Archive for the ‘Governo’ Category

[Sputnik News] Prisão de Testemunhas de Jeová: surge mais um obstáculo entre EUA e Rússia


A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, manifestou preocupação pelas “recentes detenções” de membros das Testemunhas de Jeová na Rússia.

“Estamos preocupados com as recentes detenções de Testemunhas de Jeová na Rússia. A Rússia deve libertá-las e os outros 100 prisioneiros por suas crenças religiosas, muitos deles acusados sem fundamento de crimes de extremismo”, escreveu em seu Twitter.

Mevlut Cavusoglu © AP Photo / Andrew Harnik - EUA devem parar de apoiar 'extremistas' na Síria, diz ministro turco

Mevlut Cavusoglu © AP Photo / Andrew Harnik – EUA devem parar de apoiar ‘extremistas’ na Síria, diz ministro turco

A Embaixada da Rússia nos Estados Unidos reagiu às afirmações de que há “presos políticos” que “devem ser libertados” e destacou em 18 de junho que Moscou “rejeita qualquer tentativa de interferir” em seus assuntos internos.

“A Rússia tem respondido repetidamente e de modo inequívoco aos ‘pedidos’ propagandísticos do Ocidente para libertar estes ou outros suspeitos, acusados ou condenados de acordo com a nossa legislação de diversos crimes graves”, enfatizou a missão diplomática em seu comunicado.

“Lutar pela liberdade de consciência, religião e valores democráticos é uma excelente estratégia de propaganda de Washington quando é necessário justificar as estruturas reconhecidas em outros países como extremistas e envolvidas em negócios ilegais, que incitam ao ódio e à organização de comunidades extremistas”, disse a embaixada russa.

Em abril de 2017, o Supremo Tribunal da Rússia reconheceu as Testemunhas de Jeová como organização extremista e proibiu suas atividades no país. Concluiu-se que as Testemunhas de Jeová violam seus próprios estatutos e infringem a legislação russa de combate ao extremismo, especialmente no Capítulo III da Lei Antitеrrorismo, que define as condições da atividade missionária de grupos religiosos.

Da mesma forma, foi decidido que todos os bens da organização deveriam ser confiscados em favor do Estado russo.

Em retaliação, em maio de 2017, a Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA (USCIRF, sigla em inglês) incluiu a Rússia na lista de países que violam a liberdade religiosa.

Link original: https://br.sputniknews.com/sociedade/2018062511558069-prisao-testemunhas-jeova-obstaculo-eua-russia/

Anúncios

[newsweek] [VÍDEO] Rússia diz que Estados Unidos não tem “direito moral” de exigir liberação das Testemunhas de Jeová (Inglês)


De Jason Lemon

Testemunhas de Jeová no mundo

A Rússia disse que o governo dos EUA não tem “nenhum direito moral” de exigir a libertação de prisioneiros religiosos ou políticos, como detiver as Testemunhas de Jeová.

Na segunda-feira, o Departamento de Estado dos EUA divulgou um comunicado pedindo à Rússia que liberte mais de 150 prisioneiros detidos por motivos religiosos ou políticos. O pedido de Washington veio quando Moscou estava cercando as Testemunhas de Jeová no país. Entre outros prisioneiros, os EUA pediram especificamente a libertação de Dennis Christensen , um cidadão dinamarquês que foi detido por mais de um ano devido à sua afiliação com o grupo religioso.

Jarrod Lopes, representante de comunicações da sede mundial das Testemunhas de Jeová, disse à Newsweek que 20 pessoas estão atualmente detidas na Rússia. Outros dois estão sob prisão domiciliar e 15 foram obrigados a assinar acordos para não deixar a área onde residem.

Uma foto tirada em Moscou em 6 de maio de 2016 mostra a Igreja Ortodoxa Russa Russa do Arcanjo dedicada ao Arcanjo Miguel JOEL SAGET / AFP / Getty Images

Uma foto tirada em Moscou em 6 de maio de 2016 mostra a Igreja Ortodoxa Russa Russa do Arcanjo dedicada ao Arcanjo Miguel JOEL SAGET / AFP / Getty Images

VÍDEO NO LINK ORIGINAL
Link original: http://www.newsweek.com/russia-says-us-no-moral-right-demand-jehovahs-witnesses-release-983932

[FOLHA DE SÃO PAULO] O dinamarquês preso e acusado de ‘extremismo’ na Rússia por ser testemunha de Jeová


Julgamento de Dennis Christensen começa nessa terça; ele pode ser condenado a até 10 anos de prisão

Detido há 11 meses na Rússia, o dinamarquês Dennis Christensen pode ser condenado a até 10 anos de prisão – HRW/Testemunhas de Jeová

Mal o dinamarquês Dennis Christensen tinha começado a fazer uma pregação na casa em que se reunia com Testemunhas de Jeová quando o local foi invadido por policiais para prendê-lo.

Isso ocorreu há onze meses, no dia 25 de maio do ano passado, na cidade de Oryol, a 360 quilômetros ao sul de Moscou. A polícia e agentes do serviço secreto confiscaram uma Bíblia, livros com conteúdo religioso, laptops e discos rígidos na operação.

Christensen, 46, ainda está preso. O julgamento dele começa nesta terça. Se for declarado culpado de organizar atividades do que promotores do país veem como “organização extremista” pode ser condenado a até 10 anos de prisão.

Um mês antes de Christensen ter sido detido, a Suprema Corte russa havia proibido as atividades dos seguidores da religião Testemunhas de Jeová e ordenado o confisco de propriedades da organização no país, onde o grupo tinha 395 centros e cerca de 200 mil seguidores.

As autoridades russas consideram que o movimento religioso cristão é uma “ameaça aos direitos dos cidadãos, à ordem social e à segurança pública”.

O Ministério da Justiça afirmou na época que o movimento distribuía panfletos que incitavam o ódio a outros grupos.

Um desses panfletos citava o escritor russo Leon Tolstói descrevendo a Igreja Ortodoxa Russa como superstição e feitiçaria.

As Testemunhas de Jeová são uma organização religiosa internacional, criada nos EUA no fim do século 19, que compartilha preceitos de outras correntes do cristianismo, mas baseia suas crenças numa interpretação própria da Bíblia; seus seguidores não acreditam na poder divino de Cristo.

Seus seguidores, estimados em cerca de 8 milhões em todo o mundo, são conhecidos pela pregação de porta em porta.

Apesar da proibição, o dinamarquês Dennis Christensen, que tem permissão de residência no país desde 2000, continuou os trabalhos religiosos da organização na Rússia.

De acordo com seus advogados, as acusações contra ele estão relacionadas também a outros incidentes ligados a atividades de incentivo a publicações religiosas, a manutenção de locais para culto e ao arrebanhamento de novos fiéis.

PRESO POR LER A BÍBLIA

Organizações de defesa dos direitos humanos questionam o encarceramento de Christensen e pedem que ele seja libertado.

“As autoridades russas estão buscando castigar uma Testemunha de Jeová por exercer seu direito a praticar sua religião”, afirma Rachel Denber, diretora adjunta da organização Human Rights Watch para Europa e Ásia Central.

“Desde o princípio, os investigadores estão deformando a participação pacífica de Dennis Christensen para que a conduta dele se pareça com um delito. Ele não fez nada de mau e deveria ser liberado”, completa Denber.

Dennis Christensen vive em Oryol há dez anos e é casado com uma russa. Apesar de participar com regularidade de encontros do movimento, ele nega pertencer ao comando das Testemunhas de Jeová na Rússia.

“Nunca foi membro da entidade legal, da organização religiosa local. É apenas um dos nossos crentes em Oryol. Nada especial”, afirma Yaroslav Sivulskiy, porta-voz das Testemunhas de Jeová na Rússia à revista norte-americana Newsweek.

“Eles o prenderam simplesmente por ler a Bíblia”, salienta Sivulskiy, dizendo que agora a legislação permite acusações desse tipo. “Se copiam esse tipo de ação em outros lugares, não haverá mais lugar seguro. Podem ir a sua casa e onde for”, lamenta o porta-voz.

A operação policial do dia 25 de maio do ano passado pode ser vista no YouTube. As imagens mostram agentes de segurança mascarados entrando num local onde dezenas de pessoas estão sentadas.

Vestindo terno marrom e camisa preta, Christensen aparece dialogando com os agentes. Vários fiéis foram detidos, mas apenas o dinamarquês permaneceu preso.

COMPARADOS AO EI

Ao proibir a atuação das Testemunhas de Jeová classificando-os como “extremistas” em abril do ano passado, a Justiça russa colocou os seguidores do grupo na mesma categoria dos militantes do autodenominado Estado Islâmico.

“Fundada nos EUA no século 19, as Testemunhas de Jeová têm sede mundial em Warwick (próximo a Nova York) e, junto com todos os grupos liderados por estrangeiros fora do controle do Estado, são vistos com profunda suspeita pela versão pós-União Soviética da KGB, o FSB, serviço federal de segurança”, explica Andrew Higgings, correspondente em Moscou do jornal americano The New York Times.

Já faz alguns anos que as minorias religiosas do país começaram a sentir pressão do governo russo.
Uma lei antiextremismo aprovada em 2002 determinou que é ilegal – exceto para a Igreja ortodoxa ou outras instituições religiosas tradicionais no país – proclamar a oferta de um caminho para a salvação religiosa ou política.

Mas a Rússia, observa a ONG Human Rights Watch, é obrigada a proteger os direitos de liberdade religiosa e de associação por ser país membro do Conselho da Europa e signatário da Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

“O caso contra Christensen e as investidas contra os adeptos das Testemunhas de Jeová viola o direito à liberdade de religião, nega-lhes o direito de culto e não pode ser justificado como medida necessária ou proporcional para proteger a segurança pública ou a ordem pública”, avalia a organização de direitos humanos.

O caso de Christensen, destacou o jornal dinamarquês The Copenhagen Post, foi o primeiro de prisão de estrangeiro depois da nova lei russa. Yaroslav Sivulskiy, porta-voz das Testemunhas de Jeová no país, assegura que é a primeira vez que um seguidor da religião é preso desde o fim da União Soviética.

Muitos no país temem que não seja o último. As Testemunhas de Jeová reportam que desde que a nova legislação entrou em vigor, já contabilizaram 40 incidentes de agressão.

BBC BRASIL

Link original: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/04/o-dinamarques-preso-e-acusado-de-extremismo-na-russia-por-ser-testemunha-de-jeova.shtml

[GAZETA DO POVO] Sob perseguição, grupos religiosos na Rússia buscam Corte de Direitos Humanos


Tentativas similares de erradicar a liberdade de expressão estão sendo promovidas em diversos países europeus

Corte Europeia de Direitos Humanos vai decidir caso fundamental para o futuro da liberdade religiosa e de expressão no continente | Wikicommons

 

A Rússia e a Corte Europeia de Direitos Humanos nem sempre tiveram um bom relacionamento.

Embora o tribunal exista desde 1959, a Rússia só passou a aceitar a sua jurisdição 37 anos depois, em 1996. Ainda assim, de acordo com os registros do tribunal, a Rússia tem sido continuamente avaliada como a segunda maior infratora de direitos humanos ao longo dos anos.

Com sua nova lei “de extremismo” se voltando contra minorias religiosas, a Rússia está no caminho para se tornar a primeira da lista.

O presidente russo Vladimir Putin promulgou o controverso projeto de lei em junho de 2016. Na Rússia, a lei é conhecida como “lei Yarovaya” e é assim nomeada em homenagem à sua coautora, Irina Yarovaya, membro proeminente do partido de Putin, o Rússia Unida.

As autoridades russas defendem que a lei é uma medida de segurança necessária na luta contra grupos fundamentalistas radicais. Ainda que o objetivo apresentado seja o de permitir que as autoridades possam reprimir militantes terroristas e ameaças extremistas, a lei, até o momento, tem sido principalmente uma ameaça a minorias religiosas que são qualquer coisa, menos militantes.

Recentemente, a ADF International, o parceiro global da Aliança em Defesa da Liberdade (Alliance Defending Freedom, em inglês), interveio por meio da Corte Europeia de Direitos Humanos em um caso de referência sobre a liberdade religiosa na Rússia. Neste caso, Testemunhas de Jeová foram em busca do mais alto tribunal europeu em uma tentativa desesperada de evitar o completo encerramento de suas atividades na Rússia.

Em 2017, a lei russa foi usada para classificar o grupo como “extremista”. O centro administrativo das Testemunhas de Jeová e 395 congregações locais foram fechados em seguida.

Embora um completo encerramento de suas atividades já seja drástico, as penas poderiam ter sido ainda piores. Sob a nova lei, participar de atividades “extremistas” pode ser punível com até seis anos de prisão e multas pesadas. Estrangeiros podem ser deportados.

Mas o que exatamente é considerado ser “extremista” na Rússia? Yarovaya e seus companheiros legisladores são um tanto generosos  na definição.

Todas as “atividades missionárias” foram proibidas sem uma aprovação prévia do governo. Elas são definidas de modo geral como “partilhar uma crença com pessoas de outra fé ou descrentes com o objetivo de envolver estes indivíduos na ‘estrutura’ da associação religiosa”.

Qualquer grupo religioso poderia potencialmente tornar-se um infrator. Esta preocupação também passou pela mente dos legisladores russos, já que eles isentaram certos grupos religiosos registrados, como a Igreja Ortodoxa.

Ainda assim, mesmo aqueles que fazem parte de um grupo registrado devem carregar consigo autorizações mostrando que fazem parte de um grupo aprovado pelo Estado. Como esperado, grupos religiosos minoritários têm dificuldade em obter tais autorizações.

Embora poucos membros do governo russo discordem da implementação da nova lei, a Constituição russa está em clara oposição à lei.

O artigo 28 da Constituição garante liberdade de pensamento e religião, assim como a liberdade de não professar nenhuma religião. A todos deveria ser permitido escolher, possuir e disseminar livremente crenças religiosas ou não e agir de acordo com elas.

A Constituição não impõe registros, autorizações ou restrições geográficas específicas. Ela claramente protege a liberdade religiosa.

Antes da lei Yarovaya, pessoas como o pastor Donald Ossewaarde viveram por décadas na Rússia sob proteção da Constituição. Pastor batista originário dos Estados Unidos, Ossewaarde mudou-se para uma pequena cidade no sul de Moscou e por 20 anos construiu sua comunidade cristã e cuidou dela.

No verão de 2016, seus esforços em disseminar o evangelho na Rússia foram interrompidos. Em um encontro em sua casa, quatro policiais entraram e sentaram. Eles tomaram notas durante o encontro. Posteriormente, eles escoltaram Ossewaarde à delegacia onde o acusaram pelo ato criminoso de “extremismo”.

O caso de Ossewaarde é apenas um dentre muitos. Para citar apenas alguns, um tribunal russo recentemente multou um pastor pentecostal africano por conduzir cerimônias religiosas enquanto não tinha a autorização necessária. Procuradores russos foram atrás de um pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Cristãos Livres por entregar livros religiosos. A polícia local interrogou turistas americanos apenas por ficarem parados para cumprimentar e felicitar a Word of Life Church (Igreja Palavra da Vida) em seu próprio prédio durante um culto dominical. Dois deles foram multados.

Como as Testemunhas de Jeová, Ossewaarde apelou ao tribunal europeu. Se os juízes acharem que a recente lei de extremismo de fato comprometeu o direito à liberdade religiosa, pastores indiciados e grupos religiosos inteiros poderão voltar ao trabalho.

O julgamento do tribunal afeta os demais 47 Estados-membros, incluindo países como o Reino Unido.

Na Grã-Bretanha, o governo tem tentado introduzir uma lei sobre “extremismo” há anos, assim como uma comissão sobre extremismo para investigar os supostos extremistas. Tais tentativas não obtiveram sucesso, entre outras razões, porque os próprios advogados do governo falharam em definir o conceito de “extremismo”.

Tentativas similares de erradicar a liberdade de expressão estão sendo promovidas em diversos países europeus.

Desta forma, a decisão do tribunal europeu é de extrema importância. O tribunal tem a oportunidade de conter não apenas a lei russa de “extremismo”, mas evitar um perigo que ameaça toda a Europa. O tribunal pode expor leis “anti-extremismo” ao que elas são de fato: veículos legais que ameaçam o pluralismo religioso e restringem a liberdade religiosa.

O impacto da decisão do tribunal poderia assegurar os direitos de liberdade religiosa, de expressão e pensamento não apenas para russos, mas também para todos os 822 milhões de cidadãos vivendo sob sua jurisdição.

Enquanto muitos países europeus parecem ter baixado a guarda diante de numerosos atos perversos de terrorismo, o tribunal poderia agora se tornar a última linha de defesa pela liberdade religiosa.

©2018 Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

Tradução: Maíra Santos

Link original: http://www.gazetadopovo.com.br/justica/sob-perseguicao-grupos-religiosos-na-russia-buscam-corte-de-direitos-humanos-dp25pg9mwv40yyfrbxz3qkc1h

[newsweek] Família de testemunhas de Jeová na Rússia recebem prêmio de Putin, Reacende esperança para um recurso de não banimento(Inglês)


Apenas seis semanas depois que o Supremo Tribunal da Rússia proibiu a prática de sua religião, duas Testemunhas de Jeová receberam um prêmio parental pelo presidente russo, Vladimir Putin. O movimento surpreendente alimentou a esperança de que o tribunal pudesse revogar a decisão de que a denominação cristã constituía um grupo “extremista” quando um aviso de recurso foi anunciado no sábado.

“Nós consideramos este prêmio como um reconhecimento de que a educação bíblica gratuita fornecida pelas Testemunhas de Jeová ajuda os pais e seus filhos a serem cidadãos produtivos não só na Rússia, mas em todo o mundo”, David A. Semonian, porta-voz das Testemunhas de Jeová em seu mundo Sede em Nova York, disse em um comunicado na semana passada. “Esperamos que este prêmio apresentado pelo presidente Putin seja considerado em 17 de julho de 2017, quando o Supremo Tribunal da Rússia analisa a decisão de liquidar o Centro Administrativo das Testemunhas de Jeová na Rússia”.

Valeriy e Tatiana Novik, da Carélia no noroeste da Rússia, receberam a Ordem de “Glória Parental”, concedida anualmente aos pais que consideram que criaram sete ou mais filhos com “o devido cuidado para a saúde, a educação e o desenvolvimento físico, espiritual E desenvolvimento moral “. Os Noviks, que tiveram oito filhos, foram um dos oito casais que receberam o prêmio em uma cerimônia em 31 de maio.

“Famílias como a sua, grandes e cheias de amor parental generoso, incorporam tradições seculares de empatia e bondade, demonstram através do seu exemplo que não há obstáculos diante do desejo de agir de forma construtiva e fazer o bem e oferecer faróis para aqueles que se refletem sozinhos Escolha da futura estrada “, disse Putin na cerimônia.

Foi em 20 de abril que a Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová sob a lei anti-extremista do país, liquidando todos os 395 dos seus capítulos religiosos locais e impedindo seus 175 mil membros de participar de reuniões de adoração. No tempo desde então, as Testemunhas de Jeová enfrentaram o assédio da polícia e ataques violentos do público.

Testemunhas de Jeová, a Rússia, as Testemunhas de Jeová cantam em uma reunião na Rússia. Duas Testemunhas de Jeová receberam recentemente um prestigioso prêmio para pais, apesar de o grupo ser considerado “extremista”. Cortesia das Testemunhas de Jeová

As Testemunhas de Jeová cantam em uma reunião na Rússia. Duas Testemunhas de Jeová receberam recentemente um prestigioso prêmio para pais, apesar de o grupo ser considerado

As Testemunhas de Jeová cantam em uma reunião na Rússia. Duas Testemunhas de Jeová receberam recentemente um prestigioso prêmio para pais, apesar de o grupo ser considerado “extremista”. (Cortesia das Testemunhas de Jeová)

Antes da entrega do prêmio parental, uma Testemunha de Jeová do Danista foi presa na cidade russa de Oryol por participar de uma reunião privada do grupo. Ele agora enfrenta até 10 anos de prisão.

A decisão de proibir as Testemunhas de Jeová, de acordo com o porta-voz do grupo, Yaroslav Sivulskiy, não chegou à evidência ouvida ou à vontade do tribunal, mas à política.

“Não é este tribunal, não se trata de justiça, não se trata de uma audiência justa, porque mesmo todos os que observaram isso disseram que já ganhamos, mas mesmo assim perdemos”, disse Sivulskiy à Newsweek no mês passado. “Não temos grandes esperanças para o próximo nível, apenas se algum vento político mudar de alguma forma”.

A religião dos Noviks não foi criada no relatório do Kremlin sobre o prêmio – nem, segundo os pais, foi abordado em sua discussão com Putin.

“Não houve muito tempo”, disse Valeriy Novik, um mecânico, ao serviço russo da Radio Liberty esta semana. “Você não podia dizer tudo. E eu queria tratar o chefe de Estado respeitosamente. Um líder é um líder e devemos respeitar isso. Você não expressa seus problemas, suas queixas para ele “.

VÍDEO NO LINK ORIGINAL
Link original: http://www.newsweek.com/jehovahs-witnesses-russia-ban-award-626376

[The Times of India] A seita de Goa ignora pesquisas, espera por ‘reino de Deus’ em vez disso (Inglês)


Por Lisa Monteiro

PANAJI: A construção das eleições, o hullabaloo no dia da votação e os resultados no dia da contagem não significam nada para os 600 membros da seita cristã Testemunhas de Jeová em Goa. Assim como os seus homólogos em outros países e “como os cristãos” do primeiro século, os membros da JW optam por manter a neutralidade política por motivos religiosos.

“Não há restrições sobre nós e nossas decisões individuais”, disse um membro, acrescentando: “A Bíblia diz que devemos obedecer a Deus em vez do homem. Seja obedecer a Deus ou não é a nossa própria decisão”.

Ele disse a TOI que ele nunca votou em nenhum partido ou candidato. “Se a consciência de alguém permite, eles podem votar, mas isso geralmente não é feito. Temos cartões de votação e seguimos todas as regras e regulamentos do governo, independentemente de qual governo esteja no poder, mas não participamos ativamente do político Processo “, disse ele, acrescentando que a seita também não levanta slogans contra o governo.

Explicando a crença, ele disse: “Somos cidadãos do reino de Deus e, embora estejamos neste mundo, nós não fazemos parte deste mundo. O mundo está cheio de corrupção. Esse reino pertence a Satanás. Estamos procurando puramente por Deus Reino a chegar quando paz e

Os deputados também consideram se curvar a uma bandeira ou saudá-la em conjunto com um hino para serem não bíférios, pois aceitam transfusão de sangue. De acordo com o grupo cristão de separação, existem 44.000 membros diferentes divididos em 600 congregações do país.

Link original: http://timesofindia.indiatimes.com/india/goa-sect-skips-polls-waits-for-kingdom-of-god-instead/articleshow/59151992.cms

[hpenews] O escândalo da Rússia em que você não ouviu falar (Inglês)


Membros de fé se reúnem localmente em meio à perseguição de Putin

Por Paul B. Johnson

PONTO ALTO – A família Twombly escreveu recentemente cartas aos líderes do governo russo sobre um escândalo focado em seu regime, mas não é a controvérsia que anuncia as notícias.

Ryan e Kimmy Twombly e sua filha Abigail de High Point são membros da fé cristã da Testemunha de Jeová, uma religião que foi alvo, perseguida e praticamente expulsa da Rússia. No início desta primavera, os tribunais russos confirmaram o movimento do regime do presidente Vladimir Putin para proibir os membros das Testemunhas de Jeová de manter serviços e procurar espalhar sua fé. O governo russo chegou a apoderar-se de todas as propriedades de Testemunhas de Jeová.

Kimmy Twombly e seu marido e filha escreveram cartas a Putin pedindo ao governo russo que cai no seu alvo das Testemunhas de Jeová. Sua campanha, uma parte de 8 milhões de Testemunhas de Jeová em todo o mundo pediu para escrever cartas, obteve conhecimento de pessoas em um posto de correios High Point curioso, porque a família procurou a quantidade de frete para enviar uma carta a Moscou.

“Somos pessoas pacíficas”, disse Kimmy Twombly à The High Point Enterprise.

Mas sua filha disse isso, ao governo russo, “se você não está conosco, você está contra nós.”

Milhares de Testemunhas de Jeová de toda a Carolina do Norte e partes da Carolina do Sul e Virgínia se reunirão na Tríade no final deste mês. Uma convenção regional acontecerá de 16 a 18 de junho e de 23 a 25 de junho no Lawrence Joel Veterans Memorial Coliseum em Winston-Salem.

O tema da convenção – “Não desista!” – é irônico e pertinente, dado o que ocorreu contra as Testemunhas de Jeová e outras religiões na Rússia.

Em meio a toda a controvérsia sobre o envolvimento relatado pelo governo russo nas eleições dos EUA no ano passado e os laços com o presidente Donald Trump e seus assessores, pouca atenção foi dada à perseguição do regime de Putin aos crentes religiosos, visto como uma ameaça à sua política e cultura ao controle. No ano passado, o governo russo aprovou uma ampla proibição contra o alcance missionário e o proselitismo por uma série de crenças.

Nesta primavera, a perseguição se concentrou nas Testemunhas de Jeová. Em abril, o Supremo Tribunal russo decidiu pelo regime de Putin que as Testemunhas de Jeová já não deveriam operar no país.

“A decisão, que afeta mais de 100.000 adoradores de Testemunhas de Jeová em toda a Rússia, é uma grave violação das obrigações da Rússia de respeitar e proteger a liberdade religiosa”, informa Human Rights Watch, um grupo global de monitoramento de direitos humanos.

Os membros locais da fé, que se reuniram em uma igreja de Testemunhas de Jeová na Rua N. Centennial em High Point para uma entrevista com The High Point Enterprise, dizem que os inquilinos de suas crenças podem explicar por que o governo russo tem apontado para eles.

O Élder da Igreja, Larry Hicks, de Lexington, disse que os membros da Testemunha de Jeová são pacifistas e não servem nas forças armadas, embora sirvam a um país através de meios civis alternativos. Mas seu pacifismo pode ser visto por regimes autoritários como propagação de uma mensagem indesejada, disse o Élder Tyrone Mackey de Greensboro.

Os membros das Testemunhas de Jeová também não se envolvem na política, disse Hicks. Em alguns países onde a fidelidade política a um governo autoritário é praticamente mandada, os membros das Testemunhas de Jeová são vistos como suspeitos de se concentrarem exclusivamente em sua fé, disse Hicks à Enterprise.

As Testemunhas de Jeová começaram a enviar missionários para a Rússia há 25 anos após o colapso do comunismo com a queda da União Soviética. Os líderes soviéticos mantinham um aperto em todas as atividades religiosas durante a maior parte do século 20, disse o Élder Michael Austin, de Greensboro.

“Uma vez que houve mais liberdade religiosa após a queda da União Soviética, houve muitos batismos grandes”, disse Austin. “Minha esposa estava em um daqueles na Rússia na época e disse que era uma experiência reconfortante.”

A oportunidade para a expressão religiosa na Rússia começou a estreitar-se há vários anos, quando Putin recuperou o controle, dizem os membros locais da Testemunha de Jeová.

“Começou com pequenas cidades restringindo a atividade. Ganhou impulso e foi nacional “, disse Austin.

Os movimentos contra as Testemunhas de Jeová e as religiões na Rússia correspondem à perseguição de outros grupos, como pessoas gays, lésbicas e transgêneros, disse Rachel Denber, vice-diretora da Human Rights Watch fora da cidade de Nova York. O governo russo “efetivamente legalizou a discriminação contra pessoas LGBT e as classificou como cidadãos de segunda classe”, relatórios da Human Rights Watch.

Denber disse à Enterprise que a perseguição de pessoas de fé e indivíduos LGBT na Rússia se encaixa em um padrão primordial de ir atrás de grupos vistos como fora do mainstream.

Para as Testemunhas de Jeová, eles continuarão a chegar aos adoradores com laços russos. Em agosto, a fé manterá convenções de fala russa na Flórida, Nova York, Califórnia e Illinois. No folheto da convenção, escrito em russo, é a mensagem “Nunca desista da esperança!”

Link original: http://www.hpenews.com/news/the-russia-scandal-you-haven-t-heard-about/article_46643b68-4d4e-11e7-a6a4-7fa7bc811f95.html