Archive for the ‘Negativa’ Category

[O Globo] Corpo achado no Parque da Tijuca é de estudante da UFRJ sumido desde agosto


João Ferreira Duque foi encontrado na Pedra Bonita

Por Júlia Cople e Marta Szpacenkopf

João Ferreira Duque estava sumido desde agosto - Reprodução/Facebook

João Ferreira Duque estava sumido desde agosto – Reprodução/Facebook

RIO — A delegada Elen Souto, titular da Delegacia de Descoberta de Paradeiros do Rio, confirmou que um corpo encontrado nesta quinta-feira no Parque da Tijuca é do estudante João Ferreira Duque. O aluno da UFRJ estava desaparecido desde 25 de agosto. A 19ª DP (Tijuca) está encarregada de investigar as circunstâncias da morte do jovem.

O corpo foi encontrado já em estado de putrefação, na Pedra Bonita. O jovem saiu de casa, na Rua Aureliano Pimentel, no Jardim Guanabara, Ilha do Governador, por volta de 11h40m da manhã e não foi mais visto. Um colega de turma e um professor do curso noturno de Ciências Contábeis da unidade de ensino federal confirmaram que ele não foi às aulas no dia do desaparecimento.

Uma prima do rapaz escreveu no Facebook que é difícil assimilar a perda do parente. “Infelizmente tenho que dizer que o final da história não foi o esperado (…) Eu creio no meu Deus e sei que João está agora nos braços dele, eu sempre acreditei que as pessoas boas vão para o céu. O último adeus não pudemos dar, mas fica na memória e no coração o amor que hoje será eternizado”, lamentou.

O jovem era filho único de Daniel e Teresa Duque. Uma amiga da família, que preferiu não se identificar, disse que o rapaz era tranquilo, ele não tinha vícios e seguia a religião Testemunha de Jeová.

— Ele não é de farra, nem de balada. Ninguém tem a menor ideia do que aconteceu com João. O telefone celular dele está desligado e a sua foto no WhatsApp foi apagada — conta.

Link original: https://oglobo.globo.com/rio/corpo-achado-no-parque-da-tijuca-de-estudante-da-ufrj-sumido-desde-agosto-22001013

Anúncios

[JORNAL TORNADO] Cem anos depois das Revoluções (Portugal)


Assinalando os cem anos da aparição russa do estado soviético temos participado em vários debates em que o tema Religião na Rússia tem sido o mais animado.

Uma das conclusões desses debates é que a Igreja Ortodoxa local é preponderante entre muitas outras confissões presentes no território, sendo um muro a outras convicções e um limite numa desejável liberdade religiosa, muito difícil de encontrar ao longo da toda a História daquele país.

A segunda constatação é a de que a superstição é muito mais forte do que a religião e a prática religiosa na maior parte dos casos é mais uma manifestação dessa superstição do que uma crença coerente e regular. Finalmente, o Estado e a Religião, na Rússia, têm andado a par e passo, com muitos pontos de convergência e o braço de ferro entre ambos contradiz-se pela mão dada da cumplicidade.

Como Henrique VIII na velha Inglaterra do século XVI, parece mesmo que Putin gostava de liderar a religião, sendo o Patriarca reconhecido?

As notícias mais interessantes dos últimos tempos, prendem-se com a proibição do culto das Testemunhas de Jeová em território russo – e os comentadores dizem que se seguirá a perseguição aos Adventistas.

Em Maio último, outra notícia surpreendeu alguma opinião pública: Ruslan Sokolovsky, um jovem da região sul de Krasnodar foi investigado pelo seu comportamento alegadamente ofensivo para com os sentimentos dos ateus.

Até agora, a legislação que criminaliza os “crentes insultantes” e os “sentimentos religiosos” tinha sido usada para defender a poderosa e politicamente bem conetada Igreja Ortodoxa Russa e seus seguidores.

A Constituição da Rússia afirma que o país é um estado laico, mas a Lei do Parlamento russo (Duma) sobre a religião, datada de 1997, afirma que as quatro religiões tradicionais da Rússia são a Igreja Ortodoxa Russa, o Islão, o Budismo (principalmente lamaísta) e o Judaísmo, de modo que todos têm o direito de pregação e prática, podendo divulgar a sua religião em público e em privado.

As outras religiões devem executar procedimentos de registo e obedecer ao que a Lei lhes reservar. A Rússia, vista por alguns estrangeiros como um país de grande tradição e prática religiosa, é, no entanto, um dos países com o maior número de ateus e agnósticos no mundo. Em contrapartida, a religiosidade na Rússia é muito étnica, e a confissão religiosa é relacionada diretamente com os grupos étnicos.

A maioria de cristãos ortodoxos são eslavos, a maioria dos muçulmanos são turcos, a maioria dos budistas são mongóis (predominantemente seguidores do budismo mongol). Apenas os judeus representam um grupo étnico autónomo. Outros grupos religiosos na Rússia expressivos são os católicos romanos, os católicos russos, os protestantes, os neopagãos do leste europeu, os animistas, os Hare Krishnas e os Bahá’ís.

Fica a promessa de voltar a este tema.

Link original: http://www.jornaltornado.pt/cem-anos-das-revolucoes/

[GP1] Eletricista morre eletrocutado dentro de templo no bairro Angelim (Teresina-PI)


De acordo com a Polícia Militar do Piauí, o fato aconteceu dentro de um templo de Testemunhas de Jeová.

THAIS GUIMARÃES

Um eletricista identificado como Manoel Lima de Carvalho morreu eletrocutado na tarde desse sábado (21), após tentar trocar uma lâmpada em um templo de Testemunhas de Jeová localizado no bairro Angelim, zona sul de Teresina. O fato foi confirmado ao GP1 pela Polícia Militar do Piauí.

De acordo com informações repassadas pelo tenente João Henrique, da Companhia de Policiamento do Promorar, o caso aconteceu por volta das 15h. Manoel Lima tentou fazer a instalação e sofreu a descarga elétrica, indo a óbito instantaneamente. A vítima tinha 45 anos de idade.

“Demos a assistência padrão, fazendo o isolamento da área”, afirmou o oficial da PM. O corpo do eletricista foi removido por uma equipe do Instituto de Medicina Legal (IML).

Link original: http://www.gp1.com.br/noticias/eletricista-morre-eletrocutado-dentro-de-templo-no-bairro-angelim-422651.html

[Massa News] Golpista do bilhete premiado diz que é Testemunha de Jeová e não pode ficar com dinheiro


(Foto: Portal o Vale/Colaboração)

(Foto: Portal o Vale/Colaboração)

A criatividade dos golpistas não para. Cada dia tentam lesar as pessoas, geralmente humildes ou idosos, tirando o máximo que puder de dinheiro. Nesta sexta-feira (15) eles levaram a pior na cidade de Goioerê, no oeste do Paraná.

Uma mulher identificada por Angélica abordou a vítima, uma mulher dizendo que não sabia ler, para que a vítima conferisse um bilhete da Quina. Em seguida, uma outra golpista do bando se aproximou e Angélica também pediu ajuda pra ela. Essa segunda golpista identificada por Luana fez uma falsa ligação e comemorou e disse que o bilhete estava premiado. Um terceiro golpista identificado por Tiago colocou todos dentro de um carro e foram até a região da igreja matriz.

A golpista Luana pegou o bilhete e foi até uma casa lotérica enquanto o resto do bando aguardava com a vítima. Retornando, ela relatou que o bilhete estava premiado em R$500.000,00.

Angélica então disse que era Testemunha de Jeová e que não podia receber dinheiro de jogo. Luana então questionou para ela e a vítima comprassem o bilhete premiado por R$ 50 mil reais. Luana tirou um pacote de dinheiro do bolso, sendo que o dinheiro era falso e entregou para Angélica dizendo que ali tinha R$ 25 mil reais. Luana então pressionou a vítima para que ela pegasse os outros R$ 25 mil e pagasse para Angélica, para pegarem os R$ 500 mil reais.

A vítima iludida com a situação disse que precisava verificar no banco se tinha esse valor e passou em casa para pegar os documentos. A vítima então relatou ao filho o que havia acontecido e o mesmo acionou a Polícia Militar.

Os policiais foram até o Banco Sicredi onde a vítima sacaria o dinheiro e pegaram o trio em flagrante. Angélica que dizia ser Testemunha de Jeová estava com o falso bilhete premiado escondido no seio, encontrado por uma policial feminina durante revista pessoal.

Link original: https://massanews.com/blogs/policial/plantao-190/golpista-do-bilhete-premiado-diz-que-e-testemunha-de-jeova-e-nao-pode-ficar-com-dinheiro-morYl.html

[Nações Unidas] Sob ocupação russa, Crimeia é palco de ‘múltiplas e graves’ violações de direitos, aponta ONU


Sob ocupação russa, a região da Crimeia virou palco de “múltiplas e graves” violações de direitos humanos. É a conclusão de um relatório publicado nesta semana (25) pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Detenções arbitrárias, desaparecimento forçado, maus-tratos, tortura e pelo menos uma morte extrajudicial estão entre os crimes documentados.

Hospital destruído por bombardeiros em Sloviansk, Ucrânia. País foi levado a conflito com forças separatistas em 2014. Tensões recrudesceram após ocupação da Crimeia e realização de referendo ilegítimo que transferiu território para o controle da Rússia. Foto: UNICEF Ucrânia/Pavel Zmey

Hospital destruído por bombardeiros em Sloviansk, Ucrânia. País foi levado a conflito com forças separatistas em 2014. Tensões recrudesceram após ocupação da Crimeia e realização de referendo ilegítimo que transferiu território para o controle da Rússia. Foto: UNICEF Ucrânia/Pavel Zmey

Sob ocupação russa, a região da Crimeia virou palco de “múltiplas e graves” violações de direitos humanos. É a conclusão de um relatório publicado nesta semana (25) pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Detenções arbitrárias, desaparecimento forçado, maus-tratos, tortura e pelo menos uma morte extrajudicial estão entre os crimes documentados.

Dezenas de milhares de pessoas sofreram as consequências da imposição da cidadania russa, sobretudo três grupos principais — os que rejeitaram o novo status de nacionalidade, os servidores públicos que tiveram de renunciar a cidadania ucraniana ou perder seus empregos e moradores da Crimeia que não cumpriram os requisitos legais para obter a cidadania russa e se tornaram estrangeiros.

“Pessoas com uma autorização de residência, mas que não têm cidadania russa não gozam de igualdade perante a lei e estão privadas de direitos importantes”, aponta o relatório. “Elas não podem ter terras para a agricultura, votar e ser eleitos, registrar uma comunidade religiosa, solicitar uma audiência pública, ocupar cargos na administração pública e fazer um novo registro de seu veículo particular na península.”

Somando-se às críticas feitas pelo levantamento, o alto-comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, afirmou que a imposição de cidadania a habitantes de um território ocupado “pode ser equiparada a obrigá-los a jurar aliança a um poder que eles talvez considerem como hostil, o que é proibido de acordo com a Quarta Convenção de Genebra.”

Detenções violam direito internacional
O relatório do ACNUDH lembra ainda que centenas de presos e detentos que aguardavam julgamento foram transferidos para a Rússia, embora a prática seja estritamente proibida pelo direito humanitário internacional. Entre os prisioneiros, estava o cineasta ucraniano Oleh Sientsov, detido em Simferopol, em maio de 2014, e transferido no mesmo mês para um cárcere na Sibéria. Alguns dos detentos foram vítimas de maus-tratos e pelo menos três morreram após não receberem os cuidados médicos de que precisavam.

Desrespeitando suas obrigações enquanto poder ocupante, a Rússia substituiu a legislação ucraniana em vigor na Crimeia pelas leis russas. O resultado, aponta o documento, foi a implementação de diretivas que restringiram o direito à liberdade e segurança da pessoa, bem como os espaços para as liberdades fundamentais. Os mais afetados foram os opositores do referendo de março de 2014 e outros críticos, como ativistas e jornalistas.

“Juízes aplicaram disposições do direito penal russo para uma ampla variedade de reuniões pacíficas, discursos e atividades e, em alguns casos, retroativamente, para eventos que precederam a ocupação temporária da Crimeia ou que ocorreram fora da península, na Ucrânia continental”, denuncia o relatório.

O documento cita ainda casos emblemáticos, incluindo o fechamento de veículos de comunicação da Crimeia e da Ucrânia, a criminalização das 22 congregações de Testemunhas de Jeová da região e acusações contra indivíduos que teriam sido acusados de organizar “piquetes de apenas uma pessoa”.

“O Judiciário falhou em manter o Estado de Direito e em exercer a administração adequada da Justiça. Há uma necessidade urgente por responsabilização para as violações de direitos humanos e abusos e por reparações para as vítimas”, criticou Zeid.

O relatório do ACNUDH apresenta 20 recomendações para a promoção dos direitos humanos na Crimeia. Entre as orientações, está a cobrança por investigações eficazes de ocorrências suspeitas de tortura, sequestro e assassinatos envolvendo as forças de segurança e entidades de autodefesa da Crimeia.

Embora tenho tido acesso negado ao território da Crimeia, a equipe do ACNUDH na Ucrânia elaborou o relatório a partir de investigações e entrevistas conduzidas próximo à fronteira com a região. Os fatos descritos são alegações de abusos de direitos humanos. Acesse a publicação clicando aqui.

Link original: https://nacoesunidas.org/sob-ocupacao-russa-crimeia-e-palco-de-multiplas-e-graves-violacoes-de-direitos-aponta-onu/

[OBITUÁRIO] ANNE HERBY (Inglês)


Anne Celeste Herby, 99, do Lago Conneaut, anteriormente de Blairsville, morreu domingo, 18 de junho de 2017, cercada por sua família amorosa, na UPMC Hamot em Erie.

Ela nasceu em 12 de março de 1918, no condado de Allegheny até o falecido Emil e Ladie Mary (Rataicak) Brenkus.

Ela se casou com Russell Herby em 1935. Ele a precedeu na morte em 19 de janeiro de 2004.

Anne gostaria orgulhosamente de ser lembrada como uma das Testemunhas de Jeová. Ela era uma mulher de forte fé e dedicação, ativa em seu serviço há mais de 86 anos.

Ela tinha uma família espiritual grande e amorosa. Ela era uma devotada esposa e mãe e amava sua família ao máximo. Ela encantou seus filhos e netos.

Anne era conhecida por sua generosa hospitalidade e refeições caseiras, seu coração enorme, uma porta de cozinha aberta para todos, seus cartões manuscritos e seu cozimento.

Especialmente cobiçado foi a torta de sua maçã.

Ela também gostava de tricô, crocheting, jardinagem e conservas. Ela era uma ávida fã das Canetas, Piratas e Steelers.

Ela será tristemente desapontada e lembrada com carinho por seus quatro filhos: Jo Anne Anderson Burns e seu marido, Charles, do Lago Conneaut; Jon Herby e sua companheira, Constance Ottie, de Blairsville; Ralph (Sue) Herby, de Blairsville; E Stephen Emil (Molly) Herby, de Blairsville; Oito netos: Zachery (Cindy) Anderson, Tawnia (Ted) Demianczyk, Camille Kobrys, Ingrid (Steve) Yoney, Camille (Evan) Verbofski, Nathan Herby, Angela (Nick) Pinizzotto e Shawn (Cindy) Burns; 14 bisnetos: Chelsea, Tyler, Haley, Kayla, Beau (Laken), Mitch (Lindsey), Koltan, Nolan, Riley, Will, Cami, Eric, Jacob e Dylan; E três bisnettes: Sam, Lawson e Linik.

Além de seu marido de quase 69 anos, ela foi precedida na morte por um filho, Carl Russell; Irmãs Tina, Mary, Marg e Luicille; E só o irmão, Emil.

A visita para amigos e familiares será do meio-dia até às 2 p.m. Sábado, 8 de julho, seguido de um serviço memorial a ser realizado no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová, 324 Newport Road, Blairsville.

Em vez de flores, contribuições podem ser feitas à Watchtower Bible and Tract Society em JW.org.

Os arranjos estão sob o cuidado de McCauley Funeral Home, 1405 Main St., Conneautville.

Link original: https://www.indianagazette.com/news/obituaries/anne-herby,26529748/

[OBITUÁRIO] Louise Cantwell (Inglês)


Cantwell

Cantwell

MATTOON – Ethel Louise Cantwell, aos 77 anos, de Mattoon faleceu às 16h20 na quinta-feira, 15 de junho de 2017, no Presence Covenant Medical Center.

O sábado, 24 de junho de 2017, no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová, 3322, avenida Moultrie, Mattoon com o Jerry Weck oficiando. O enterro ocorrerá no cemitério de Zion Hill em data posterior. Uma visita para familiares e amigos será realizada a partir das 14:00 da noite até a hora do serviço no sábado no Salão do Reino. Schilling Funeral Home está ajudando a família.

Louise nasceu em 29 de outubro de 1939 em Mattoon, filha de Herbert William e Ethel (Figenbaum) Boyd.

Os sobreviventes incluem seus filhos, Tammy Cantwell e Johnna (Steve) Taylor ambos de Mattoon, IL; E netos, Jacena Cantwell e Brittaney Douglas ambos de Mattoon, IL. Ela foi precedida na morte por seus pais e um irmão.

Louise era membro do Salão do Reino das Testemunhas de Jeová de Mattoon, IL. Ela gostava de sair no ministério com sua família e amigos que eram a alegria de sua vida. Louise gostava de viajar; Havaí, Alasca, Caribe e as ruínas maias foram algumas de suas viagens mais memoráveis. Sobretudo, Louise gostava de passar tempo com sua família, especialmente seus netos. Ela sentirá grande falta por todos aqueles que a conheceram.

As doações em homenagem em sua homenagem são sugeridas ao Salão do Reino das Testemunhas de Jeová de Mattoon.

Link original: http://jg-tc.com/lifestyles/announcements/obituaries/louise-cantwell/article_d802f347-77fd-57cd-a501-3f931e219b5b.html