Archive for the ‘Violações’ Category

[JORNAL TORNADO] Cem anos depois das Revoluções (Portugal)


Assinalando os cem anos da aparição russa do estado soviético temos participado em vários debates em que o tema Religião na Rússia tem sido o mais animado.

Uma das conclusões desses debates é que a Igreja Ortodoxa local é preponderante entre muitas outras confissões presentes no território, sendo um muro a outras convicções e um limite numa desejável liberdade religiosa, muito difícil de encontrar ao longo da toda a História daquele país.

A segunda constatação é a de que a superstição é muito mais forte do que a religião e a prática religiosa na maior parte dos casos é mais uma manifestação dessa superstição do que uma crença coerente e regular. Finalmente, o Estado e a Religião, na Rússia, têm andado a par e passo, com muitos pontos de convergência e o braço de ferro entre ambos contradiz-se pela mão dada da cumplicidade.

Como Henrique VIII na velha Inglaterra do século XVI, parece mesmo que Putin gostava de liderar a religião, sendo o Patriarca reconhecido?

As notícias mais interessantes dos últimos tempos, prendem-se com a proibição do culto das Testemunhas de Jeová em território russo – e os comentadores dizem que se seguirá a perseguição aos Adventistas.

Em Maio último, outra notícia surpreendeu alguma opinião pública: Ruslan Sokolovsky, um jovem da região sul de Krasnodar foi investigado pelo seu comportamento alegadamente ofensivo para com os sentimentos dos ateus.

Até agora, a legislação que criminaliza os “crentes insultantes” e os “sentimentos religiosos” tinha sido usada para defender a poderosa e politicamente bem conetada Igreja Ortodoxa Russa e seus seguidores.

A Constituição da Rússia afirma que o país é um estado laico, mas a Lei do Parlamento russo (Duma) sobre a religião, datada de 1997, afirma que as quatro religiões tradicionais da Rússia são a Igreja Ortodoxa Russa, o Islão, o Budismo (principalmente lamaísta) e o Judaísmo, de modo que todos têm o direito de pregação e prática, podendo divulgar a sua religião em público e em privado.

As outras religiões devem executar procedimentos de registo e obedecer ao que a Lei lhes reservar. A Rússia, vista por alguns estrangeiros como um país de grande tradição e prática religiosa, é, no entanto, um dos países com o maior número de ateus e agnósticos no mundo. Em contrapartida, a religiosidade na Rússia é muito étnica, e a confissão religiosa é relacionada diretamente com os grupos étnicos.

A maioria de cristãos ortodoxos são eslavos, a maioria dos muçulmanos são turcos, a maioria dos budistas são mongóis (predominantemente seguidores do budismo mongol). Apenas os judeus representam um grupo étnico autónomo. Outros grupos religiosos na Rússia expressivos são os católicos romanos, os católicos russos, os protestantes, os neopagãos do leste europeu, os animistas, os Hare Krishnas e os Bahá’ís.

Fica a promessa de voltar a este tema.

Link original: http://www.jornaltornado.pt/cem-anos-das-revolucoes/

Anúncios

[Nações Unidas] Sob ocupação russa, Crimeia é palco de ‘múltiplas e graves’ violações de direitos, aponta ONU


Sob ocupação russa, a região da Crimeia virou palco de “múltiplas e graves” violações de direitos humanos. É a conclusão de um relatório publicado nesta semana (25) pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Detenções arbitrárias, desaparecimento forçado, maus-tratos, tortura e pelo menos uma morte extrajudicial estão entre os crimes documentados.

Hospital destruído por bombardeiros em Sloviansk, Ucrânia. País foi levado a conflito com forças separatistas em 2014. Tensões recrudesceram após ocupação da Crimeia e realização de referendo ilegítimo que transferiu território para o controle da Rússia. Foto: UNICEF Ucrânia/Pavel Zmey

Hospital destruído por bombardeiros em Sloviansk, Ucrânia. País foi levado a conflito com forças separatistas em 2014. Tensões recrudesceram após ocupação da Crimeia e realização de referendo ilegítimo que transferiu território para o controle da Rússia. Foto: UNICEF Ucrânia/Pavel Zmey

Sob ocupação russa, a região da Crimeia virou palco de “múltiplas e graves” violações de direitos humanos. É a conclusão de um relatório publicado nesta semana (25) pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Detenções arbitrárias, desaparecimento forçado, maus-tratos, tortura e pelo menos uma morte extrajudicial estão entre os crimes documentados.

Dezenas de milhares de pessoas sofreram as consequências da imposição da cidadania russa, sobretudo três grupos principais — os que rejeitaram o novo status de nacionalidade, os servidores públicos que tiveram de renunciar a cidadania ucraniana ou perder seus empregos e moradores da Crimeia que não cumpriram os requisitos legais para obter a cidadania russa e se tornaram estrangeiros.

“Pessoas com uma autorização de residência, mas que não têm cidadania russa não gozam de igualdade perante a lei e estão privadas de direitos importantes”, aponta o relatório. “Elas não podem ter terras para a agricultura, votar e ser eleitos, registrar uma comunidade religiosa, solicitar uma audiência pública, ocupar cargos na administração pública e fazer um novo registro de seu veículo particular na península.”

Somando-se às críticas feitas pelo levantamento, o alto-comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, afirmou que a imposição de cidadania a habitantes de um território ocupado “pode ser equiparada a obrigá-los a jurar aliança a um poder que eles talvez considerem como hostil, o que é proibido de acordo com a Quarta Convenção de Genebra.”

Detenções violam direito internacional
O relatório do ACNUDH lembra ainda que centenas de presos e detentos que aguardavam julgamento foram transferidos para a Rússia, embora a prática seja estritamente proibida pelo direito humanitário internacional. Entre os prisioneiros, estava o cineasta ucraniano Oleh Sientsov, detido em Simferopol, em maio de 2014, e transferido no mesmo mês para um cárcere na Sibéria. Alguns dos detentos foram vítimas de maus-tratos e pelo menos três morreram após não receberem os cuidados médicos de que precisavam.

Desrespeitando suas obrigações enquanto poder ocupante, a Rússia substituiu a legislação ucraniana em vigor na Crimeia pelas leis russas. O resultado, aponta o documento, foi a implementação de diretivas que restringiram o direito à liberdade e segurança da pessoa, bem como os espaços para as liberdades fundamentais. Os mais afetados foram os opositores do referendo de março de 2014 e outros críticos, como ativistas e jornalistas.

“Juízes aplicaram disposições do direito penal russo para uma ampla variedade de reuniões pacíficas, discursos e atividades e, em alguns casos, retroativamente, para eventos que precederam a ocupação temporária da Crimeia ou que ocorreram fora da península, na Ucrânia continental”, denuncia o relatório.

O documento cita ainda casos emblemáticos, incluindo o fechamento de veículos de comunicação da Crimeia e da Ucrânia, a criminalização das 22 congregações de Testemunhas de Jeová da região e acusações contra indivíduos que teriam sido acusados de organizar “piquetes de apenas uma pessoa”.

“O Judiciário falhou em manter o Estado de Direito e em exercer a administração adequada da Justiça. Há uma necessidade urgente por responsabilização para as violações de direitos humanos e abusos e por reparações para as vítimas”, criticou Zeid.

O relatório do ACNUDH apresenta 20 recomendações para a promoção dos direitos humanos na Crimeia. Entre as orientações, está a cobrança por investigações eficazes de ocorrências suspeitas de tortura, sequestro e assassinatos envolvendo as forças de segurança e entidades de autodefesa da Crimeia.

Embora tenho tido acesso negado ao território da Crimeia, a equipe do ACNUDH na Ucrânia elaborou o relatório a partir de investigações e entrevistas conduzidas próximo à fronteira com a região. Os fatos descritos são alegações de abusos de direitos humanos. Acesse a publicação clicando aqui.

Link original: https://nacoesunidas.org/sob-ocupacao-russa-crimeia-e-palco-de-multiplas-e-graves-violacoes-de-direitos-aponta-onu/

[hpenews] O escândalo da Rússia em que você não ouviu falar (Inglês)


Membros de fé se reúnem localmente em meio à perseguição de Putin

Por Paul B. Johnson

PONTO ALTO – A família Twombly escreveu recentemente cartas aos líderes do governo russo sobre um escândalo focado em seu regime, mas não é a controvérsia que anuncia as notícias.

Ryan e Kimmy Twombly e sua filha Abigail de High Point são membros da fé cristã da Testemunha de Jeová, uma religião que foi alvo, perseguida e praticamente expulsa da Rússia. No início desta primavera, os tribunais russos confirmaram o movimento do regime do presidente Vladimir Putin para proibir os membros das Testemunhas de Jeová de manter serviços e procurar espalhar sua fé. O governo russo chegou a apoderar-se de todas as propriedades de Testemunhas de Jeová.

Kimmy Twombly e seu marido e filha escreveram cartas a Putin pedindo ao governo russo que cai no seu alvo das Testemunhas de Jeová. Sua campanha, uma parte de 8 milhões de Testemunhas de Jeová em todo o mundo pediu para escrever cartas, obteve conhecimento de pessoas em um posto de correios High Point curioso, porque a família procurou a quantidade de frete para enviar uma carta a Moscou.

“Somos pessoas pacíficas”, disse Kimmy Twombly à The High Point Enterprise.

Mas sua filha disse isso, ao governo russo, “se você não está conosco, você está contra nós.”

Milhares de Testemunhas de Jeová de toda a Carolina do Norte e partes da Carolina do Sul e Virgínia se reunirão na Tríade no final deste mês. Uma convenção regional acontecerá de 16 a 18 de junho e de 23 a 25 de junho no Lawrence Joel Veterans Memorial Coliseum em Winston-Salem.

O tema da convenção – “Não desista!” – é irônico e pertinente, dado o que ocorreu contra as Testemunhas de Jeová e outras religiões na Rússia.

Em meio a toda a controvérsia sobre o envolvimento relatado pelo governo russo nas eleições dos EUA no ano passado e os laços com o presidente Donald Trump e seus assessores, pouca atenção foi dada à perseguição do regime de Putin aos crentes religiosos, visto como uma ameaça à sua política e cultura ao controle. No ano passado, o governo russo aprovou uma ampla proibição contra o alcance missionário e o proselitismo por uma série de crenças.

Nesta primavera, a perseguição se concentrou nas Testemunhas de Jeová. Em abril, o Supremo Tribunal russo decidiu pelo regime de Putin que as Testemunhas de Jeová já não deveriam operar no país.

“A decisão, que afeta mais de 100.000 adoradores de Testemunhas de Jeová em toda a Rússia, é uma grave violação das obrigações da Rússia de respeitar e proteger a liberdade religiosa”, informa Human Rights Watch, um grupo global de monitoramento de direitos humanos.

Os membros locais da fé, que se reuniram em uma igreja de Testemunhas de Jeová na Rua N. Centennial em High Point para uma entrevista com The High Point Enterprise, dizem que os inquilinos de suas crenças podem explicar por que o governo russo tem apontado para eles.

O Élder da Igreja, Larry Hicks, de Lexington, disse que os membros da Testemunha de Jeová são pacifistas e não servem nas forças armadas, embora sirvam a um país através de meios civis alternativos. Mas seu pacifismo pode ser visto por regimes autoritários como propagação de uma mensagem indesejada, disse o Élder Tyrone Mackey de Greensboro.

Os membros das Testemunhas de Jeová também não se envolvem na política, disse Hicks. Em alguns países onde a fidelidade política a um governo autoritário é praticamente mandada, os membros das Testemunhas de Jeová são vistos como suspeitos de se concentrarem exclusivamente em sua fé, disse Hicks à Enterprise.

As Testemunhas de Jeová começaram a enviar missionários para a Rússia há 25 anos após o colapso do comunismo com a queda da União Soviética. Os líderes soviéticos mantinham um aperto em todas as atividades religiosas durante a maior parte do século 20, disse o Élder Michael Austin, de Greensboro.

“Uma vez que houve mais liberdade religiosa após a queda da União Soviética, houve muitos batismos grandes”, disse Austin. “Minha esposa estava em um daqueles na Rússia na época e disse que era uma experiência reconfortante.”

A oportunidade para a expressão religiosa na Rússia começou a estreitar-se há vários anos, quando Putin recuperou o controle, dizem os membros locais da Testemunha de Jeová.

“Começou com pequenas cidades restringindo a atividade. Ganhou impulso e foi nacional “, disse Austin.

Os movimentos contra as Testemunhas de Jeová e as religiões na Rússia correspondem à perseguição de outros grupos, como pessoas gays, lésbicas e transgêneros, disse Rachel Denber, vice-diretora da Human Rights Watch fora da cidade de Nova York. O governo russo “efetivamente legalizou a discriminação contra pessoas LGBT e as classificou como cidadãos de segunda classe”, relatórios da Human Rights Watch.

Denber disse à Enterprise que a perseguição de pessoas de fé e indivíduos LGBT na Rússia se encaixa em um padrão primordial de ir atrás de grupos vistos como fora do mainstream.

Para as Testemunhas de Jeová, eles continuarão a chegar aos adoradores com laços russos. Em agosto, a fé manterá convenções de fala russa na Flórida, Nova York, Califórnia e Illinois. No folheto da convenção, escrito em russo, é a mensagem “Nunca desista da esperança!”

Link original: http://www.hpenews.com/news/the-russia-scandal-you-haven-t-heard-about/article_46643b68-4d4e-11e7-a6a4-7fa7bc811f95.html

[oc-media] Testemunhas de Jeová da Armênia: “inimigos do Estado” (Inglês)


Por Armine Avetisyan

 Rima Grigoryan (Armine Avetisyan / OC Media)

Rima Grigoryan (Armine Avetisyan / OC Media)

A identidade armênia é tão estreitamente entrelaçada com a religião que muitas vezes pode-se ouvir que o único verdadeiro armênio é um seguidor da Igreja armênia. O desprezo, a discriminação e o ódio absoluto em relação às minorias religiosas levaram a uma percepção preocupantemente generalizada deles como pessoas de fora – uma ameaça para o estado armênio.

Discriminação mortal

Anna (não o seu verdadeiro nome), 45, vem de Gyumri. Ela costumava trabalhar como professora de língua armênia em uma escola local, mas foi forçada a sair depois que as autoridades escolares descobriram que ela era cristã pentecostal.

“Eu nunca teria pensado que simplesmente participar de reuniões da minha organização religiosa no meu tempo livre poderia ser uma razão para ser demitido do trabalho. Eu era professora por dez anos e meus colegas me descreveram como um profissional amado e respeitado. Um dia, fui convidada para o escritório do diretor, onde ele me pediu para entregar meu aviso, porque muitos pais se queixaram de que um “sectário” estava ensinando seus filhos “, disse Anna à OC Media .

Anna lembra que ela inicialmente tentou lutar por seus direitos, mas finalmente ficou frustrada e deixou a escola voluntariamente quatro anos atrás.

“Eu deixei voluntariamente, esperando que eu encontrasse outro trabalho. Todo o ano acabou por estar cheio de sofrimento. Todas as escolas que me acordei derrubaram suas portas na minha cara, porque fui considerado um “herege”. Se não fosse para meus irmãos e irmãs na fé, eu teria morrido de fome “, disse Anna.

 Anna (Armine Avetisyan / OC Media)

Anna (Armine Avetisyan / OC Media)

Apesar de sempre poder contar com o apoio moral de sua comunidade religiosa, um dia ela tentou acabar com sua vida, cansada do desprezo quase universal.

“Bebi lixívia para morrer, mas Jesus me salvou – agradeço ao Senhor. Agradeço-lhe que agora tenha minha pequena loja, o que me faz sentir humano novamente “, disse Anna.

Anna agora ganha seu pão diário com o comércio, vendendo produtos frescos.

“Estou feliz por poder ajudar as pessoas que precisam. Todas as manhãs, distribuo produtos frescos e saudáveis ​​para pessoas que precisam. Todos devemos limpar nossas almas e compartilhar o que temos com os nossos vizinhos “, disse Anna.

Embora não haja estatísticas oficiais para respaldá-lo, há evidências anedóticas de que a tentativa de suicídio de Anna por causa da discriminação religiosa está longe de ser única na Armênia.

Mosaico religioso

(Armine Avetisyan / OC Media)

De acordo com dados oficiais, existem 66 organizações registradas que realizam atividades religiosas na Armênia.

De acordo com o recenseamento de 2011, a Igreja Apostólica Armênia é a maior dominação religiosa do país, seguida de 93% dos seus 3 milhões de habitantes. Outras denominações cristãs compõem 2,1% da população, incluindo católicos, evangélicos, pentecostais e Testemunhas de Jeová.

O governo considera que estas são organizações religiosas oficiais, embora existam também vários grupos que só têm o status de ONG, como a Comunidade de Meditação Transcendental Maharishi ou a Igreja da Unificação. Comunidades não registradas incluem budistas e a comunidade Hare Krishna.

A Constituição arménia garante liberdade de consciência e crença religiosa a todos os cidadãos. Em teoria, os direitos das minorias religiosas são protegidos, ainda que na prática, a imagem é bastante diferente.

O Departamento de Estado dos EUA apontou no Relatório Internacional de Liberdade Religiosa de 2015 que as minorias religiosas na Armênia são freqüentemente submetidas a várias formas de abuso – obstáculos na obtenção de licenças de construção para locais de culto e discriminação em educação, militares, policiais e públicos Emprego do setor.

O relatório também aponta o apoio preferencial do governo para a Igreja Apostólica armênia e os relatórios negativos da mídia geralmente se referem às minorias religiosas de forma depreciativa como “cultos” ou mesmo como “inimigos do estado”. Também apontou casos de assédio verbal e físico das Testemunhas de Jeová enquanto proselitismo.

Uma família despedaçada por intolerância religiosa

Kristine (Armine Avetisyan / OC Media)

“A felicidade da minha família durou apenas dois anos”, Kristine (e não o seu verdadeiro nome), 35, lembra com tristeza. Ela está cuidando apenas de seu filho de 5 anos sozinho.

Kristine vem da cidade de Vanadzor, na província de Lori, no norte da Armênia. Seis anos atrás, ela se casou e se mudou com o marido para Erevan. Os primeiros meses ficaram felizes com os recém-casados, especialmente quando descobriram que se tornariam pais.

“Quando meu filho ficou doente, eu sofri muito. No hospital, conheci as Testemunhas de Jeová, que me forneceram muito apoio moral. Ao longo do tempo, comecei a ler seus livros e percebi que estava vivendo minha vida incorretamente, e que eu precisava de diferentes alimentos religiosos “, disse Kristine à OC Media .

Depois que ela decidiu se juntar às Testemunhas de Jeová, sua vida mudou.

Quando os sargentos de Kristine descobriram que abraçara uma nova fé, eles primeiro tentaram convencê-la a abandoná-la. Mais tarde, eles deixaram de visitar a casa da família.

“Meus pais proíbem meu marido de se comunicar comigo. Eu lutava por meio ano. Eu o amava, mas não podia mentir para mim mesmo; Eu tinha que seguir meu caminho “, lembra Kristine.

No final, os parentes do marido ganharam seu marido. O processo de separação foi doloroso, com a família do marido tentando privá-la de seus direitos parentais. Após uma longa batalha legal, o tribunal decidiu que o filho de Kristine deveria ficar sob sua custódia.

“Agora meu filho está comigo e estou feliz. Ele muitas vezes está doente, mas somos fortes juntos. Definitivamente vai estar bem. Meu marido nem se lembra de nós; Ele tem uma nova família. Eu moro com meus pais. Eles são seguidores da Igreja [Apostólica Armênia], mas eles não se importam e nos respeitamos “, disse Kristine.

Kristine conseguiu encontrar um emprego como vendedora de uma empresa privada, mas ainda está lutando para cuidar dela e de seu filho.

“Seu pai comprou-lhe uma bicicleta para o seu quarto aniversário. Nunca mais o vi depois disso. Ele me disse que poderíamos estar de volta juntos se eu começasse a viver como uma pessoa “normal”, caso contrário não havia lugar para eu envelhecer ao seu lado “, disse Kristine, sorrindo.

Fé pode fazer você prender

Edgar Soghomonyan (Armine Avetisyan / OC Media)

De acordo com os dados fornecidos pelas Testemunhas de Jeová à OC Media , desde 1991, 19 membros do grupo foram presos sob o comando de evasão de serviço civil militar ou alternativo e sentenciados entre um e um ano e meio de prisão.

Depois que a Armênia declarou a independência da União Soviética em 1990, membros de várias comunidades religiosas – especialmente as Testemunhas de Jeová – recusaram-se a se submeter ao serviço militar, pelo que muitas vezes acabaram na prisão. Em 2001, foi estabelecida uma condição para que a Arménia adote uma lei sobre o serviço civil alternativo antes que o país possa se tornar um membro do Conselho da Europa. Um projeto de lei relevante foi finalmente aprovado em 17 de dezembro de 2013.

De acordo com a atual Lei do Serviço Alternativo, pode-se juntar as forças armadas sem ser obrigado a transportar ou usar uma arma por 36 meses, ou a ser submetido a um serviço civil alternativo por 42 meses. A duração habitual do serviço militar é de 24 meses.

Depois de 2015, muitas Testemunhas de Jeová e os cristãos de Molokan que estavam realizando um serviço civil perceberam que ainda estavam sob a supervisão do Ministério da Defesa e recusaram-se a continuar. Várias dúzias foram condenadas por deserção e sentenciadas entre três e oito meses de prisão. Seus casos chegaram eventualmente ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que decidiu contra a Armênia, obrigando-os a mudar a lei para oferecer uma opção verdadeiramente civil.

Edgar Soghomonyan, 18, é uma Testemunha de Jeová. Ele já passou 4 meses de serviço civil alternativo trabalhando em um lar de idosos. Seus deveres incluem alimentação e atendimento de pessoas com deficiência. Edgar diz que ele é amado por todos e ele está contente com o trabalho dele.

“Eu trabalho seis dias por semana, de nove para seis. Nos domingos, estou livre. A única dificuldade é que as pessoas que eu estou cuidando são pesadas e difíceis de mover “, disse Edgar à OC Media , acrescentando que ele fez a escolha certa porque a Bíblia proibe-o de transportar armas.

Testemunhas de Jeová sob a sombra da Rússia

Alvard Galstyan e Adrine Muradyan (Armine Avetisyan / OC Media)

Rima Grigoryan, que viveu em um lar de idosos há dois anos, é membro das Testemunhas de Jeová por três anos. Ela não encontrou problemas, mas outros membros de sua congregação muitas vezes se queixam de discriminação.

Quando os membros de sua comunidade se aproximam de pedestres ou batem nas portas das pessoas e oferecem folhetos, eles geralmente são tratados com desprezo. Havia casos em que os pôsteres que estavam segurando nas ruas foram vandalizados pelos transeuntes. Rima diz que não consegue entender esse tratamento, porque eles apenas pregam o que é bom.

Existem também outras minorias religiosas no lar de idosos. Os pentecostais são especialmente numerosos.

Os pentecostais Alvard Galstyan e Adrine Muradyan foram companheiros de quarto desde 1988. Ao longo dos anos, eles cresceram para ser amigos íntimos e irmãs religiosas. Eles estão felizes com suas vidas, embora permaneçam isolados da sociedade em geral.

“Ninguém nos persuadiu a acreditar ou se tornar membros de seu grupo religioso, nem tentamos convencer ninguém. Nosso ensino é baseado no amor. Queremos viver em paz “, disse Alvard à OC Media , acrescentando que os armênios não tinham um pouco de bondade julgando as pessoas por sua religião e não pelas pessoas que são.

Alvard e Adrine estão preocupados com as reações armênias à proibição de abril de 2017 às Testemunhas de Jeová no Supremo Tribunal da Rússia, sob sua lei “anti-extremismo”. Eles dizem que a notícia intensificou o ódio contra as minorias religiosas, com muitos armênios pedindo abertamente que seu próprio governo sigam o exemplo.

Link original: http://oc-media.org/armenias-jehovahs-witnesses-enemies-of-the-state/

[sputniknews] Tribunal Supremo vai investigar se proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia foi legal


 © Fotolia/ Andrey Burmakin

© Fotolia/ Andrey Burmakin

Em 17 de julho, o Supremo Tribunal russo verificará a legalidade da decisão datada de 20 de abril que declarou o Centro de Direção das Testemunhas de Jeová, sua principal organização jurídica no país eslavo, como organização extremista e proibiu seu funcionamento, comunicou à Sputnik a assessoria de imprensa do Tribunal.

“Em 17 de julho, o colégio de apelação do Tribunal Supremo da Federação da Rússia vai estudar a reclamação a respeito da decisão de liquidar a organização religiosa Centro de Direção das Testemunhas de Jeová na Rússia”, comunicou uma representante do Tribunal.

Em 20 de abril, o juiz do Supremo Tribunal Yuri Ivanenko decidiu que a principal organização das Testemunhas de Jeová na Rússia deve ser qualificada como extremista e liquidada. Além disso, o Tribunal decretou que os bens da organização deveriam ser convertidos em receitas do Estado. Deste modo, o Tribunal satisfez a demanda judicial do Ministério da Justiça.

Durante o processo, foi revelado que o ministério, por exemplo, acusa as Testemunhas de Jeová de recusar as transfusões de sangue. Na opinião da entidade, o funcionamento da organização religiosa representa uma ameaça aos interesses da sociedade e à segurança pública, indicou uma jurista do ministério. De acordo com ela, por decisão dos tribunais russos, 95 panfletos das Testemunhas de Jeová foram reconhecidos como extremistas, bem como a atividade de oito organizações suas em regiões da Rússia.

No decorrer do processo, o tribunal ouviu os depoimentos de vários ex-membros da organização, que asseguraram que havia um “controle total” dos adeptos por parte das autoridades da organização.

Os juristas das Testemunhas de Jeová, por sua vez, rechaçam todas as pretensões do Ministério da Justiça. Particularmente, eles destacam que a recusa da transfusão não é extremismo, já que tal atividade não figura na lei de combate ao extremismo.

Além disso, o jurista assinalou que o Ministério da Justiça citou apenas um único caso em que os médicos propuseram aos pais dois métodos diferentes de tratamento, um dos quais previa a transfusão de sangue, porém, os pais optaram pelo tratamento com medicamentos.

Testemunhas de Jeová e Rússia: tudo o que você queria saber e tinha medo de perguntar
Os juristas também negam a presença de extremismo na literatura das Testemunhas de Jeová. De acordo com eles, as queixas foram apresentadas em relação a citações da Bíblia.

O Centro de Direção das Testemunhas de Jeová na Rússia é a organização central que gerencia as filiais da seita na Rússia. As Testemunhas de Jeová frisam que a decisão do Tribunal Supremo afeta diretamente cerca de 400 organizações locais registradas, bem como 2.277 grupos religiosos por todo o país que reúnem 175 milhares de adeptos.

Link original: https://br.sputniknews.com/russia/201706098609234-testemunhas-de-jeova-investigacao-supremo-tribunal-russia/

[SPUTNIK] Saiba as consequências da proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia


 © Sputnik/ Ruslan Krovobok

© Sputnik/ Ruslan Krovobok

A cessação das atividades das Testemunhas de Jeová na Rússia provocará mudanças importantes nas fileiras de seus seguidores, revelou à Sputnik o professor Aleksandr Dvorkin, especializado no estudo de seitas religiosas.

É previsível que o número de seguidores da organização na Rússia diminua, mas o mais importante é que os direitos civis de muitos cidadãos russos permaneçam protegidos, opinou Dvorkin.

 © AP Photo/ Ivan Sekretarev OSCE preocupada com a proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia

© AP Photo/ Ivan Sekretarev OSCE preocupada com a proibição das Testemunhas de Jeová na Rússia

Em 20 de abril, o Supremo Tribunal da Rússia declarou o Centro de Direção das Testemunhas de Jeová, sua principal organização jurídica no país eslavo, como organização extremista e proibiu seu funcionamento na Rússia, além de confiscar seus bens.

“Agora observamos um forte ataque contra a Rússia ligado à sentença sobre as Testemunhas de Jeová. Tentam apresentá-lo como ‘luta contra a religião, mas é falso”, afirma o professor.

A decisão não tem nada a ver com o tema da fé, nem a proíbe, já que se trata de uma entidade jurídica que manejava “enormes recursos financeiros” recrutando agressivamente novos membros e “limitando seus direitos civis”.

Testemunha de Jeová lê a Bíblia no estádio Meinau, em Estrasburgo, durante uma Assembleia regional que reuniu cerca de 12 mil Testemunhas de Jeová (1998 - foto de arquivo) © AFP 2017/ DAMIEN MEYER Testemunhas de Jeová e Rússia: tudo o que você queria saber e tinha medo de perguntar

Testemunha de Jeová lê a Bíblia no estádio Meinau, em Estrasburgo, durante uma Assembleia regional que reuniu cerca de 12 mil Testemunhas de Jeová (1998 – foto de arquivo) © AFP 2017/ DAMIEN MEYER Testemunhas de Jeová e Rússia: tudo o que você queria saber e tinha medo de perguntar

De acordo com Dvorkin, as Testemunhas de Jeová rejeitavam as bases do Estado russo, proibindo a seus seguidores servir no Exército ou de participar das eleições. Ademais, a organização não permite praticar certas profissões e dissuade ativamente seus adeptos na hora de receber formação superior.

Em geral, os seguidores deste ramo religioso se submetem a um rigoroso controle por parte da organização matriz e, frequentemente, novos recrutas integram as fileiras das Testemunhas de Jeová “por engano”.

“Ninguém impede nem proíbe que [os seguidores] se reúnam, professem a sua fé ou discutam suas crenças. Mas, pessoalmente, creio que em um futuro próximo o número de membros das Testemunhas de Jeová [na Rússia] diminuirá consideravelmente. Sem sua base financeira, já não se poderá investir tanto no recrutamento de novos adeptos e na sua expansão, e os membros existentes perderão seu interesse com a passagem do tempo”, afirmou Dvorkin.

A decisão da Justiça russa sobre a suspensão do funcionamento do Centro de Direção das Testemunhas de Jeová “se justifica pela proteção dos direitos civis” dos membros desta organização, acredita o professor.

Os defensores dos direitos humanos, inclusive nos outros países, “apenas se ocupam dos casos em que as seitas são alegadamente vítimas [na Rússia]”. Ou seja, protegem mais os organizadores, que violam os direitos humanos, do que os cidadãos afetados, observou o especialista russo.

Link original: https://br.sputniknews.com/russia/201705228448605-russia-testemunhas-de-jeova-seita-proibicao/

Grupo de Liberdade Religiosa observa ‘Preocupações graves’ sobre a Rússia (Inglês)


O juiz da Corte Suprema russa, Yuri Ivanenko, lê a decisão em uma sala de audiências em Moscou, em 20 de abril de 2017, proibindo que as Testemunhas de Jeová operem no país. Aceitou um pedido do ministério da justiça que a organização religiosa seja considerada um grupo extremista.

O juiz da Corte Suprema russa, Yuri Ivanenko, lê a decisão em uma sala de audiências em Moscou, em 20 de abril de 2017, proibindo que as Testemunhas de Jeová operem no país. Aceitou um pedido do ministério da justiça que a organização religiosa seja considerada um grupo extremista.

WASHINGTON – Pela primeira vez em quase 20 anos de existência, a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional designou a Rússia como País de Preocupação Especial por causa de um aumento nas políticas repressivas que diz que vai do assédio administrativo à prisão arbitrária.

“A primeira coisa é deixar claro ao governo russo em palavras, diretamente, idealmente do presidente dos Estados Unidos, que temos grandes preocupações com a direção da liberdade religiosa”, disse Daniel Mark, vice-presidente da USCIRF, à VOA, E “não apenas as regras, mas a trajetória, que tem sido realmente preocupante nos últimos tempos e desempenhou um grande papel em nossa decisão.”

No mês passado, a Suprema Corte russa decidiu que o grupo religioso das Testemunhas de Jeová era uma organização “extremista” e deve entregar todas as suas propriedades ao estado.

“Ser rotulado de maneira tal como se somos extremistas é claramente uma aplicação incorreta das leis sobre o extremismo. Claramente as Testemunhas de Jeová … não deveriam realmente ser o alvo porque não somos uma ameaça na Rússia ou em qualquer outro país do mundo. Estamos ativos em mais de 240 terras “, disse Robert Warren, da sede mundial das Testemunhas de Jeová, à VOA.

VÍDEO NO LINK ORIGINAL

Sem Bíblias permitidas

Warren diz que 175.000 pessoas na Rússia se identificam com a fé, e desde a decisão, o site da organização foi bloqueado e nenhuma Bíblia das Testemunhas de Jeová foi permitida no país.

“Realmente sentimos que a Suprema Corte da Confederação Russa teve uma oportunidade maravilhosa com esta decisão de mostrar realmente o quão avançados eles realmente estão em termos de proteger os direitos de seus próprios cidadãos que querem perseguir a educação bíblica”, acrescentou Warren, apontando ” Este é definitivamente um passo para trás. ”

Dezesseis países foram designados como países de preocupação especial pela USCIRF. A comissão bipartidária do governo dos EUA documenta a liberdade religiosa em todo o mundo, e faz recomendações ao presidente, secretário de Estado e do Congresso.

O relatório deste ano, 18, desde a criação da comissão em 1998, documenta as violações da liberdade religiosa em mais de 35 países, incluindo a República Centro-Africana, que também é um País de Preocupação Especial por “limpeza étnica de muçulmanos e violência sectária”. Conflito multianual.

Os membros das Testemunhas de Jeová reagem num tribunal depois da decisão de um juiz em Moscou, em 20 de abril de 2017. A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová de operar no país.

Os membros das Testemunhas de Jeová reagem num tribunal depois da decisão de um juiz em Moscou, em 20 de abril de 2017. A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová de operar no país.

Homicídios condenados
Esta semana, centenas de civis buscaram refúgio dentro de uma mesquita na cidade CAR de Banguassou, em meio a ataques contínuos de milícias cristãs que mataram civis e soldados da ONU.

Parfait Onanga-Anyanga, chefe da missão de manutenção da paz no CAR (MINUSCA), condenou veementemente os assassinatos, que, segundo ele, “visavam uma minoria com a intenção, sem dúvida, de inflamar a violência, não apenas em Banguassou, território.”

Em Mianmar, a discriminação governamental e social torna os muçulmanos Rohingya vulneráveis; Alguns até fugiram do país. Os cristãos são restringidos do culto público e submetidos à conversão forçada ao budismo, garantindo uma designação de País de Preocupação Particular. O governo e militares negam todas as alegações.

No Paquistão, a comissão recomendou que as leis de blasfêmia fossem revogadas porque “elas são, de uma forma ou de outra, uma violação do Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e, na prática, são usadas para violar a liberdade dos crentes e não crentes”.

Os budistas de linha dura caminham por uma mesquita durante uma marcha de protesto, liderada pelo Partido Nacional Arakan dominante do Estado de Rakhine, contra o plano do governo de dar cidadania a alguns perseguidos muçulmanos Rohingya, em 19 de março de 2017, em Mianmar.

Os budistas de linha dura caminham por uma mesquita durante uma marcha de protesto, liderada pelo Partido Nacional Arakan dominante do Estado de Rakhine, contra o plano do governo de dar cidadania a alguns perseguidos muçulmanos Rohingya, em 19 de março de 2017, em Mianmar.

Um pedido de Trump
Clifford May, comissário e fundador da Fundação para a Defesa das Democracias, disse que “no nascimento, o Paquistão tinha uma população de minoria de 30 por cento. É agora de 3%, e 3% é muito oprimido a cada dia, e é decepcionante. “Ele disse que a última vez que falou sobre as questões no Paquistão, enquanto suas palestras ressoavam com alguns, um sapato foi jogado em sua cabeça também.

No que diz respeito à liberdade religiosa, o Reverendo Thomas Reese, presidente da comissão, disse: “Queremos que a administração Trump faça dela uma questão, uma prioridade em sua política externa … nossa política externa não deve ser apenas sobre o interesse próprio dos EUA – você Saber, segurança nacional e comércio. Também deve ser sobre os ideais, os valores para os quais este país é conhecido “, observando” também acreditamos que a promoção da liberdade religiosa em todo o mundo é um interesse de segurança nacional, porque traz para sociedades pacíficas onde há mais tolerância e estabilidade e paz. ”

Link original: https://www.voanews.com/a/russia-designated-as-country-of-particular-concern-for-first-time/3861054.html