Archive for the ‘Preconceito’ Category

[JORNAL TORNADO] Cem anos depois das Revoluções (Portugal)


Assinalando os cem anos da aparição russa do estado soviético temos participado em vários debates em que o tema Religião na Rússia tem sido o mais animado.

Uma das conclusões desses debates é que a Igreja Ortodoxa local é preponderante entre muitas outras confissões presentes no território, sendo um muro a outras convicções e um limite numa desejável liberdade religiosa, muito difícil de encontrar ao longo da toda a História daquele país.

A segunda constatação é a de que a superstição é muito mais forte do que a religião e a prática religiosa na maior parte dos casos é mais uma manifestação dessa superstição do que uma crença coerente e regular. Finalmente, o Estado e a Religião, na Rússia, têm andado a par e passo, com muitos pontos de convergência e o braço de ferro entre ambos contradiz-se pela mão dada da cumplicidade.

Como Henrique VIII na velha Inglaterra do século XVI, parece mesmo que Putin gostava de liderar a religião, sendo o Patriarca reconhecido?

As notícias mais interessantes dos últimos tempos, prendem-se com a proibição do culto das Testemunhas de Jeová em território russo – e os comentadores dizem que se seguirá a perseguição aos Adventistas.

Em Maio último, outra notícia surpreendeu alguma opinião pública: Ruslan Sokolovsky, um jovem da região sul de Krasnodar foi investigado pelo seu comportamento alegadamente ofensivo para com os sentimentos dos ateus.

Até agora, a legislação que criminaliza os “crentes insultantes” e os “sentimentos religiosos” tinha sido usada para defender a poderosa e politicamente bem conetada Igreja Ortodoxa Russa e seus seguidores.

A Constituição da Rússia afirma que o país é um estado laico, mas a Lei do Parlamento russo (Duma) sobre a religião, datada de 1997, afirma que as quatro religiões tradicionais da Rússia são a Igreja Ortodoxa Russa, o Islão, o Budismo (principalmente lamaísta) e o Judaísmo, de modo que todos têm o direito de pregação e prática, podendo divulgar a sua religião em público e em privado.

As outras religiões devem executar procedimentos de registo e obedecer ao que a Lei lhes reservar. A Rússia, vista por alguns estrangeiros como um país de grande tradição e prática religiosa, é, no entanto, um dos países com o maior número de ateus e agnósticos no mundo. Em contrapartida, a religiosidade na Rússia é muito étnica, e a confissão religiosa é relacionada diretamente com os grupos étnicos.

A maioria de cristãos ortodoxos são eslavos, a maioria dos muçulmanos são turcos, a maioria dos budistas são mongóis (predominantemente seguidores do budismo mongol). Apenas os judeus representam um grupo étnico autónomo. Outros grupos religiosos na Rússia expressivos são os católicos romanos, os católicos russos, os protestantes, os neopagãos do leste europeu, os animistas, os Hare Krishnas e os Bahá’ís.

Fica a promessa de voltar a este tema.

Link original: http://www.jornaltornado.pt/cem-anos-das-revolucoes/

Anúncios

[Nações Unidas] Sob ocupação russa, Crimeia é palco de ‘múltiplas e graves’ violações de direitos, aponta ONU


Sob ocupação russa, a região da Crimeia virou palco de “múltiplas e graves” violações de direitos humanos. É a conclusão de um relatório publicado nesta semana (25) pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Detenções arbitrárias, desaparecimento forçado, maus-tratos, tortura e pelo menos uma morte extrajudicial estão entre os crimes documentados.

Hospital destruído por bombardeiros em Sloviansk, Ucrânia. País foi levado a conflito com forças separatistas em 2014. Tensões recrudesceram após ocupação da Crimeia e realização de referendo ilegítimo que transferiu território para o controle da Rússia. Foto: UNICEF Ucrânia/Pavel Zmey

Hospital destruído por bombardeiros em Sloviansk, Ucrânia. País foi levado a conflito com forças separatistas em 2014. Tensões recrudesceram após ocupação da Crimeia e realização de referendo ilegítimo que transferiu território para o controle da Rússia. Foto: UNICEF Ucrânia/Pavel Zmey

Sob ocupação russa, a região da Crimeia virou palco de “múltiplas e graves” violações de direitos humanos. É a conclusão de um relatório publicado nesta semana (25) pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Detenções arbitrárias, desaparecimento forçado, maus-tratos, tortura e pelo menos uma morte extrajudicial estão entre os crimes documentados.

Dezenas de milhares de pessoas sofreram as consequências da imposição da cidadania russa, sobretudo três grupos principais — os que rejeitaram o novo status de nacionalidade, os servidores públicos que tiveram de renunciar a cidadania ucraniana ou perder seus empregos e moradores da Crimeia que não cumpriram os requisitos legais para obter a cidadania russa e se tornaram estrangeiros.

“Pessoas com uma autorização de residência, mas que não têm cidadania russa não gozam de igualdade perante a lei e estão privadas de direitos importantes”, aponta o relatório. “Elas não podem ter terras para a agricultura, votar e ser eleitos, registrar uma comunidade religiosa, solicitar uma audiência pública, ocupar cargos na administração pública e fazer um novo registro de seu veículo particular na península.”

Somando-se às críticas feitas pelo levantamento, o alto-comissário da ONU para os direitos humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, afirmou que a imposição de cidadania a habitantes de um território ocupado “pode ser equiparada a obrigá-los a jurar aliança a um poder que eles talvez considerem como hostil, o que é proibido de acordo com a Quarta Convenção de Genebra.”

Detenções violam direito internacional
O relatório do ACNUDH lembra ainda que centenas de presos e detentos que aguardavam julgamento foram transferidos para a Rússia, embora a prática seja estritamente proibida pelo direito humanitário internacional. Entre os prisioneiros, estava o cineasta ucraniano Oleh Sientsov, detido em Simferopol, em maio de 2014, e transferido no mesmo mês para um cárcere na Sibéria. Alguns dos detentos foram vítimas de maus-tratos e pelo menos três morreram após não receberem os cuidados médicos de que precisavam.

Desrespeitando suas obrigações enquanto poder ocupante, a Rússia substituiu a legislação ucraniana em vigor na Crimeia pelas leis russas. O resultado, aponta o documento, foi a implementação de diretivas que restringiram o direito à liberdade e segurança da pessoa, bem como os espaços para as liberdades fundamentais. Os mais afetados foram os opositores do referendo de março de 2014 e outros críticos, como ativistas e jornalistas.

“Juízes aplicaram disposições do direito penal russo para uma ampla variedade de reuniões pacíficas, discursos e atividades e, em alguns casos, retroativamente, para eventos que precederam a ocupação temporária da Crimeia ou que ocorreram fora da península, na Ucrânia continental”, denuncia o relatório.

O documento cita ainda casos emblemáticos, incluindo o fechamento de veículos de comunicação da Crimeia e da Ucrânia, a criminalização das 22 congregações de Testemunhas de Jeová da região e acusações contra indivíduos que teriam sido acusados de organizar “piquetes de apenas uma pessoa”.

“O Judiciário falhou em manter o Estado de Direito e em exercer a administração adequada da Justiça. Há uma necessidade urgente por responsabilização para as violações de direitos humanos e abusos e por reparações para as vítimas”, criticou Zeid.

O relatório do ACNUDH apresenta 20 recomendações para a promoção dos direitos humanos na Crimeia. Entre as orientações, está a cobrança por investigações eficazes de ocorrências suspeitas de tortura, sequestro e assassinatos envolvendo as forças de segurança e entidades de autodefesa da Crimeia.

Embora tenho tido acesso negado ao território da Crimeia, a equipe do ACNUDH na Ucrânia elaborou o relatório a partir de investigações e entrevistas conduzidas próximo à fronteira com a região. Os fatos descritos são alegações de abusos de direitos humanos. Acesse a publicação clicando aqui.

Link original: https://nacoesunidas.org/sob-ocupacao-russa-crimeia-e-palco-de-multiplas-e-graves-violacoes-de-direitos-aponta-onu/

[Isto É] Membros da Cientologia são presos na Rússia por ‘extremismo’


(Arquivo) Sede da Igreja da Cientologia em Bruxelas - AFP

(Arquivo) Sede da Igreja da Cientologia em Bruxelas – AFP

Quatro membros da Cientologia foram presos por “extremismo” e “comércio ilegal” em São Petersburgo, informou nesta quinta-feira a justiça russa, dois dias após operações de busca na sede desta organização.

Dois adeptos foram detidos na quarta-feira e mais dois nesta quinta até 5 de agosto, data do julgamento, informou a justiça, acrescentando que o destino de uma quinta pessoa também detida em conexão com essa operação será decidido sexta-feira.

Todos são acusados ​​de “extremismo”, “comércio ilegal” e “afronta à dignidade humana”, segundo a fonte.

“Ainda não podemos explicar as causas deste ataque contra a nossa organização”, declarou à AFP Marina Simanina, porta-voz da Cientologia em São Petersburgo.

As detenções acontecem depois que a justiça russa proibiu as Testemunhas de Jeová em território russo, abrindo caminho para o confisco das propriedades dessa organização oficialmente considerada “extremista”.

Registrada na Rússia em 1994, a Cientologia entrou nos últimos anos na mira da justiça russa.

Em março, a polícia realizou buscas em um centro de Cientologia na região de Moscou.

A justiça russa considera as publicações da organização como “extremistas”.

Link original: http://istoe.com.br/membros-da-cientologia-sao-presos-na-russia-por-extremismo/

Grupo de Liberdade Religiosa observa ‘Preocupações graves’ sobre a Rússia (Inglês)


O juiz da Corte Suprema russa, Yuri Ivanenko, lê a decisão em uma sala de audiências em Moscou, em 20 de abril de 2017, proibindo que as Testemunhas de Jeová operem no país. Aceitou um pedido do ministério da justiça que a organização religiosa seja considerada um grupo extremista.

O juiz da Corte Suprema russa, Yuri Ivanenko, lê a decisão em uma sala de audiências em Moscou, em 20 de abril de 2017, proibindo que as Testemunhas de Jeová operem no país. Aceitou um pedido do ministério da justiça que a organização religiosa seja considerada um grupo extremista.

WASHINGTON – Pela primeira vez em quase 20 anos de existência, a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional designou a Rússia como País de Preocupação Especial por causa de um aumento nas políticas repressivas que diz que vai do assédio administrativo à prisão arbitrária.

“A primeira coisa é deixar claro ao governo russo em palavras, diretamente, idealmente do presidente dos Estados Unidos, que temos grandes preocupações com a direção da liberdade religiosa”, disse Daniel Mark, vice-presidente da USCIRF, à VOA, E “não apenas as regras, mas a trajetória, que tem sido realmente preocupante nos últimos tempos e desempenhou um grande papel em nossa decisão.”

No mês passado, a Suprema Corte russa decidiu que o grupo religioso das Testemunhas de Jeová era uma organização “extremista” e deve entregar todas as suas propriedades ao estado.

“Ser rotulado de maneira tal como se somos extremistas é claramente uma aplicação incorreta das leis sobre o extremismo. Claramente as Testemunhas de Jeová … não deveriam realmente ser o alvo porque não somos uma ameaça na Rússia ou em qualquer outro país do mundo. Estamos ativos em mais de 240 terras “, disse Robert Warren, da sede mundial das Testemunhas de Jeová, à VOA.

VÍDEO NO LINK ORIGINAL

Sem Bíblias permitidas

Warren diz que 175.000 pessoas na Rússia se identificam com a fé, e desde a decisão, o site da organização foi bloqueado e nenhuma Bíblia das Testemunhas de Jeová foi permitida no país.

“Realmente sentimos que a Suprema Corte da Confederação Russa teve uma oportunidade maravilhosa com esta decisão de mostrar realmente o quão avançados eles realmente estão em termos de proteger os direitos de seus próprios cidadãos que querem perseguir a educação bíblica”, acrescentou Warren, apontando ” Este é definitivamente um passo para trás. ”

Dezesseis países foram designados como países de preocupação especial pela USCIRF. A comissão bipartidária do governo dos EUA documenta a liberdade religiosa em todo o mundo, e faz recomendações ao presidente, secretário de Estado e do Congresso.

O relatório deste ano, 18, desde a criação da comissão em 1998, documenta as violações da liberdade religiosa em mais de 35 países, incluindo a República Centro-Africana, que também é um País de Preocupação Especial por “limpeza étnica de muçulmanos e violência sectária”. Conflito multianual.

Os membros das Testemunhas de Jeová reagem num tribunal depois da decisão de um juiz em Moscou, em 20 de abril de 2017. A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová de operar no país.

Os membros das Testemunhas de Jeová reagem num tribunal depois da decisão de um juiz em Moscou, em 20 de abril de 2017. A Suprema Corte da Rússia proibiu as Testemunhas de Jeová de operar no país.

Homicídios condenados
Esta semana, centenas de civis buscaram refúgio dentro de uma mesquita na cidade CAR de Banguassou, em meio a ataques contínuos de milícias cristãs que mataram civis e soldados da ONU.

Parfait Onanga-Anyanga, chefe da missão de manutenção da paz no CAR (MINUSCA), condenou veementemente os assassinatos, que, segundo ele, “visavam uma minoria com a intenção, sem dúvida, de inflamar a violência, não apenas em Banguassou, território.”

Em Mianmar, a discriminação governamental e social torna os muçulmanos Rohingya vulneráveis; Alguns até fugiram do país. Os cristãos são restringidos do culto público e submetidos à conversão forçada ao budismo, garantindo uma designação de País de Preocupação Particular. O governo e militares negam todas as alegações.

No Paquistão, a comissão recomendou que as leis de blasfêmia fossem revogadas porque “elas são, de uma forma ou de outra, uma violação do Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e, na prática, são usadas para violar a liberdade dos crentes e não crentes”.

Os budistas de linha dura caminham por uma mesquita durante uma marcha de protesto, liderada pelo Partido Nacional Arakan dominante do Estado de Rakhine, contra o plano do governo de dar cidadania a alguns perseguidos muçulmanos Rohingya, em 19 de março de 2017, em Mianmar.

Os budistas de linha dura caminham por uma mesquita durante uma marcha de protesto, liderada pelo Partido Nacional Arakan dominante do Estado de Rakhine, contra o plano do governo de dar cidadania a alguns perseguidos muçulmanos Rohingya, em 19 de março de 2017, em Mianmar.

Um pedido de Trump
Clifford May, comissário e fundador da Fundação para a Defesa das Democracias, disse que “no nascimento, o Paquistão tinha uma população de minoria de 30 por cento. É agora de 3%, e 3% é muito oprimido a cada dia, e é decepcionante. “Ele disse que a última vez que falou sobre as questões no Paquistão, enquanto suas palestras ressoavam com alguns, um sapato foi jogado em sua cabeça também.

No que diz respeito à liberdade religiosa, o Reverendo Thomas Reese, presidente da comissão, disse: “Queremos que a administração Trump faça dela uma questão, uma prioridade em sua política externa … nossa política externa não deve ser apenas sobre o interesse próprio dos EUA – você Saber, segurança nacional e comércio. Também deve ser sobre os ideais, os valores para os quais este país é conhecido “, observando” também acreditamos que a promoção da liberdade religiosa em todo o mundo é um interesse de segurança nacional, porque traz para sociedades pacíficas onde há mais tolerância e estabilidade e paz. ”

Link original: https://www.voanews.com/a/russia-designated-as-country-of-particular-concern-for-first-time/3861054.html

[RadioFreeEurope RadioLiberty] (Vídeo) Marcados como Extremistas, Testemunhas de Jeová da Rússia diz a Constituição (Inglês)


Por Tom Balmforth

Adoradores muitas vezes lêem de smartphones e tablets, pois os envios de Bíblias foram interceptados na fronteira russa pelos costumes desde 2015.

Adoradores muitas vezes lêem de smartphones e tablets, pois os envios de Bíblias foram interceptados na fronteira russa pelos costumes desde 2015.

MOSCOU – As Testemunhas de Jeová lentamente entraram lentamente em um modesto templo no noroeste de Moscou para seu primeiro serviço como “extremistas”.

Apenas dois dias antes, em 20 de abril, a Suprema Corte havia declarado a denominação cristã como uma organização extremista e ordenado a sua propriedade na Rússia apreendida, efetivamente proibindo as Testemunhas de Jeová do país uma vez que a decisão entre em vigor.

No entanto, neste dia os serviços continuam como normal no Salão do Reino de Moscou – embora com medidas de segurança ramped-up. Referindo-se a disposições legais que consagram o direito de “escolher livremente, possuir e difundir opiniões religiosas e outras”, o ministro diz à congregação que aplaudiu fortemente que “o artigo 28 da Constituição da Rússia ainda nos permite continuar a adorar a Jeová e compartilhar nossas convicções pessoais com outros.”

Sentado em filas, o rebanho canta e lê de smartphones e comprimidos em vez de hinários ou boletins de serviço; As remessas de Bíblias usadas pelas Testemunhas de Jeová foram interceptadas na fronteira russa pelos costumes desde 2015. Em qualquer caso, os organizadores não distribuem literatura para não violar as leis contra a missão.

Adoradores como Yevgeny Kondautov, 45, dizem que essas reuniões a portas fechadas permanecem legais porque a decisão ainda não entrou em vigor e o processo de apelação está em andamento. Mas ele disse que a comunidade está no limite e que a decisão enviou uma mensagem à sociedade e à polícia de que membros de sua comunidade são extremistas.

Uma cópia da tradução da Bíblia feita pelas Testemunhas de Jeová

Uma cópia da tradução da Bíblia feita pelas Testemunhas de Jeová

Ele diz que um dia antes assaltantes atiraram pedras em sua sede em São Petersburgo, esmagando janelas.

“Chamamos a polícia, mas eles não vieram”, diz Kondautov. “Eles pensam: ‘Eles são extremistas, então é isso que eles têm vindo a eles'”.

Ele também acredita que a polícia poderia irromper pela porta a qualquer momento. Vários Salões do Reino em todo o país teriam sido invadidos nos últimos meses. Em 14 de abril, por exemplo, a TV estatal mostrou Guardas Nacionais armados em equipamentos de combate invadindo um Salão do Reino em Chelyabinsk:

Infelizmente, temos muita experiência nisso “, diz Kondautov, cujo avô, uma Testemunha de Jeová, foi enviado para os campos de trabalho sob o comando de Josef Stalin, por proselitismo.

As Testemunhas de Jeová tiveram uma perseguição pequena e perseguida na União Soviética. Depois que suas atividades foram legalizadas após a dissolução soviética, seu número de membros ativos aumentou para mais de 170.000.

O Salão do Reino atendido por Kondautov é o maior em Moscou e foi alugado pelas Testemunhas de Jeová por cerca de 20 anos. Ele tem cinco salas diferentes compartilhadas por adoradores divididos em congregações pela região de Moscou. Há também serviços realizados em línguas estrangeiras e um em linguagem gestual para uma pequena congregação surda.

Após o incidente em São Petersburgo, Kondautov diz, eles pararam de usar seu salão principal, porque é no piso térreo e eles temem pedras poderiam ser atiradas para as janelas.

Outras precauções de segurança já se tornaram rotina. Cada vez que abrem o salão, os adoradores conduzem uma varredura das instalações para se certificar de que nenhuma literatura extremista tenha sido plantada. Eles alegam que os policiais plantam livros proibidos para “encontrá-los” durante os ataques, estabelecendo um pretexto para o grupo ser banido.

Os membros da congregação levantam as mãos durante o serviço esperando que eles sejam selecionados para ler em voz alta.

Os membros da congregação levantam as mãos durante o serviço esperando que eles sejam selecionados para ler em voz alta.

As Testemunhas de Jeová têm sido vistas há muito tempo com suspeita na Rússia por suas posições sobre o serviço militar, o voto ea autoridade do governo em geral. Eles são freqüentemente retratados na TV estatal como uma seita perniciosa ligada aos Estados Unidos que destrói famílias e ameaça vidas por meio de sua postura em transfusões de sangue.

O processo de extremismo procurou proibir o centro administrativo da cabeça das Testemunhas de Jeová, alegando que seus ramos locais haviam sido apanhados com literatura extremista. As Testemunhas de Jeová alegaram no tribunal que esses itens haviam sido plantados e que também haviam tomado medidas para impedir que a literatura extremista fosse trazida para suas instalações.

Mikhail Vanichev, 43 anos, vendedor de uma empresa jurídica, teme que o Salão do Reino em Moscou possa ser apreendido pelas autoridades.

“Esperamos que isso não aconteça”, diz ele, observando que o edifício não é propriedade deles e, portanto, não pode ser confiscado tecnicamente de acordo com a decisão do tribunal. “Este edifício não pertence ao Centro Administrativo [das Testemunhas de Jeová], mas não sabemos o que poderia acontecer”.

Vanichev explica que, em teoria, o senhorio poderia ficar sob pressão para parar de alugar a propriedade.

“Houve casos em que estávamos alugando um prédio e fizemos um pagamento antecipado e assinamos um contrato, e a pressão foi colocada no senhorio e ele retirou-se”, diz ele.

Este edifício no noroeste de Moscou tem servido como um Salão do Reino para as Testemunhas de Jeová nos últimos 20 anos.

Este edifício no noroeste de Moscou tem servido como um Salão do Reino para as Testemunhas de Jeová nos últimos 20 anos.

Adoradores disseram que ficaram chocados com a decisão e colocaram suas esperanças em apelos.

“Claro, estou preocupada com a minha vida”, diz Sofia Nasonova, de 24 anos. “Eu nunca fiz nada de ruim para ninguém. Eu era uma boa menina na escola. Eu era um estudante de honra. Lei é realmente surpreendente para mim, que eles querem banir-nos. ”

Seu marido, Aleksei Nasonov, de 44 anos, diz: “Vamos esperar que a justiça triunfe, não estamos violando nenhuma lei, a lei da liberdade de consciência nos permite proselitismo”.

A situação é desagradável, diz Nasonov, que faz trabalhos de renovação e se descreve como um ex-alcoólatra, mas não inesperado.

“Como é dito nas Sagradas Escrituras, Jesus foi perseguido e seus seguidores serão perseguidos”, diz Nasonov. “Então, em princípio, estávamos preparados para isso. É lamentável que isso tenha acontecido.”

Depois do culto, a próxima congregação logo se reunia no lado de fora do Hall No. 4. Uma mulher idosa bem vestida se aproxima de Kondaudov e Vanichev conversando lá fora.

“Desculpe interromper, eu tenho acompanhado as notícias e fiquei um pouco assustado, como vamos agir agora?”, Ela diz.

“A única coisa que resta é sorrir, para não chorar”, responde Kondautov, rindo suavemente.

“Ah, eu entendo”, diz ela. “E para abrir nossos braços em perplexidade.”

“Sim, isso fará também”, conclui Kondautov.

Link original:

[VÍDEO] [Newsweek] Depois da Proibição, as Testemunhas de Jeová na Rússia assediadas pela polícia durante os cultos (Inglês)


VÍDEO NO LINK ORIGINAL NO FIM DESTA MATÉRIA

Depois da Proibição, as Testemunhas de Jeová na Rússia assediadas pela polícia durante os cultos

As autoridades russas já começaram a quebrar os serviços das Testemunhas de Jeová e a coletar as identidades dos membros depois de uma decisão da Suprema Corte de manter uma proibição da organização religiosa, disse um porta-voz da fé na terça-feira.

A Suprema Corte dos Estados Unidos ordenou que todos os 395 capítulos locais do grupo religioso fossem apreendidos e suas atividades proscritas. A fé, que compreende 175.000 membros na Rússia e tem estado ativa no país desde 1991, ainda não recebeu a decisão escrita do tribunal, a qual ela precisa para lançar um apelo, algo que ela disse que fará.

Enquanto isso, as contas bancárias do grupo na Rússia já foram congeladas ea maioria dos salões do reino, onde os membros se reúnem para serviços e oração, cessaram a atividade. Onde os capítulos locais permaneceram operacionais, uma presença policial intimidatória está sendo sentida, disse o porta-voz das Testemunhas de Jeová na Rússia, Yaroslav Sivulskiy.

“Esperamos que a polícia esteja muito ativa para interromper as reuniões”, disse ele à Newsweek na terça-feira. “Nós já começamos a receber relatórios em alguns lugares que as reuniões foram interrompidas. Eles tomam dados pessoais, como cópias de identidade pessoal, de quem estava lá. E depois disso, eles os deixam ir, mas querem saber quem participa dessas reuniões. ”

Durante a audiência da Suprema Corte de seis dias, o ministério da justiça disse que os membros do grupo poderiam ser processados ​​individualmente se a decisão fosse em seu favor. Sivulskiy diz que agora teme que os fiéis sejam colocados na prisão.

“Provavelmente poderia acontecer”, disse ele. “Até agora, ninguém está na prisão, mas esta decisão judicial é importante. Isso abriu a porta para qualquer ação injusta contra as Testemunhas de Jeová. Não temos ilusões de que tudo estará bem. Não, não vai ficar bem. ”

A luta legal da fé foi travada outro golpe segunda-feira quando um tribunal distrital em Moscou rejeitou uma ação judicial tentando levantar uma suspensão sobre os ativos do grupo postos em prática quando o Ministério da Justiça da Rússia declarou que uma organização extremista no mês passado. Sivulskiy disse que tem “muito, muito pouco” esperança de que um apelo será bem sucedido. A partir daí, o único passo restante será ir para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Mas, mesmo que esse tribunal funcione a favor do grupo, não há garantia de que a Rússia aceite a decisão.

A lei anti-extremismo foi introduzida na Rússia após a segunda guerra do país na Chechênia em 1999 e 2000 e os ataques do 11 de setembro nos Estados Unidos. Durante a audiência na Suprema Corte, o ministério da justiça argumentou que a posição das Testemunhas de Jeová sobre a rejeição de transfusões de sangue era uma das formas em que violava essa lei. A denominação cristã, que foi formada e ainda tem sua sede nos Estados Unidos, já tinha sido impedida de importar seus textos religiosos.

A decisão do Supremo Tribunal Federal foi condenada na semana passada pela Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional, que a classificou como um ato de “paranóia” por parte do governo do presidente russo, Vladimir Putin. A decisão também foi criticada pelo Departamento de Estado dos EUA, bem como pela União Européia e pelos governos da Alemanha e do Reino Unido. Na terça-feira, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) acrescentou a sua voz ao protesto, especialmente à luz dos relatórios de polícia quebrar os serviços religiosos.

“Exorto as autoridades russas a garantirem o respeito do direito à liberdade de religião ou de crença, à liberdade de opinião e de expressão, à liberdade de reunião pacífica e à associação dos indivíduos pertencentes à comunidade das Testemunhas de Jeová, em conformidade com as obrigações A lei dos direitos humanos e os compromissos da OSCE “, disse em comunicado Michael Georg Link, diretor do Escritório para as Instituições Democráticas e os Direitos Humanos da OSCE.

Sivulskiy disse que as Testemunhas de Jeová não são uma ameaça à Rússia.

“Você não pode acusar as Testemunhas de Jeová de serem extremistas”, disse Sivulskiy. “É loucura porque somos tão inocentes. Terrorismo e extremismo é um sinônimo. Como as Testemunhas de Jeová podem ser um sinônimo da Al-Qaeda ou algo parecido? Não tem palavras. Sem palavras.”

Link original: http://www.newsweek.com/jehovahs-witnesses-russia-ban-police-589791

[Angelus News] Por que a nova proibição da Rússia sobre as Testemunhas de Jeová é tão preocupante (Inglês)


Creditos: Keep Smiling Photography via Shutterstock.

Creditos: Keep Smiling Photography via Shutterstock.

Por Catholic News Agency

As Testemunhas de Jeová foram banidas como um grupo extremista em uma decisão da Suprema Corte de quinta-feira que os observadores temiam sinalizou um novo passo atrás para a liberdade religiosa .

“Para as Testemunhas de Jeová, isso vai ser um tempo assustador”, Lorcan Price, consultor jurídico da ADF International em Estrasburgo, disse à CNA em 21 de abril. “Significa efetivamente que manter suas crenças e manifestá-las equivale a um ato criminoso na Rússia. Eles arriscam novos níveis de perseguição pelas autoridades russas. ”

Price viu a mudança como continuando a reversão das tendências positivas na Rússia pós-soviética. “O que estamos vendo realmente é o slide de volta para o tipo de atitude que caracterizou o pior da opressão no século 20 pelo regime soviético na Rússia”, acrescentou. “É obviamente muito triste e desanimador ver isso acontecer novamente.”

O Ministério da Justiça da Rússia ordenou em março que a denominação das Testemunhas de Jeová fosse liquidada e dissolvida. Os juízes ordenaram o fechamento da sede russa da denominação e quase 400 capítulos locais. A propriedade da denominação também seria apreendida. O advogado da denominação, Viktor Zhenkov, disse que o grupo apelará da decisão do tribunal que confirma a ordem. “Consideramos esta decisão um ato de repressão política que é inadmissível na Rússia contemporânea”, disse Zhenkov ao New York Times.

A Rússia tem deveres sob o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos para proteger a liberdade de culto e crença. A Igreja Ortodoxa Russa é predominante na Rússia, e alguns de seus membros têm empurrado para fora da lei ou refrear as Testemunhas de Jeová. Serviço de segurança federal da Rússia, o FSB, também mantém a denominação sob profunda suspeita. Svetlana Borisova, que representava o Ministério da Justiça no Supremo Tribunal, acusou os membros da denominação de terem “sinais de atividades extremistas que representam uma ameaça aos direitos dos cidadãos, à ordem social e à segurança da sociedade”.

Price disse que a decisão foi “muito decepcionante e chocante”, mas não é surpreendente dado as tendências negativas. “No ano passado, em particular, o governo adotou uma legislação muito draconiana e de grande alcance que tem gravemente perturbado o direito de culto e liberdade de crença na Rússia”, disse ele.

Medidas antiterroristas deram poderes à polícia russa para interromper os cultos privados, para prender e reter indivíduos que distribuem materiais religiosos não aprovados e para gastar qualquer pregação de publicação sem a aprovação prévia das autoridades russas.

As Testemunhas de Jeová sofreram intensa perseguição sob a era soviética até a queda do comunismo em 1991. Uma lei anti-extremismo de 2002 e uma definição mais ampla de extremismo em 2006 colocaram mais uma vez pressão legal sobre a denominação Price disse um apelo ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos Direitos poderia produzir uma resposta positiva, mas a Rússia tem “uma longa história de ignorar as decisões” desse tribunal, que depende da pressão diplomática para fazer cumprir suas decisões.

“Para os cristãos e religiões minoritárias na Rússia este é um tempo assustador”, disse ele. “Obviamente, esperamos que as pessoas orem por eles”. “O que esperamos é que o governo russo fique consciente da condenação internacional e reverta essas políticas”.

Link original: http://angelusnews.com/articles/why-russia-s-new-ban-on-jehovah-s-witnesses-is-so-troubling