Archive for the ‘Julgamento’ Category

[polygraph.info] Disinfo News: EUA citam Rússia em relatório de liberdade sobre perseguição de seita religiosa (Inglês)


Testemunhas de Jeová no culto dominical. Foto: Evgeny Epanchintsev (TASS)

Testemunhas de Jeová no culto dominical. Foto: Evgeny Epanchintsev (TASS)

Pela segunda vez em dois anos, o Departamento de Estado dos EUA está listando a Rússia como um “país de preocupação particular” com relação à liberdade religiosa. A designação “CPC” foi incluída no relatório anual de 2018 sobre liberdade religiosa internacional – divulgado em 29 de maio.

“Mais notavelmente, as Testemunhas de Jeová foram proibidas de imediato, assim como sua tradução da Bíblia e seus seguidores foram perseguidos em todo o país”, diz o resumo sobre a Rússia no relatório.

A constituição da Rússia declara que o país “será um estado laico” e “as associações religiosas serão separadas do Estado e serão iguais perante a lei”. No entanto, em abril de 2017, a Suprema Corte da Rússia designou as Testemunhas de Jeová como uma “organização extremista”. ”, E vários ataques e prisões se seguiram.

Mais recentemente, um funcionário de 21 anos da figura da oposição russa Alexey Navalny foi preso em Chelyabinsk por “extremismo”. Segundo a agência de notícias Interfax, policiais encontraram literatura da igreja que consideraram “extremista”, bem como um certificado mostrando o suspeito era um membro das Testemunhas de Jeová. Em abril, vários outros cidadãos russos em todo o país foram presos por supostas ligações com a igreja. Um cidadão dinamarquês foi preso em abril e atualmente enfrenta uma sentença de dez anos por seu envolvimento na igreja.

Literatura das testemunhas de Jeová em russo. Tais materiais são agora considerados

Literatura das testemunhas de Jeová em russo. Tais materiais são agora considerados “literatura extremista” pelo governo russo.

Por que a Rússia considera as Testemunhas de Jeová como “extremistas”? Em abril de 2017, o Polygraph.info investigou a justificativa da Suprema Corte da Rússia e concluiu que ela dependia de duas alegações, ambas falsas ou enganosas.

A principal reivindicação contra a igreja diz respeito à proibição doutrinária das transfusões de sangue como procedimento médico. Segundo as autoridades russas, a posição das Testemunhas de Jeová em receber transfusões de sangue é perigosa e pode levar os membros a recusar tratamento médico necessário. No entanto, esta alegação foi examinada no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos e considerada infundada .

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos citou um caso desde 2000, quando a Suprema Corte da República do Tartaristão (um assunto federal dentro da Federação Russa) recusou uma tentativa do promotor de acusar uma mãe Testemunha de Jeová cujo filho teria morrido devido a sua recusa de uma transfusão de sangue. Nesse caso, o tribunal observou que a mãe consentiu com o uso de substitutos do sangue que estavam disponíveis na ocasião. Essa decisão também observou que a igreja não exige que os crentes recusem transfusões de sangue, mas permite que os membros tomem essa decisão por conta própria.

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos também notou a prática das Testemunhas de Jeová de portar um cartão médico de diretriz conhecido como “sem cartão de sangue”. O pequeno cartão dobrado informa os profissionais de saúde que o portador se recusa livremente a receber sangue mesmo em situações que possam salvar sua vida , mas que eles consentem com substitutos de sangue e procedimentos alternativos que não requerem sangue.

O site da igreja tem uma página explicando sua posição sobre as transfusões de sangue. Ele observa que muitos procedimentos podem ser realizados sem o uso de transfusões de sangue e que tais métodos alternativos são totalmente aprovados pela igreja. A comunidade médica notou os aspectos positivos da chamada “cirurgia sem sangue”.

As autoridades russas também acusaram a igreja de “propagar exclusividade” – uma alegação que a Polygraph.info abordou em sua checagem de fatos em abril de 2017 . O tribunal europeu rejeitou essa afirmação, observando que “todas as religiões pregam alguma forma de exclusividade” e afirmam ensinar a “verdade correta”.

A igreja das Testemunhas de Jeová está incluída na lista do Ministério da Justiça da Rússia de organizações extremistas proibidas, ao lado de grupos islâmicos neonazistas e radicais. As autoridades russas consideram a literatura do grupo e até sua versão da Bíblia como extremista. O relatório do Departamento de Estado pede que o governo russo altere sua lei sobre o extremismo para que esteja em conformidade com os padrões internacionais de direitos humanos, “como adicionar critérios sobre a defesa ou o uso da violência”.

Link original: https://www.polygraph.info/a/persecution-of-jehovahs-witnesses-in-russia/29259998.html

Anúncios

[GAZETA DO POVO] Sob perseguição, grupos religiosos na Rússia buscam Corte de Direitos Humanos


Tentativas similares de erradicar a liberdade de expressão estão sendo promovidas em diversos países europeus

Corte Europeia de Direitos Humanos vai decidir caso fundamental para o futuro da liberdade religiosa e de expressão no continente | Wikicommons

 

A Rússia e a Corte Europeia de Direitos Humanos nem sempre tiveram um bom relacionamento.

Embora o tribunal exista desde 1959, a Rússia só passou a aceitar a sua jurisdição 37 anos depois, em 1996. Ainda assim, de acordo com os registros do tribunal, a Rússia tem sido continuamente avaliada como a segunda maior infratora de direitos humanos ao longo dos anos.

Com sua nova lei “de extremismo” se voltando contra minorias religiosas, a Rússia está no caminho para se tornar a primeira da lista.

O presidente russo Vladimir Putin promulgou o controverso projeto de lei em junho de 2016. Na Rússia, a lei é conhecida como “lei Yarovaya” e é assim nomeada em homenagem à sua coautora, Irina Yarovaya, membro proeminente do partido de Putin, o Rússia Unida.

As autoridades russas defendem que a lei é uma medida de segurança necessária na luta contra grupos fundamentalistas radicais. Ainda que o objetivo apresentado seja o de permitir que as autoridades possam reprimir militantes terroristas e ameaças extremistas, a lei, até o momento, tem sido principalmente uma ameaça a minorias religiosas que são qualquer coisa, menos militantes.

Recentemente, a ADF International, o parceiro global da Aliança em Defesa da Liberdade (Alliance Defending Freedom, em inglês), interveio por meio da Corte Europeia de Direitos Humanos em um caso de referência sobre a liberdade religiosa na Rússia. Neste caso, Testemunhas de Jeová foram em busca do mais alto tribunal europeu em uma tentativa desesperada de evitar o completo encerramento de suas atividades na Rússia.

Em 2017, a lei russa foi usada para classificar o grupo como “extremista”. O centro administrativo das Testemunhas de Jeová e 395 congregações locais foram fechados em seguida.

Embora um completo encerramento de suas atividades já seja drástico, as penas poderiam ter sido ainda piores. Sob a nova lei, participar de atividades “extremistas” pode ser punível com até seis anos de prisão e multas pesadas. Estrangeiros podem ser deportados.

Mas o que exatamente é considerado ser “extremista” na Rússia? Yarovaya e seus companheiros legisladores são um tanto generosos  na definição.

Todas as “atividades missionárias” foram proibidas sem uma aprovação prévia do governo. Elas são definidas de modo geral como “partilhar uma crença com pessoas de outra fé ou descrentes com o objetivo de envolver estes indivíduos na ‘estrutura’ da associação religiosa”.

Qualquer grupo religioso poderia potencialmente tornar-se um infrator. Esta preocupação também passou pela mente dos legisladores russos, já que eles isentaram certos grupos religiosos registrados, como a Igreja Ortodoxa.

Ainda assim, mesmo aqueles que fazem parte de um grupo registrado devem carregar consigo autorizações mostrando que fazem parte de um grupo aprovado pelo Estado. Como esperado, grupos religiosos minoritários têm dificuldade em obter tais autorizações.

Embora poucos membros do governo russo discordem da implementação da nova lei, a Constituição russa está em clara oposição à lei.

O artigo 28 da Constituição garante liberdade de pensamento e religião, assim como a liberdade de não professar nenhuma religião. A todos deveria ser permitido escolher, possuir e disseminar livremente crenças religiosas ou não e agir de acordo com elas.

A Constituição não impõe registros, autorizações ou restrições geográficas específicas. Ela claramente protege a liberdade religiosa.

Antes da lei Yarovaya, pessoas como o pastor Donald Ossewaarde viveram por décadas na Rússia sob proteção da Constituição. Pastor batista originário dos Estados Unidos, Ossewaarde mudou-se para uma pequena cidade no sul de Moscou e por 20 anos construiu sua comunidade cristã e cuidou dela.

No verão de 2016, seus esforços em disseminar o evangelho na Rússia foram interrompidos. Em um encontro em sua casa, quatro policiais entraram e sentaram. Eles tomaram notas durante o encontro. Posteriormente, eles escoltaram Ossewaarde à delegacia onde o acusaram pelo ato criminoso de “extremismo”.

O caso de Ossewaarde é apenas um dentre muitos. Para citar apenas alguns, um tribunal russo recentemente multou um pastor pentecostal africano por conduzir cerimônias religiosas enquanto não tinha a autorização necessária. Procuradores russos foram atrás de um pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Cristãos Livres por entregar livros religiosos. A polícia local interrogou turistas americanos apenas por ficarem parados para cumprimentar e felicitar a Word of Life Church (Igreja Palavra da Vida) em seu próprio prédio durante um culto dominical. Dois deles foram multados.

Como as Testemunhas de Jeová, Ossewaarde apelou ao tribunal europeu. Se os juízes acharem que a recente lei de extremismo de fato comprometeu o direito à liberdade religiosa, pastores indiciados e grupos religiosos inteiros poderão voltar ao trabalho.

O julgamento do tribunal afeta os demais 47 Estados-membros, incluindo países como o Reino Unido.

Na Grã-Bretanha, o governo tem tentado introduzir uma lei sobre “extremismo” há anos, assim como uma comissão sobre extremismo para investigar os supostos extremistas. Tais tentativas não obtiveram sucesso, entre outras razões, porque os próprios advogados do governo falharam em definir o conceito de “extremismo”.

Tentativas similares de erradicar a liberdade de expressão estão sendo promovidas em diversos países europeus.

Desta forma, a decisão do tribunal europeu é de extrema importância. O tribunal tem a oportunidade de conter não apenas a lei russa de “extremismo”, mas evitar um perigo que ameaça toda a Europa. O tribunal pode expor leis “anti-extremismo” ao que elas são de fato: veículos legais que ameaçam o pluralismo religioso e restringem a liberdade religiosa.

O impacto da decisão do tribunal poderia assegurar os direitos de liberdade religiosa, de expressão e pensamento não apenas para russos, mas também para todos os 822 milhões de cidadãos vivendo sob sua jurisdição.

Enquanto muitos países europeus parecem ter baixado a guarda diante de numerosos atos perversos de terrorismo, o tribunal poderia agora se tornar a última linha de defesa pela liberdade religiosa.

©2018 Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

Tradução: Maíra Santos

Link original: http://www.gazetadopovo.com.br/justica/sob-perseguicao-grupos-religiosos-na-russia-buscam-corte-de-direitos-humanos-dp25pg9mwv40yyfrbxz3qkc1h

[KentLive] Uma mulher de Tunbridge Wells atacou três Testemunhas de Jeová com um martelo quando bateram em sua porta (Inglês)


Mitchell entrou em contato com duas das vítimas, com “um golpe no rosto e outro no ombro”

Uma mulher de Tunbridge Wells se declarou culpada de atacar três Testemunhas de Jeová com um martelo quando bateram na porta dela para falar sobre a Bíblia.

Kerry Mitchell, de 44 anos, de Lott Close em Southborough, se declarou culpado de três acusações de agressão por uma batida, uma contagem de possuir uma arma ofensiva em um lugar público e uma contagem de assédio racial ou religiosamente agravado.

Ela também foi acusada de usar “palavras e comportamentos ameaçadores ou abusivos susceptíveis de causar assédio, alarme ou angústia”.

Mas essa acusação tornou-se redundante quando admitiu ao “agravado racial ou religiosamente”.

Kerry Mitchell fora do tribunal de magistrados de Sevenoaks

Kerry Mitchell fora do tribunal de magistrados de Sevenoaks

Mitchell apareceu no tribunal de magistrados de Sevenoaks na terça-feira, 23 de janeiro, mas seu caso será ouvido no tribunal da Maidstone Crown devido à sua gravidade.

James Nichols, processando, descreveu como Mitchell entrou em contato com duas das vítimas,

Um deles foi “atingido no rosto e outro pegado no ombro”.

A defesa e os magistrados concordaram em que ela deveria ser condenada na corte da coroa.

Presidente, a Sra. Hissey disse: “O banco considera que isso não é adequado para os magistrados e, portanto, estamos enviando isso para o tribunal de Crown”.

Mitchell foi libertado sob fiança incondicional até sua audiência de sentença, mas nenhuma data foi definida.

Maidstone Crown Court notificará Mitchell quando ela deve se apresentar.

Link original: http://www.kentlive.news/news/kent-news/tunbridge-wells-woman-attacked-three-1110141

[rapsinews] Tribunal russo não procede a recurso contra a tentativa de propriedade da Testemunha de Jeová (Inglês)


ST. PETERSBURG, 19 de janeiro (RAPSI) – O tribunal do distrito de Sestrotretsky de São Petersburgo decidiu não proceder a um recurso contra o confisco de bens da organização das Testemunhas de Jeová, banida na Rússia, avaliada em 881,5 milhões de rublos (cerca de US $ 15,5 milhões), até 9 de fevereiro, RAPSI aprendeu no tribunal na sexta-feira.

O tribunal não tem informações sobre o pagamento da taxa pela recorrente, disse seu representante à RAPSI.

O apelo foi arquivado pela Watch Tower Bible and Tract Society of Pennsylvania, registrada nos EUA, que é o destinatário da propriedade da organização liquidada.

Os bens das Testemunhas de Jeová incluíram 16 itens imobiliários em São Petersburgo, de acordo com os promotores.

O tribunal descobriu anteriormente que o Centro Administrativo das Testemunhas de Jeová transferiu seu complexo imobiliário para Watch Tower, Bíblia e Tract Society da Pensilvânia, sob um acordo de doação em 1º de março de 2000. No entanto, o tribunal declarou o acordo fraudulento porque as Testemunhas de Jeová continuaram usando a propriedade após a sua transferência para a organização estrangeira, e confiscou o complexo imobiliário com o lucro da Federação Russa.

Em abril de 2017, o Supremo Tribunal da Rússia ordenou a liquidação da organização de gerenciamento das Testemunhas de Jeová e todas as suas 395 agências locais. Em agosto, o Centro Administrativo das Testemunhas de Jeová foi adicionado à lista de organizações extremistas proibidas.

A organização religiosa das Testemunhas de Jeová teve muitos problemas legais na Rússia. Desde 2009, 95 materiais distribuídos pela organização no país foram declarados extremistas e 8 filiais de Testemunhas de Jeová foram liquidados, de acordo com o Ministério da Justiça.

Testemunhas de Jeová é uma organização religiosa internacional com sede em Brooklyn, Nova York. Desde 2004, várias filiais e capítulos da organização foram banidos e encerrados em várias regiões da Rússia.

Link original: http://www.rapsinews.com/judicial_news/20180119/281682082.html

[hpenews] O escândalo da Rússia em que você não ouviu falar (Inglês)


Membros de fé se reúnem localmente em meio à perseguição de Putin

Por Paul B. Johnson

PONTO ALTO – A família Twombly escreveu recentemente cartas aos líderes do governo russo sobre um escândalo focado em seu regime, mas não é a controvérsia que anuncia as notícias.

Ryan e Kimmy Twombly e sua filha Abigail de High Point são membros da fé cristã da Testemunha de Jeová, uma religião que foi alvo, perseguida e praticamente expulsa da Rússia. No início desta primavera, os tribunais russos confirmaram o movimento do regime do presidente Vladimir Putin para proibir os membros das Testemunhas de Jeová de manter serviços e procurar espalhar sua fé. O governo russo chegou a apoderar-se de todas as propriedades de Testemunhas de Jeová.

Kimmy Twombly e seu marido e filha escreveram cartas a Putin pedindo ao governo russo que cai no seu alvo das Testemunhas de Jeová. Sua campanha, uma parte de 8 milhões de Testemunhas de Jeová em todo o mundo pediu para escrever cartas, obteve conhecimento de pessoas em um posto de correios High Point curioso, porque a família procurou a quantidade de frete para enviar uma carta a Moscou.

“Somos pessoas pacíficas”, disse Kimmy Twombly à The High Point Enterprise.

Mas sua filha disse isso, ao governo russo, “se você não está conosco, você está contra nós.”

Milhares de Testemunhas de Jeová de toda a Carolina do Norte e partes da Carolina do Sul e Virgínia se reunirão na Tríade no final deste mês. Uma convenção regional acontecerá de 16 a 18 de junho e de 23 a 25 de junho no Lawrence Joel Veterans Memorial Coliseum em Winston-Salem.

O tema da convenção – “Não desista!” – é irônico e pertinente, dado o que ocorreu contra as Testemunhas de Jeová e outras religiões na Rússia.

Em meio a toda a controvérsia sobre o envolvimento relatado pelo governo russo nas eleições dos EUA no ano passado e os laços com o presidente Donald Trump e seus assessores, pouca atenção foi dada à perseguição do regime de Putin aos crentes religiosos, visto como uma ameaça à sua política e cultura ao controle. No ano passado, o governo russo aprovou uma ampla proibição contra o alcance missionário e o proselitismo por uma série de crenças.

Nesta primavera, a perseguição se concentrou nas Testemunhas de Jeová. Em abril, o Supremo Tribunal russo decidiu pelo regime de Putin que as Testemunhas de Jeová já não deveriam operar no país.

“A decisão, que afeta mais de 100.000 adoradores de Testemunhas de Jeová em toda a Rússia, é uma grave violação das obrigações da Rússia de respeitar e proteger a liberdade religiosa”, informa Human Rights Watch, um grupo global de monitoramento de direitos humanos.

Os membros locais da fé, que se reuniram em uma igreja de Testemunhas de Jeová na Rua N. Centennial em High Point para uma entrevista com The High Point Enterprise, dizem que os inquilinos de suas crenças podem explicar por que o governo russo tem apontado para eles.

O Élder da Igreja, Larry Hicks, de Lexington, disse que os membros da Testemunha de Jeová são pacifistas e não servem nas forças armadas, embora sirvam a um país através de meios civis alternativos. Mas seu pacifismo pode ser visto por regimes autoritários como propagação de uma mensagem indesejada, disse o Élder Tyrone Mackey de Greensboro.

Os membros das Testemunhas de Jeová também não se envolvem na política, disse Hicks. Em alguns países onde a fidelidade política a um governo autoritário é praticamente mandada, os membros das Testemunhas de Jeová são vistos como suspeitos de se concentrarem exclusivamente em sua fé, disse Hicks à Enterprise.

As Testemunhas de Jeová começaram a enviar missionários para a Rússia há 25 anos após o colapso do comunismo com a queda da União Soviética. Os líderes soviéticos mantinham um aperto em todas as atividades religiosas durante a maior parte do século 20, disse o Élder Michael Austin, de Greensboro.

“Uma vez que houve mais liberdade religiosa após a queda da União Soviética, houve muitos batismos grandes”, disse Austin. “Minha esposa estava em um daqueles na Rússia na época e disse que era uma experiência reconfortante.”

A oportunidade para a expressão religiosa na Rússia começou a estreitar-se há vários anos, quando Putin recuperou o controle, dizem os membros locais da Testemunha de Jeová.

“Começou com pequenas cidades restringindo a atividade. Ganhou impulso e foi nacional “, disse Austin.

Os movimentos contra as Testemunhas de Jeová e as religiões na Rússia correspondem à perseguição de outros grupos, como pessoas gays, lésbicas e transgêneros, disse Rachel Denber, vice-diretora da Human Rights Watch fora da cidade de Nova York. O governo russo “efetivamente legalizou a discriminação contra pessoas LGBT e as classificou como cidadãos de segunda classe”, relatórios da Human Rights Watch.

Denber disse à Enterprise que a perseguição de pessoas de fé e indivíduos LGBT na Rússia se encaixa em um padrão primordial de ir atrás de grupos vistos como fora do mainstream.

Para as Testemunhas de Jeová, eles continuarão a chegar aos adoradores com laços russos. Em agosto, a fé manterá convenções de fala russa na Flórida, Nova York, Califórnia e Illinois. No folheto da convenção, escrito em russo, é a mensagem “Nunca desista da esperança!”

Link original: http://www.hpenews.com/news/the-russia-scandal-you-haven-t-heard-about/article_46643b68-4d4e-11e7-a6a4-7fa7bc811f95.html

[Marilyn Stowe] Testemunha de Jeová não pode levar filhos a eventos religiosos (Inglês)


 Foto de Pete via Flickr (domínio público).

Foto de Pete via Flickr (domínio público).

Uma Testemunha de Jeová foi informada pelo Tribunal da Família que ele não pode levar seu filho a convenções dirigidas por sua religião.

Os pais do menino estavam juntos por mais de uma década, quando o pai sofreu uma quebra de saúde mental e foi internado no hospital. Após sua alta, ele começou a estudar para se tornar uma Testemunha de Jeová , apesar de ele nem a mãe do menino praticar uma religião de antemão. Essa nova fé encontrou uma pressão considerável sobre o casamento dos pais quando ele se tornou “irreconhecível” para ela.

Em julho, o pai saiu da casa da família, mas sua religião continuou sendo uma fonte de conflito, já que o primeiro casal tentou decidir quanto tempo seu filho, “C”, deveria gastar com cada um deles.

Enquanto o pai estava muito atento a alguns pontos, como concordar que C deveria viver com sua mãe pela maior parte do tempo, ele queria incluir seu filho em sua vida religiosa . Isso incluiu levá-lo a serviços semanais do Reino Hall (igreja), uma convenção anual de grande escala organizada em um estádio durante julho ou agosto e duas “assembléias” de fim de semana em Londres.

A mãe de C se opôs à idéia de que seu filho estava exposto a uma religião com a qual ela não aderiu. Ela descreveu a criança como “impressionável”, “facilmente confundida” e teve “problemas para regular suas emoções”. A mãe estava preocupada com o fato de ter um ensino religioso intenso de um dos pais e nenhum do outro seria difícil para o menino lidar.

Em um tribunal de Milton Keynes, o juiz do distrito Dodds elogiou o pai por suas concessões e disse que não havia “nenhuma evidência de que ele era de forma alguma tortuoso ou manipulador”. O juiz não acreditava que um serviço semanal do Kingdom Hall comprometeria o relacionamento de C com sua mãe e não achava “razoável que um dos pais levasse seu filho a um serviço religioso “.

No entanto, este não foi o caso das assembléias e convenções. O juiz Dodds disse que esses eventos o atingiram como “mais intenso, focado, mais longo e instrutivo do que os serviços do Sunday Kingdom Hall”. Isso poderia certamente levar a confusão para a criança, de modo que o juiz declarou que era “necessário e proporcional proibir o Pai de levar C às Assembléias de Testemunhas de Jeová [e] Convenções Anuais”.

Leia aqui o julgamento completo. (Em inglês).

Link original: http://www.marilynstowe.co.uk/2017/06/12/jehovahs-witness-son-religious-events/

[Telegraph] A Testemunha de Jeová concorda em não mostrar figuras religiosas ao filho por causa do risco de “dano emocional” (Inglês)


Um juiz decidiu que uma Testemunha de Jeová só poderia levar seu filho para Kingdom Hall por até duas horas em um domingo. Crédito: Avonica / Alamy Stock Photo

Um juiz decidiu que uma Testemunha de Jeová só poderia levar seu filho para Kingdom Hall por até duas horas em um domingo. Crédito: Avonica / Alamy Stock Photo

A Testemunha de Jeová concordou em não mostrar os desenhos animados do filho e foi proibida de levar o filho de seis anos a alguns eventos da igreja porque poderia causar-lhe “danos emocionais”.

O homem está envolvido em uma disputa do tribunal de família com sua esposa separada e foi impedido por um tribunal de levar o menino às assembléias de testemunhas de Jeová, convenções anuais e memórias.

O juiz do distrito Malcolm Dodds também disse que o pai concordou em não mostrar ao filho “os desenhos animados da Testemunha de Jeová”, uma decisão que ele descreveu como “sábia”.

“Existe um risco muito maior de que [o menino] seja influenciado … dado a idade e quão impressionável ele é e o risco de danos emocionais devido a mensagens confusas.” Juiz distrital Malcolm Dodds

O juiz disse que o menino tinha visto desenhos animados chamados Obedecer a Jeová, Prestar Atenção às Reuniões e uma Mulher de Um Homem.

“Em ‘Obedecer a Jeová’, uma criança é ensinada sobre o pecado de ter um brinquedo de personagem de desenho animado com poderes mágicos que a criança teve que colocar em uma lixeira”, disse ele.

“Enquanto fazia sentido para uma criança, se ambos os pais fossem Testemunhas de Jeová, um desenho animado enviaria uma mensagem muito confusa a uma criança como [o menino] que tem um pé no mundo de sua mãe e um mundo mais amplo (em que personagens mágicos estão em toda parte Em livros, televisão, DVDs, na internet e em filmes) e seu outro pé no mundo de seu pai onde tais personagens mágicos são pecaminosos.

“O pai aceita que [o menino] não deveria estar exposto a tais meios de comunicação religiosos até que [ele] seja pelo menos 12.” Juiz Distrital Malcolm Dodds

“A mãe afirma que, em suas afirmações, o objetivo dos desenhos animados e das histórias bíblicas é condicionar e adoctrinar as crianças às crenças da Testemunha de Jeová através de uma mistura de medo, manipulação e uma fronteira estrita entre o comportamento aceitável e agradável e o que não é .

“O pai aceita que [o menino] não deve ser exposto a tais meios de comunicação religiosos até [ele] é pelo menos 12.”

O juiz concluiu que havia o risco de o jovem sofrer “dano emocional” se fosse levado para as assembléias de testemunhas de Jeová, convenções anuais e memórias.

Ele ouviu que o casal se separou um ano depois que o homem começou a estudar a fé da Testemunha de Jeová.

O menino agora morava com sua mãe, que não praticava nenhuma religião.

O juiz Dodds disse que o menino era “impressionável” e poderia sofrer como resultado de obter “mensagens confusas” se ele fosse com seu pai para certos tipos de reuniões de Testemunhas de Jeová.

O pai do menino pediu ao juiz que decidisse quanto tempo ele poderia gastar com o menino. Ele também queria que o menino fosse “parte de” suas crenças religiosas.

A mãe do menino levantou a preocupação com o fato de o menino ser prejudicado pelas crenças religiosas de seu pai e havia dito ao juiz como seu filho havia dito uma vez que “Deus é bom e você é ruim”.

O juiz Dodds havia analisado a disputa em uma audiência privada do tribunal familiar em Milton Keynes, Buckinghamshire, em maio.

Ele revelou detalhes em uma decisão escrita. A família envolvida não foi identificada.

Judge Dodds disse que o homem poderia passar o tempo com o menino e poderia levá-lo aos serviços do domingo.

Mas ele disse que ele tomou uma visão diferente sobre o menino que freqüentava “assembléias, convenções anuais e memorials”.
“Eu acho necessário e proporcional proibir o pai de levar [o menino] às assembléias de testemunhas de Jeová, convenções anuais e memórias.” Juiz distrital Malcolm Dodds

O juiz disse que o homem já concordou em não levar o menino no “serviço de campo” – batendo nas portas das casas das pessoas, para não ler histórias bíblicas para ele e para não mostrar a ele “mídia tendenciosa religiosa”, incluindo os caricaturas.

“Eu … não quero restringi-lo de levar [o menino] ao Salão do Reino a cada domingo por até duas horas”, disse o juiz Dodds.

“Não vejo que esta prática da fé do pai por um período limitado dentro de um serviço grupal com atividades amigas da criança arrisca o relacionamento [do menino] com sua mãe”.

O juiz acrescentou: “Eu tomo uma visão diferente de assembléias, convenções anuais e memorials. Estes são eventos muito mais longos”.

Ele prosseguiu: “Existe um risco muito maior de que [o menino] seja influenciado … dada a idade e quão impressionável ele é e o risco de danos emocionais devido a mensagens confusas.

“Como resultado, considero necessário e proporcional proibir o pai de levar [o menino] às assembléias de testemunhas de Jeová, convenções anuais e memórias”.

Link original: http://www.telegraph.co.uk/news/2017/06/11/jehovahs-witness-agrees-not-show-son-religious-cartoons-risk/