Archive for the ‘Direitos humanos’ Category

[SPUTNIK] Saiba as consequências da proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia


 © Sputnik/ Ruslan Krovobok

© Sputnik/ Ruslan Krovobok

A cessação das atividades das Testemunhas de Jeová na Rússia provocará mudanças importantes nas fileiras de seus seguidores, revelou à Sputnik o professor Aleksandr Dvorkin, especializado no estudo de seitas religiosas.

É previsível que o número de seguidores da organização na Rússia diminua, mas o mais importante é que os direitos civis de muitos cidadãos russos permaneçam protegidos, opinou Dvorkin.

 © AP Photo/ Ivan Sekretarev OSCE preocupada com a proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia

© AP Photo/ Ivan Sekretarev OSCE preocupada com a proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia

Em 20 de abril, o Supremo Tribunal da Rússia declarou o Centro de Direção das Testemunhas de Jeová, sua principal organização jurídica no país eslavo, como organização extremista e proibiu seu funcionamento na Rússia, além de confiscar seus bens.

“Agora observamos um forte ataque contra a Rússia ligado à sentença sobre as Testemunhas de Jeová. Tentam apresentá-lo como ‘luta contra a religião, mas é falso”, afirma o professor.

A decisão não tem nada a ver com o tema da fé, nem a proíbe, já que se trata de uma entidade jurídica que manejava “enormes recursos financeiros” recrutando agressivamente novos membros e “limitando seus direitos civis”.

Testemunha de Jeová lê a Bíblia no estádio Meinau, em Estrasburgo, durante uma Assembleia regional que reuniu cerca de 12 mil Testemunhas de Jeová (1998 - foto de arquivo) © AFP 2017/ DAMIEN MEYER Testemunhas de Jeová e Rússia: tudo o que você queria saber e tinha medo de perguntar

Testemunha de Jeová lê a Bíblia no estádio Meinau, em Estrasburgo, durante uma Assembleia regional que reuniu cerca de 12 mil Testemunhas de Jeová (1998 – foto de arquivo) © AFP 2017/ DAMIEN MEYER Testemunhas de Jeová e Rússia: tudo o que você queria saber e tinha medo de perguntar

De acordo com Dvorkin, as Testemunhas de Jeová rejeitavam as bases do Estado russo, proibindo a seus seguidores servir no Exército ou de participar das eleições. Ademais, a organização não permite praticar certas profissões e dissuade ativamente seus adeptos na hora de receber formação superior.

Em geral, os seguidores deste ramo religioso se submetem a um rigoroso controle por parte da organização matriz e, frequentemente, novos recrutas integram as fileiras das Testemunhas de Jeová “por engano”.

“Ninguém impede nem proíbe que [os seguidores] se reúnam, professem a sua fé ou discutam suas crenças. Mas, pessoalmente, creio que em um futuro próximo o número de membros das Testemunhas de Jeová [na Rússia] diminuirá consideravelmente. Sem sua base financeira, já não se poderá investir tanto no recrutamento de novos adeptos e na sua expansão, e os membros existentes perderão seu interesse com a passagem do tempo”, afirmou Dvorkin.

A decisão da Justiça russa sobre a suspensão do funcionamento do Centro de Direção das Testemunhas de Jeová “se justifica pela proteção dos direitos civis” dos membros desta organização, acredita o professor.

Os defensores dos direitos humanos, inclusive nos outros países, “apenas se ocupam dos casos em que as seitas são alegadamente vítimas [na Rússia]”. Ou seja, protegem mais os organizadores, que violam os direitos humanos, do que os cidadãos afetados, observou o especialista russo.

Link original: https://br.sputniknews.com/russia/201705228448605-russia-testemunhas-de-jeova-seita-proibicao/

[rapsinews] Testemunhas de Jeová dirigem-se ao Conselho da Europa sobre a recusa da Rússia em executar a decisão do TEDH (Inglês)


A organização das Testemunhas de Jeová, proibida na Rússia como extremista, apresentou uma queixa ao Comitê de Ministros do Conselho da Europa sobre a recusa de Moscou de implementar uma decisão do Tribunal Europeu de Direitos Humanos (CEDH).

Uma cópia do pedido foi publicada no sítio Web do Conselho da Europa.

Em março de 2004, o Tribunal Distrital de Golovinsky concedeu aos promotores uma moção buscando liquidar as Testemunhas de Jeová em Moscou (LRO de Moscou). Em seguida, a organização religiosa apresentou uma queixa à CEDH. Em Junho de 2010, o TEDH decidiu a favor dos requerentes e ordenou à Rússia que lhes pagasse € 20.000 em compensação e € 50.000 por custos e despesas.

O governo russo se recusou “a implementar o julgamento acima mencionado”, de acordo com o pedido apresentado ao Conselho da Europa.

“A situação agora é crítica. Em 20 de abril de 2017, a Suprema Corte da Rússia concedeu a aplicação do Ministério da Justiça da Rússia e proibiu as Testemunhas de Jeová em todo o país e ordenou a liquidação de sua entidade jurídica nacional, o Centro Administrativo das Testemunhas de Jeová na Rússia (Centro Administrativo) 395 organizações religiosas locais (LROs) das Testemunhas de Jeová, incluindo o LRO de Moscou. Esta é agora a segunda vez que a organização candidata foi liquidada “, diz a queixa assinada pelo advogado John M. Burns.

A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová como organização extremista em abril de 2017.

O Ministério da Justiça disse que as violações da lei “Sobre Combate ao Extremismo” foram reveladas durante a inspeção realizada na organização. A notificação do Ministério Público sobre a inadmissibilidade de realizar atividades extremistas pelas Testemunhas de Jeová entrou em vigor, disse o Ministério.

A organização religiosa das Testemunhas de Jeová teve muitos problemas legais na Rússia. Desde 2009, 95 materiais distribuídos pela organização no país foram declarados extremistas e 8 filiais de Testemunhas de Jeová foram liquidadas.

Testemunhas de Jeová é uma organização religiosa internacional baseada em Brooklyn, Nova York. Desde 2004, vários ramos e capítulos da organização foram proibidos e encerrados em várias regiões da Rússia.

Link original: http://rapsinews.com/judicial_news/20170522/278673058.html

Grupo de Liberdade Religiosa observa ‘Preocupações graves’ sobre a Rússia (Inglês)


O juiz da Corte Suprema russa, Yuri Ivanenko, lê a decisão em uma sala de audiências em Moscou, em 20 de abril de 2017, proibindo que as Testemunhas de Jeová operem no país. Aceitou um pedido do ministério da justiça que a organização religiosa seja considerada um grupo extremista.

O juiz da Corte Suprema russa, Yuri Ivanenko, lê a decisão em uma sala de audiências em Moscou, em 20 de abril de 2017, proibindo que as Testemunhas de Jeová operem no país. Aceitou um pedido do ministério da justiça que a organização religiosa seja considerada um grupo extremista.

WASHINGTON – Pela primeira vez em quase 20 anos de existência, a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional designou a Rússia como País de Preocupação Especial por causa de um aumento nas políticas repressivas que diz que vai do assédio administrativo à prisão arbitrária.

“A primeira coisa é deixar claro ao governo russo em palavras, diretamente, idealmente do presidente dos Estados Unidos, que temos grandes preocupações com a direção da liberdade religiosa”, disse Daniel Mark, vice-presidente da USCIRF, à VOA, E “não apenas as regras, mas a trajetória, que tem sido realmente preocupante nos últimos tempos e desempenhou um grande papel em nossa decisão.”

No mês passado, a Suprema Corte russa decidiu que o grupo religioso das Testemunhas de Jeová era uma organização “extremista” e deve entregar todas as suas propriedades ao estado.

“Ser rotulado de maneira tal como se somos extremistas é claramente uma aplicação incorreta das leis sobre o extremismo. Claramente as Testemunhas de Jeová … não deveriam realmente ser o alvo porque não somos uma ameaça na Rússia ou em qualquer outro país do mundo. Estamos ativos em mais de 240 terras “, disse Robert Warren, da sede mundial das Testemunhas de Jeová, à VOA.

VÍDEO NO LINK ORIGINAL

Sem Bíblias permitidas

Warren diz que 175.000 pessoas na Rússia se identificam com a fé, e desde a decisão, o site da organização foi bloqueado e nenhuma Bíblia das Testemunhas de Jeová foi permitida no país.

“Realmente sentimos que a Suprema Corte da Confederação Russa teve uma oportunidade maravilhosa com esta decisão de mostrar realmente o quão avançados eles realmente estão em termos de proteger os direitos de seus próprios cidadãos que querem perseguir a educação bíblica”, acrescentou Warren, apontando ” Este é definitivamente um passo para trás. ”

Dezesseis países foram designados como países de preocupação especial pela USCIRF. A comissão bipartidária do governo dos EUA documenta a liberdade religiosa em todo o mundo, e faz recomendações ao presidente, secretário de Estado e do Congresso.

O relatório deste ano, 18, desde a criação da comissão em 1998, documenta as violações da liberdade religiosa em mais de 35 países, incluindo a República Centro-Africana, que também é um País de Preocupação Especial por “limpeza étnica de muçulmanos e violência sectária”. Conflito multianual.

Os membros das Testemunhas de Jeová reagem num tribunal depois da decisão de um juiz em Moscou, em 20 de abril de 2017. A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová de operar no país.

Os membros das Testemunhas de Jeová reagem num tribunal depois da decisão de um juiz em Moscou, em 20 de abril de 2017. A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová de operar no país.

Homicídios condenados
Esta semana, centenas de civis buscaram refúgio dentro de uma mesquita na cidade CAR de Banguassou, em meio a ataques contínuos de milícias cristãs que mataram civis e soldados da ONU.

Parfait Onanga-Anyanga, chefe da missão de manutenção da paz no CAR (MINUSCA), condenou veementemente os assassinatos, que, segundo ele, “visavam uma minoria com a intenção, sem dúvida, de inflamar a violência, não apenas em Banguassou, território.”

Em Mianmar, a discriminação governamental e social torna os muçulmanos Rohingya vulneráveis; Alguns até fugiram do país. Os cristãos são restringidos do culto público e submetidos à conversão forçada ao budismo, garantindo uma designação de País de Preocupação Particular. O governo e militares negam todas as alegações.

No Paquistão, a comissão recomendou que as leis de blasfêmia fossem revogadas porque “elas são, de uma forma ou de outra, uma violação do Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e, na prática, são usadas para violar a liberdade dos crentes e não crentes”.

Os budistas de linha dura caminham por uma mesquita durante uma marcha de protesto, liderada pelo Partido Nacional Arakan dominante do Estado de Rakhine, contra o plano do governo de dar cidadania a alguns perseguidos muçulmanos Rohingya, em 19 de março de 2017, em Mianmar.

Os budistas de linha dura caminham por uma mesquita durante uma marcha de protesto, liderada pelo Partido Nacional Arakan dominante do Estado de Rakhine, contra o plano do governo de dar cidadania a alguns perseguidos muçulmanos Rohingya, em 19 de março de 2017, em Mianmar.

Um pedido de Trump
Clifford May, comissário e fundador da Fundação para a Defesa das Democracias, disse que “no nascimento, o Paquistão tinha uma população de minoria de 30 por cento. É agora de 3%, e 3% é muito oprimido a cada dia, e é decepcionante. “Ele disse que a última vez que falou sobre as questões no Paquistão, enquanto suas palestras ressoavam com alguns, um sapato foi jogado em sua cabeça também.

No que diz respeito à liberdade religiosa, o Reverendo Thomas Reese, presidente da comissão, disse: “Queremos que a administração Trump faça dela uma questão, uma prioridade em sua política externa … nossa política externa não deve ser apenas sobre o interesse próprio dos EUA – você Saber, segurança nacional e comércio. Também deve ser sobre os ideais, os valores para os quais este país é conhecido “, observando” também acreditamos que a promoção da liberdade religiosa em todo o mundo é um interesse de segurança nacional, porque traz para sociedades pacíficas onde há mais tolerância e estabilidade e paz. ”

Link original: https://www.voanews.com/a/russia-designated-as-country-of-particular-concern-for-first-time/3861054.html

[O GLOBO] Medidas antiterrorismo na Rússia atingem religiões em minoria e deixam apreensivos atletas brasileiros


‘Em São Petersburgo, chamaram a polícia para nos prender’, diz pastor de igreja que atrai jogadores de futebol

 Anonimato. Pastor diante de uma prancha de surfe como púlpito durante um culto em São Paulo. A foto foi usada para preservar a identidade dos frequentadores na Rússia - Divulgação/Bola de Neve

Anonimato. Pastor diante de uma prancha de surfe como púlpito durante um culto em São Paulo. A foto foi usada para preservar a identidade dos frequentadores na Rússia – Divulgação/Bola de Neve

por Gian Amato

“A galera não quis se pronunciar, pois é arriscado para eles. Tem igreja, mas não podem divulgar”. As frases, enviadas através de uma mensagem de texto por um jogador de futebol, escondem nomes, times e localizações precisas, mas revelam o drama vivido por atletas brasileiros na Rússia, onde praticam o cristianismo de maneira quase clandestina às vésperas da Copa das Confederações, com início no próximo 17 de junho, e a pouco mais de um ano da Copa do Mundo de 2018.

Os jogadores de futebol, de futsal, snowboarders e lutadores de jiu-jítsu temem ser reconhecidos em cultos, principalmente da igreja brasileira Bola de Neve Church, e enquadrados como possíveis suspeitos devido ao pacote de medidas contra o terrorismo aprovado pela Duma do Estado e sancionado em 2016 pelo presidente Vladimir Putin. Com os objetivos de deter o avanço do islamismo e fortalecer a Igreja Ortodoxa, entre outros pontos, as restrições atingiram parte das demais e minoritárias religiões.

A reportagem do GLOBO decidiu, a pedido do médico e pastor brasileiro Felipe Campos Sestaro, manter o anonimato dos frequentadores da Bola de Neve Church. Há 12 anos na Rússia, Sestaro, no entanto, busca um equilíbrio para os dois lados e resolveu se pronunciar.

Natural de Santos, Sestaro seguiu a vocação religiosa sem abandonar a medicina. Fundada na década de 1990 no Brasil pelo pastor e surfista Rinaldo Luis de Seixas Pereira, a Bola de Neve foi de início associada ao surf. Seu púlpito é uma prancha. Na Rússia, a maioria dos frequentadores é formada por jogadores de futebol. Como naquele país há apreço pelos esportes de inverno, a prancha de surf foi trocada pela de snowboard. A foto desta reportagem é de uma célula de São Paulo, opção que preserva o anonimato daqueles na Rússia.

Sestaro se orgulha de poder formar bem mais que um time de futebol quando todos estão reunidos em uma das sete células espalhadas por Moscou, São Petersburgo (sedes da Copa das Confederações) e Kursk, fato cada vez mais raro devido ao controle do estado russo sobre as reuniões para fins religiosos. Ainda mais, segundo ele, depois que a suprema corte da Rússia baniu a religião Testemunhas de Jeová, em abril deste ano, por ser apontada como organização extremista. Cerca de 400 propriedades, usadas como templos, foram entregues ao governo. O grupo já fora banido por Josef Stalin na antiga União Soviética.

— Sou pastor e estou no olho do furacão. Vivo na sombra e, se eu for denunciado, vou preso. Vivo apreensivo, na marginalidade. Mesmo assim, sou cauteloso em julgar — diz Sestaro.

SEM MANIFESTAÇÕES PÚBLICAS

A denúncia pode partir de qualquer pessoa e jogadores e demais atletas praticantes do cristianismo exercem uma fé velada, evitando manifestações públicas em campo, quadras, tatames e fora deles. Redes sociais, ligações telefônicas e mensagens de texto podem ser um estorvo, porque a lei determina que empresas de telecomunicações armazenem dados da população por até seis meses.

O pastor conta que, em um culto realizado em São Petersburgo, onde será realizada a final da Copa das Confederações, no dia 2 de julho, as autoridades foram chamadas, mas eles conseguiram escapar. Em abril deste ano, um ex-militar russo convertido ao islã havia sido apontado equivocadamente com um dos suspeitos do atentado à estação Spasskaya do metrô de São Petersburgo, que deixou 15 mortos.

— Não podemos atrair a atenção dos vizinhos, é arriscado. Em São Petersburgo, chamaram a polícia para nos prender. É real. Eu posso ser preso ser for denunciado — revelou o pastor.

Sestaro tem reunido em sua célula brasileiros, angolanos, moçambicanos e sul-americanos e russos. Os jogadores são difusores e ajudam a aumentar a Bola de Neve, que fazia visitas a hospitais, dava aulas de esportes e evangelizava nas ruas.

— Agora, evitamos o proselitismo em orfanatos, hospitais e na rua. Este país recebeu imigrantes das ex-repúblicas soviéticas, como Cazaquistão, Uzbequistão, Chechênia… de maioria muçulmana. Enquanto os russos têm um filho, estes imigrantes teriam quatro ou cinco. O governo tenta conter o avanço muçulmano. Quase todo ataque terrorista tem uma motivação islâmica. Daí nasceria o preconceito, primeiro contra os muçulmanos, depois, contra as demais religiões — explicou Sestaro.

O professor e historiador da Universidade de Brasília (UnB), Argemiro Procópio, especialista em Rússia e terrorismo, confirma a teoria:

— A questão tem trazido problemas, de racismo inclusive, porque o russo se sente agredido, invadido. Algumas minorias religiosas correm risco de virar bode expiatório. Os brasileiros terão dificuldade, porque, além de jogadores, viramos exportadores de pastores para o mundo.

O relatório de liberdade religiosa feito em 2016 pela organização Aid to the church in need (ACN) confirma o momento de apreensão vivido pelas minorias religiosas na Rússia e aponta uma posição de acesso privilegiado da Igreja Ortodoxa junto às autoridades públicas. No capítulo “Perspectivas para a liberdade religiosa”, o relatório da ACN informa:

“Persistem as dificuldades para as minorias religiosas que procuram legitimidade. Continua a haver rusgas policiais a casas e locais de culto. Os membros das minorias religiosas estão em especial risco de serem alvo de ações judiciais. Muitos (processos) deram origem a multas, detenções de curta duração, serviço comunitário e termos de prisão de mais longa duração. Relativamente, poucos réus foram absolvidos”.

A reportagem procurou a embaixada da Rússia no Brasil, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Link original: https://oglobo.globo.com/esportes/medidas-antiterrorismo-na-russia-atingem-religioes-em-minoria-deixam-apreensivos-atletas-brasileiros-21366903

Merkel e Putin discutem sobre Ucrânia e Síria


A chanceler alemã, Angela Merkel, se reuniu com o presidente russo Vladimir Putin em sua primeira visita à Rússia desde que a península da Criméia da Ucrânia foi anexada por Moscou.

A chanceler alemã, Angela Merkel, em uma visita rara à Rússia, disse que Berlim e Moscou tinham que continuar falando apesar de seus desentendimentos. Mas essas mesmas diferenças obscureceram suas conversações com o presidente russo, Vladimir Putin, na terça-feira.

Em uma coletiva de imprensa após uma reunião na estância russa de Sochi no Mar Negro, posições divergentes foram exibidas sobre a Síria, a Ucrânia, o respeito russo pelos direitos civis e as alegações de que Moscou está interferindo nas eleições de outros países.

Merkel estava fazendo sua primeira visita bilateral à Rússia desde que Moscou anexou a península da Criméia da Ucrânia em 2014, um movimento que desencadeou o pior confronto entre Moscou e o Ocidente desde a Guerra Fria.

Questionada por um repórter, se temia que a Alemanha pudesse estar sujeita às tentativas russas de interferir nas próximas eleições parlamentares divulgando notícias falsas, Merkel assumiu uma linha firme.

“Eu não sou uma pessoa ansiosa, vou concorrer a eleição com base em minhas convicções”, disse ela, acrescentando que os alemães resolveriam de forma decisiva quaisquer casos de falsas informações.

“Nós nunca interferimos na vida política e nos processos políticos de outros países e não queremos que ninguém interfira na nossa vida política e nos processos de política externa”, disse Putin.

A paz instável da Ucrânia
No conflito no leste da Ucrânia, onde os separatistas pró-Moscou estão lutando contra o governo de Kiev, Putin e Merkel disseram que concordaram com a necessidade da plena implementação do acordo de Minsk, um acordo de paz internacionalmente negociado que agora está efetivamente paralisado.

No entanto, Putin lançou um ataque contra a administração pró-ocidental em Kiev, dizendo que a administraçäo – e não a Rússia ou seus aliados – estavam forçando a região separatista a se afastar da Ucrânia. Isso contradiz a posição de Berlim.

“Os acontecimentos no leste da Ucrânia são o resultado de um golpe de estado, uma mudança de poder inconstitucional em Kiev”, disse Putin, referindo-se a protestos de rua que forçaram o líder anterior da Ucrânia, que se inclinava para Moscou.

Perguntado por um repórter sobre uma contaminação mortal de gás venenoso na cidade síria de Khan Sheikhoun, que governos ocidentais disseram que era um ataque de armas químicas pelas forças do regime sírio, Putin disse que não estava provado.

Ao falar sobre um ponto sensível para as autoridades russas, Merkel disse que havia levantado preocupações com Putin sobre a atuação da polícia em protestos anti-Kremlin, bem como outras questões que as organizações de direitos humanos dizem ser motivo de alarme.

Esses números incluem relatórios, negados pelas autoridades locais, de que os homossexuais estão sendo detidos e torturados na região russa da Chechênia, e uma decisão da Suprema Corte no mês passado banindo as testemunhas de Jeová como um grupo extremista.

“Nas minhas conversações com o presidente russo, referi o quão importante é o direito de demonstrar numa sociedade civil e o papel das ONGs”, disse Merkel.

“Ouvimos algumas notícias muito negativas sobre o tratamento dos homossexuais na Chechênia e pedi ao presidente Vladimir Putin que usasse sua influência para garantir os direitos das minorias aqui, bem como com as testemunhas de Jeová“.

Putin negou que a polícia russa tenha violado os direitos dos manifestantes ao prendê-los.

“Os órgãos policiais russos se comportam de maneira muito mais restritiva do que seus colegas de outros países europeus”, disse Putin, sem especificar quais países ele tinha em mente.

Fonte: TRTWorld e agências

Link original: http://www.trt.net.tr/portuguese/europa/2017/05/03/merkel-e-putin-discutem-sobre-ucrania-e-siria-724515

[The Economist] Roubando as Testemunhas de Jeová – A Rússia proíbe as Testemunhas de Jeová, assim como a União Soviética (Inglês)


A Igreja Ortodoxa Russa não gosta da concorrência

Quando os homens da KGB chegaram ao apartamento de sua família, dividiram Yaroslav Sivulsky e seus pais em quartos separados. Sr. Sivulsky, então um menino na União Soviética, observou como os agentes procuraram seus pertences para a “literatura proibida”. Seus avós foram exilados na Sibéria por pertencerem às Testemunhas de Jeová, uma denominação cristã fundada na América no século XIX; Seus pais tinham mantido a fé viva em sua casa.

Agora, Sivulsky e as outras 175.000 Testemunhas de Jeová na Rússia enfrentam a perspectiva de retornar a uma existência subterrânea. Em 20 de abril, a Suprema Corte russa proibiu as atividades do grupo, declarando-a uma organização “extremista”. “Está tudo de novo acontecendo”, diz Sivulsky. “Naquela época, eles vieram atrás de nós por razões ideológicas, e agora porque nossa fé não é do” tipo certo “.”

A decisão coloca o grupo, cujos membros pregam a não-violência e se recusam a servir nas forças armadas, na mesma base legal que vários grupos neonazis. Advogados do Ministério da Justiça russo argumentaram que eles representam uma ameaça à “ordem pública e à segurança pública”. A propriedade e os bens do grupo devem ser apreendidos. Qualquer atividade religiosa organizada será considerada ilegal, com violadores enfrentando multas íngremes e até mesmo potenciais sentenças de prisão. Se implementada, a decisão seria “de longe o golpe mais severo para a liberdade religiosa na Rússia desde o fim da União Soviética”, argumenta Geraldine Fagan, autor de “Crer na Rússia: a política religiosa após o comunismo”.

A decisão é um testamento à crescente influência da Igreja Ortodoxa Russa, especialmente de uma ala radical que vê as Testemunhas de Jeová como uma seita perigosa que se desvia da versão oficial do cristianismo. A decisão do tribunal marca o culminar de uma longa e concertada campanha. Especialistas traçam a última onda de problemas até 2009, quando ativistas ortodoxos e autoridades locais começaram a perseguir agressivamente membros e congregações. Os tribunais regionais acrescentaram constantemente a literatura das Testemunhas de Jeová a listas de obras extremistas proibidas, muitas vezes em locais absurdos. (Um panfleto foi sinalizado por uma linha criticando a igreja ortodoxa russa, era uma citação de Tolstoi, cujas obras não são exatamente proibidas na Rússia.) A recusa do grupo em participar de rituais militares do estado alimentou ainda mais a suspeita. “A campanha se encaixa com a unidade de maior segurança, unidade e patriotismo”, diz Fagan. “A alteridade e a dissidência são vistas como ameaças.”

As queixas da Igreja Ortodoxa encontraram apoio entre os serviços de segurança russos, que vêem as Testemunhas de Jeová com sede em Brooklyn como um ninho de perniciosa influência estrangeira. Valery Malevany, vice-presidente de um grupo de veteranos do serviço de segurança, sugeriu que as Testemunhas de Jeová e outros grupos cristãos eram “financiados por serviços especiais ocidentais” para realizar “sabotagem” e “trabalho de inteligência”. Vitaly Milonov, um ultraconservador MP, disse que os governos ocidentais estavam usando o grupo para promover seu objetivo de “destruir o nosso país através da decadência espiritual e morena”. Roman Lunkin do Centro para o Estudo de Religião e Sociedade na Academia Russa de Ciências vê a cruzada como parte de “uma onda de suspeita e medo com relação ao Ocidente”. Nos últimos anos, os tribunais russos declararam mais de 140 organizações não-governamentais “agentes estrangeiros” para receber dinheiro do exterior. “Agora chegou à religião”, diz Lunkin.

Não está claro se a decisão anuncia uma repressão mais ampla ou permanecerá um incidente isolado. As Testemunhas de Jeová foram atacadas em parte porque apresentavam um alvo fácil, argumenta o Sr. Lunkin. Os membros não votam, são firmemente pacifistas e desfrutam de pouco apoio entre uma população que se assemelha ao seu proselitismo porta-a-porta e teologia desconhecida. Mas a decisão é improvável que cause crentes a perder a fé. “Quem nós devemos escutar agora?” Sr. Sivulsky muses. – A decisão injusta do tribunal, ou Deus?

Link original: http://www.economist.com/news/europe/21721395-russian-orthodox-church-does-not-competition-russia-bans-jehovahs-witnesses-just

[philly.com] Rússia intensifica violações da liberdade religiosa (Inglês)


Dmitri Lovetsky / Associated Press, Pool - Russo Vladimir Putin em uma coletiva de imprensa em São Petersburgo, em 3 de abril.

Dmitri Lovetsky / Associated Press, Pool – Russo Vladimir Putin em uma coletiva de imprensa em São Petersburgo, em 3 de abril.

Por Thomas J. Reese e Daniel Mark

Em 26 de abril, a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) divulgou seu relatório anual sobre as condições para a liberdade religiosa no exterior.

Entre os países que informamos sobre a Rússia, onde apenas este mês, o mais alto tribunal do país emitiu uma decisão arrepiante que permite ao governo proibir todas as operações das Testemunhas de Jeová.

Esta decisão, horrível por si só, foi o último exemplo dramático de como as violações da liberdade religiosa pioraram nos últimos anos. Desde o assédio administrativo à prisão arbitrária até às execuções extrajudiciais, o governo da Rússia continua perpetrando violações de forma sistemática, contínua e atroz.

Os Estados Unidos precisam enviar uma mensagem inconfundível. Exortamos o Departamento de Estado dos EUA a designar a Rússia como “país de especial preocupação” ao abrigo da Lei de Liberdade Religiosa Internacional de 1998. Devemos reconhecer o governo do presidente Vladimir Putin para o que é um dos mais graves violadores da liberdade religiosa no mundo

Durante anos, a Rússia aplicou vigorosamente sua lei anti-extremismo, com muçulmanos e Testemunhas de Jeová muitas vezes alvo. A lei, que não exige o uso ou a ameaça de violência para fins processuais, é apenas vaga quanto à perseguição de virtualmente qualquer tipo de expressão – religiosa, política ou de outra natureza – que o governo se opõe. A lei foi autorizada a listar milhares de itens de ambos os grupos, incluindo o livro infantil das Testemunhas de Jeová, Meu Livro de Histórias Bíblicas.

Um ano atrás, o Kremlin começou a implantar essa lei contra as Testemunhas de Jeová de uma maneira nova e terrível. Em março de 2016, o Ministério da Justiça advertiu as Testemunhas de Jeová que a organização estava em perigo de perder seu direito legal de existir na Rússia devido a questões de “extremismo”. Posteriormente, as autoridades foram capturadas em fitas de vídeo proibindo material “extremista” em salões de oração pertencentes às Testemunhas de Jeová. Com base nessa chamada evidência, o Ministério da Justiça suspendeu toda atividade das Testemunhas de Jeová.

E agora, com o Supremo Tribunal da Rússia ter decidido recentemente para o Ministério da Justiça, as Testemunhas de Jeová são legalmente abolidas na Rússia. É a primeira vez que a Rússia proibiu legalmente uma organização religiosa administrada centralmente.

Este é apenas um exemplo – embora claro, de como as condições de liberdade religiosa da Rússia foram de mal a pior. Outros exemplos variam de uma lei anti-blasfêmia promulgada em 2013 para as alterações Yarovaya promulgada em julho passado. Incluindo uma medida dirigida a grupos que privilegiam o compartilhamento de sua fé com os outros. A medida torna ilegal pregar, ensinar e publicar conteúdos religiosos em qualquer lugar que não seja sites aprovados pelo governo. Mais brutalmente, no Cáucaso Norte, as forças de segurança russas realizam regularmente detenções, seqüestros, desaparecimentos e assassinatos de pessoas suspeitas de vínculos com o islamismo “não-tradicional”.

Além disso, a Rússia gastou os últimos três anos impondo sua repressão religiosa homegrown em Crimea e em partes de Ucrânia oriental.

Ele usou suas leis anti-extremismo como pretexto para perseguir as minorias religiosas da Criméia, e as autoridades realizaram repetidas incursões em casas e mesquitas muçulmanas. Em setembro, o Supremo Tribunal da Rússia confirmou a proibição do Mejlis, o corpo representativo dos tártaros da Criméia muçulmana, o extremista.

As autoridades pró-russas também têm assediado igrejas da Criméia que operam independentemente do Patriarcado de Moscou da Igreja Ortodoxa Russa, que o Kremlin transformou em uma igreja estatal de fato, forçando alguns líderes a deixar a península. Em janeiro de 2016, as autoridades ordenaram ao Patriarcado Kyiv da Igreja Ortodoxa da Ucrânia que deixasse seu último espaço de oração na capital da Crimeia, Simferopol, e em dezembro fecharam a igreja pentecostal em Bakhchisaray.

Abusos semelhantes foram visitados em partes do leste da Ucrânia desde que os grupos apoiados pelos russos conquistaram algum território e criaram enclaves separatistas. Essas forças confiscaram as Testemunhas Evangélicas, Pentecostais e de Jeová de adoração e escolas, e perpetraram ataques à Igreja, sequestros e agressões contra o Patriarcado de Kiev e representantes protestantes.

Claramente, a Rússia tem vastamente escalada e expandiu sua prática de repressão religiosa. O governo dos Estados Unidos deve responder, brilhando um ponto sobre o comportamento de Moscou. A designação de “país de especial preocupação” seria um bom ponto de partida.

O Padre Thomas J. Reese, S.J., é presidente da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional. Treesesj@ncronline.org
Daniel Mark serve como vice-presidente e é professor assistente de ciência política e professor de batalhão ROTC da Marinha na Universidade Villanova. Dmark@uscirf.gov

Link original: http://www.philly.com/philly/opinion/commentary/russia-escalates-violations-of-religious-freedom-20170426.html