francesa chega ao fim, os candidatos fizeram o seu empurrão final para os votos na TV. Todos os 11 candidatos fizeram seu empurrão final para votos. Durante seu tempo na TV, o líder da extrema-direita Marine Le Pen criticou a União Européia. Ela é vista como uma corredora na eleição ao lado do centrista Emmanuel Macron. Macron fez seu discurso para os franceses dizendo que seu primeiro dever de ser presidente seria proteger os cidadãos franceses. Dois policiais foram feridos e um policial foi morto recentemente no centro de Paris.

A Rússia rejeita a prática de Testemunhas de JeováTestemunhas de Jeová são oficialmente governadas como um grupo religioso ilegalizado na Rússia. A Suprema Corte russa decidiu que o grupo religioso é uma organização extremista e que distribui panfletos promovendo o ódio. Testemunhas de Jeová disseram que tem pelo menos 175 mil praticantes na Rússia. O Ministério da Justiça da Rússia pediu que a Suprema Corte russa feche a sede nacional das Testemunhas de Jeová.

América latina
Empresa da Venezuela doou dinheiro para a inauguração do Trump – Documentos arquivados na Comissão Eleitoral Federal revelaram que a Venezuela doou US $ 500.000 para a inauguração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A estatal petroleira Citgo Petroleum foi uma das empresas listadas que doaram à inauguração do Trump. Os papéis da Comissão Eleitoral Federal também revelaram que a Pepsi e a Walmart doaram para a inauguração do Trump junto com os proprietários das equipes da NFL. Venezuela está atualmente em um dilema como protestos continuam em todo o país pedindo para o presidente Nicolas Maduro a demitir-se.

América do Norte
Sessões criam polêmica com o comentário do Havaí – o Departamento de Justiça dos EUA, Sessões Gerais, criou controvérsia para si mesmo quando ele era um convidado no The Mark Levin Show. Enquanto no show Sessions foi perguntado sobre o juiz havaiano que bloqueou a ordem de imunidade do presidente Trump. Sessões disse que está surpreso que “um juiz sentado em uma ilha no Pacífico” tinha a capacidade de parar Trump da ordem executiva. A hashtag “#IslandinthePacific” começou a evoluir no Twitter em resposta aos comentários das sessões. O Departamento do Procurador-Geral do Havaí usou a hashtag no Twitter e compartilhou uma imagem do ato que fez do Havaí um estado em 1959.

Link original: http://www.lavozcolorado.com/detail.php?id=9103

[OBITUÁRIO] Lois Kay Bledsoe (Inglês)


Lois Kay Bledsoe

Lois Kay Bledsoe

Lois Kay Bledsoe, 70, Challis, faleceu sábado, 15 de abril de 2017, em sua casa de causas naturais.

Lois nasceu em Pocatello em 6 de agosto de 1946, filha de John Davis Larsen e Ruth Larsen. Era uma de cinco crianças e sobreviveu por seu irmão John Dee Larsen e por seu irmão Valdene Larsen, ambos de Pocatello; Seu filho, Chuck David Bledsoe, de Challis; Sua filha Shannon Kay Taylor de Magna, Utah; E seus quatro netos, BriAnna Diane Duff das quedas gêmeas, Idaho, Dakota Jay Bledsoe de Jackson, Wyoming, Mikelle Kayleen Miera de Pocatello e Ravan Cheyenne Thorpe de quedas gêmeas.

Foi precedida na morte por seus pais, sua irmã, Ruth Ann LaRue, seu irmão Bruce Larsen e sua filha Jendi Mikelle Briggs.

Lois cresceu em Pocatello, mas se formou em El Paso, Texas. Em 25 de maio de 1963 casou-se com Marion Charles Bledsoe em Pocatello. Em 1975, Lois e Chuck se mudaram para Arco, Idaho, onde criaram seu filho e duas filhas. Lois e Chuck mais tarde se divorciaram depois que seus filhos cresceram.

Em 1972 foi batizada como uma das Testemunhas de Jeová. Ela gostava de estudar e ensinar outras pessoas sobre a Bíblia. Ela era um bom exemplo para seus filhos, mesmo com saúde e adversidade pobres, a ponto de que tanto seu filho e filha e suas famílias são todos ativos batizados Testemunhas de Jeová. Ela acreditou de todo o coração na promessa da Bíblia de uma ressurreição, como Jesus declarou em João 11:25: “Aquele que exerce fé em mim, mesmo que ele morra, virá à vida”.

Lois amava passar tempo com sua família e amigos. Ela adorava animais, especialmente cavalos, e gostava de acampar. Ela era extremamente artística e gostava de desenhar e pintar. Lois ansiava pela esperança bíblica de se reunir com a família e amigos e desfrutar de todas as criações de Jeová em um paraíso na terra para sempre!

Um memorial foi realizado no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová em Challis Sábado, 22 de abril de 2017. Arranjos foram sob a direção de Jones e Casey Funeral Home, Challis. Www.jonesandcaseyfh.com

Link original: http://www.challismessenger.com/articles/2017/04/27/lois-kay-bledsoe

[The star Democrat] Testemunhas de Jeová locais participam do Programa de Assembleia de Circuitos (Inglês)


EASTON – Testemunhas de Jeová de Cambridge, Chestertown, Easton e Queenstown participaram de um Programa de Assembléia de Circuitos em Crownsville no domingo, 3 de abril.

O tema da Bíblia para o programa foi “Aumente sua fé em Jeová!” O tema foi tirado da escritura encontrada em Hebreus 11: 6. Foram incluídas no programa entrevistas, entrevistas, demonstrações e experiências pessoais. Exemplos também foram dados sobre como as pessoas que aplicam princípios bíblicos em suas vidas podem aumentar sua fé em Jeová Deus e em seu filho, Jesus Cristo. Numerosos versículos da Bíblia foram lidos para explicar e destacar pontos como indivíduos e membros da família na audiência seguido em suas cópias pessoais da Bíblia.

Sugestões práticas foram dadas para ajudar as 1.103 pessoas que participaram, para que pudessem continuar a aumentar sua fé para o seu Deus Jeová por suas ações. Uma palestra foi intitulada “Verdadeira Fé – O que é, e como é mostrado?”

Um destaque da assembléia da manhã de domingo foi o batismo de nove pessoas em demonstração de sua dedicação pessoal a Jeová Deus.

Este programa foi um dos muitos Circuit Assemblies que teve lugar em vários locais em todo os Estados Unidos neste mesmo fim de semana. Programas semelhantes são conduzidos em todo o mundo por mais de 8.340.000 Testemunhas de Jeová em todo o mundo. Todas essas reuniões são abertas ao público e não são coletadas coleções.

Link original: http://www.stardem.com/life/article_3167b70a-d29a-5410-9b52-58ac851c3aee.html

[PÚBLICO] Opinião: Carta a Vladimir Putin (Portugal)


Por Inês Brandão
27 de Abril de 2017

Não sabemos qual será o futuro das Testemunhas de Jeová na Rússia. Na realidade, nem sabemos quais serão as consequências para as restantes espalhadas no mundo inteiro.

Dear Mr. Putin,

Escrevo-lhe esta carta aberta como consequência da minha preocupação. Ao chegar a casa no dia 20 de abril, deparei-me com a notícia que apresentava o resultado do julgamento das Testemunhas de Jeová na Rússia, julgamento este que tinha acompanhado durante as duas semanas em que as audiências se foram prolongando. Foi com grande pesar que soube da proibição, por parte da Rússia, de qualquer atividade relacionada com tal comunidade religiosa, justificando esta condenação com a acusação de que as Testemunhas de Jeová são extremistas.

Fazendo parte desta organização, entristece-me que a liberdade religiosa seja hoje nada mais do que uma simples expressão sem qualquer valor visível. A liberdade religiosa envolve, se nada mais, o respeito pelo próximo, desde que as nossas decisões não coloquem em causa a liberdade dos outros, já que “a minha liberdade termina onde começa a dos outros”. Ora, nada do que foi dito acima proíbe, antes pelo contrário, a prática das nossas crenças ou a associação entre irmãos nos salões do reino. Apelidar de extremistas pessoas que agem de acordo com as suas crenças, não colocando em causa a segurança de ninguém, parece-me sim algo extremista.

Tais proibições levam-me a questionar como podemos ser considerados um mundo desenvolvido, quando existem questões que são reprimidas e colocadas de parte. Somos acusados de extremismo, tratados como criminosos. E falo em crime porque nos colocam numa situação em que não sabemos se enfrentaremos anos na prisão mediante a divulgação de uma mensagem de paz e de esperança, por termos a indecência de achar que dispomos também do direito à liberdade de expressão e de religião.

Várias vezes nos apresentam a ideia de que invadimos a liberdade do outro quando consideramos a nossa religião como a única verdadeira, mas a realidade é que ninguém pertence a nenhum grupo, do que quer que seja, se não acreditar nele, se não achar que aquele é o lugar que o preenche e não outro. E esta ideia não envolve que o outro seja o inimigo nem que a noção de respeito deva ser descartada.

Efetivamente, não sabemos qual será o futuro das Testemunhas de Jeová na Rússia. Na realidade, nem sabemos quais serão as consequências para as restantes espalhadas no mundo inteiro. Por agora, podemos apenas esperar e aspirar a um mundo que realmente cumpra com aquilo que diz exigir.

Link original: https://www.publico.pt/2017/04/27/opiniao/noticia/carta-a-vladimir-putin-1770084